A Palavra imutável num mundo mutável

Quando Jesus estava expondo a parábola da figueira e advertindo sobre a necessidade de estarmos vigilantes para a sua segunda vinda, afirmou: “Passará o céu e a terra, porém as minhas palavras não passarão” (Mt 24.35). Portanto, a profecia de Jesus é que sua palavra ficará imutável. O mundo haverá de passar, pois será destruído; mas a Palavra de Jesus ficará a mesma, para sempre.

Nós vivemos esta profecia de Jesus. Somos salvos confiando nas mesmas palavras e promessas dele. Mas o mundo, quanta mudança! Não conseguimos nem imaginar a realidade do mundo no tempo de Jesus em contraste com o progresso, as facilidades e as invenções que modificaram a vida da humanidade até os tempos de hoje.

A Palavra imutável nos cultos

Nós temos muito a agradecer a Deus, pois continuamos a ouvir a sua Palavra imutável em nossos cultos, mesmo que o mundo tenha sofrido constantes mutações. Talvez possamos ser confrontados com perguntas como: Vocês não vão rever a Bíblia e atualizar seus significados? O mundo já mudou tanto, como é que vocês não veem que é necessário adaptar a mensagem bíblica para o mundo de hoje?

A palavra imutável num mundo mutável teve suas lutas desde o início da Igreja Cristã. Logo surgiram falsos mestres que queriam mudar a Palavra de Deus ou o seu sentido. Por isso surgiram os Credos: o Apostólico, o Niceno e o Atanasiano. Eles surgiram na igreja para dar resposta a doutrinas errôneas e para firmar os cristãos na doutrina pura da Palavra de Deus. Por isso, no final do Credo Atanasiano, confessamos: “Esta é a verdadeira fé cristã. Aquele que não crer com firmeza e fidelidade, não poderá ser salvo”. Quando nós, hoje, dizemos estes Credos, estamos nos unindo à Igreja de todos os tempos confessando que cremos na Palavra imutável num mundo mutável.

Algo semelhante aos Credos aconteceu com a liturgia da Igreja. O que hoje chamamos de liturgia histórica é a herança de culto e de fé da igreja que, reunida em torno da Palavra e dos Sacramentos do Batismo e da Santa Ceia, passou a ter uma Ordem de Culto que distinguiu a Igreja Cristã de outras práticas não cristãs. Por isso, a liturgia histórica serve de testemunho concreto da palavra imutável num mundo mutável.

Além da liturgia histórica, a Igreja produziu também um enorme repertório de cantos congregacionais, os hinos. E esta produção continua em nossos dias. Quando cantamos um hino produzido nos dias de hoje, expressamos aquilo que alguns salmos apontam: “Cantai ao Senhor um cântico novo, porque ele tem feito maravilhas” (Sl 98.1). Quando cantamos um hino produzido no passado, unimo-nos à Igreja de todos os tempos e expressamos que temos a mesma fé que toda a Igreja tem, no mesmo Salvador para os povos, de todas as nações e para todas as épocas.

Ainda podemos inserir neste contexto histórico, no qual a Palavra está envolvida, as vestes litúrgicas e os templos onde nos reunimos. As vestes litúrgicas (basicamente a alba e a estola) do pastor são elementos visíveis de costumes antigos que nos mostram a Palavra imutável num mundo em mutação. Combinam com as vestes do pastor as “vestes” (paramentos) do altar, púlpito e ambão (púlpito para as leituras bíblicas). As cores da estola que o pastor veste estão nos paramentos. Também os templos (igrejas) que construímos têm características antigas que expressam a Palavra imutável num mundo em mutação. No interior dos templos, diante da congregação, há um altar, símbolo da presença de Deus que nos dá a Palavra imutável num mundo mutável. As cores, as vestes do pastor, o altar e mesmo o templo são elementos visíveis para o culto e nos “ensinam pelos olhos”, pois ao vermos estes elementos, somos lembrados de suas finalidades.

Nosso desafio: Palavra imutável x mundo mutável

Quando Lutero foi solicitado a elaborar a Missa Alemã, deixou escrito no início do prefácio: “Antes de mais nada, quero ter solicitado de forma muito amável, também pelo amor de Deus, a todos aqueles que chegarem a ver esta nossa ordem do culto, ou desejam segui-la que, de modo algum, façam dela uma lei compulsória, nem comprometam ou prendam a consciência de ninguém, mas façam uso da liberdade cristã segundo o seu agrado, como, onde, quando e por quanto tempo as circunstâncias o reclamem e exijam”. Precisamos notar que Lutero fez revisões da missa histórica tanto em sua Missa Latina quanto em sua Missa Alemã. Lutero não fez mudanças radicais e nem mesmo obrigou alguém a seguir suas revisões nas ordens de culto.

Seguindo a prudência que Lutero nos mostra, temos que nos perguntar antes de fazer mudanças no culto:

· Que queremos dizer quando não usamos os Credos históricos?

· Que queremos dizer quando não usamos a liturgia histórica?

· Que queremos dizer quando não usamos os hinos históricos ou quando deixamos de lado o Hinário Luterano?

· Que queremos mostrar quando não usamos as vestimentas litúrgicas?

Se deixarmos toda a tradição de lado, será que ainda estamos vivenciando e ensinando a continuidade da mesma fé através dos tempos? Não estamos, com isso, mostrando que o mais importante é nossa habilidade em fazer sempre coisas novas e que o passado não interessa, pois temos que viver o presente?

Seguindo também a prudência que Lutero nos mostra, temos que nos perguntar antes de não querer admitir mudanças no culto:

· Por que os Salmos nos instigam a cantar a Deus “um cântico novo”? (Sl 33.3, 96.1, 98.1)

· Por que não queremos aproveitar os dons musicais e poéticos de nossos tempos, que também são dons que Deus concede à sua Igreja, assim como concedeu no passado?

· Por que queremos transformar em lei uma ordem de culto que é apenas meio de conduzir o povo a ouvir a Palavra e a responder com louvores?

Prudência na atitude para com o culto

Uma atitude luterana para com o culto é sempre de prudência. Radicalizações provocam reações e insatisfações. Se quisermos sempre mudanças, ignorando nossas heranças, estaremos em busca constante de novidades e não nos firmaremos em nada. Por outro lado, se não admitimos mudanças, corremos o risco de seguir uma ordem de culto simplesmente por segui-la, sem refletir sobre seu conteúdo. Aliás, precisamos estar conscientes de que a liturgia histórica já sofreu inúmeras revisões e adaptações locais para que seja executável pelo povo daquela localidade ou país. As traduções da Bíblia sofrem constantes revisões para que a sua mensagem retrate o que realmente foi escrito originalmente.

Criatividade faz parte do culto a Deus. Mesmo no uso da liturgia histórica, novos hinos, banners, coros bem preparados, música bem executada, teatro e artes em geral podem e devem ser utilizados. O que se denomina atualmente de culto contemporâneo também tem espaço para criatividade, pois é necessário que tudo seja tão bem estruturado que o conteúdo da Palavra de Deus, trazido para o mundo de hoje, esteja em concordância com aquilo que Deus nos quer transmitir e não com aquilo que nós gostaríamos de dizer ou fazer.

Seja com a liturgia histórica ou uma ordem de culto contemporâneo, precisamos utilizar nossos dons e nossa criatividade para que o culto não seja algo que fazemos como uma obrigação, mas algo no qual Deus tem a nos dizer uma mensagem de esperança, de fé e de salvação.

Uma palavra aos músicos das nossas igrejas. Estes têm uma tarefa importante para o culto. Deles depende a condução do canto congregacional, do canto coral ou de um solo. Se usarem seus dons com humildade, dedicação e como servos da Palavra, a congregação, o pastor, a diretoria e os próprios músicos terão um ambiente de paz e de alegria, além do privilégio de louvar a Deus com uma só fé e a mesma esperança.

Deus nos conceda sua graça para recebermos sua Palavra e Sacramentos para o perdão de nossos pecados e o privilégio de louvá-lo com cânticos, orações e ofertas. O mundo está em constante mutação, mas a Palavra imutável de Deus é a única, em todos os tempos, que pode nos dar perdão, vida e salvação.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Ovelhas geram ovelhas. Pastores apascentam ovelhas

No evangelho de João 10.11,14, Jesus é o “Bom Pastor” que apascenta e gera, espiritualmente, as ovelhas que escutam sua voz e que o conhecem e são por ele conhecidas.

Veja também

Ovelhas geram ovelhas. Pastores apascentam ovelhas

No evangelho de João 10.11,14, Jesus é o “Bom Pastor” que apascenta e gera, espiritualmente, as ovelhas que escutam sua voz e que o conhecem e são por ele conhecidas.

Cheiro de salvação

O texto de 2 Coríntios 2.14 diz assim: “Como um perfume que se espalha por todos os lugares, somos usados por Deus para que Cristo seja conhecido por todas as pessoas”.

Quem está nas trincheiras ao seu lado?

Quando a gente casa, traz uma bagagem para a vida a dois. Nessa bagagem, estão os valores aprendidos em casa, as experiências de relacionamentos anteriores, nossa profissão talvez, sonhos e desejos.