*Caso “Suzy”, um tapa de luva em nossa cara?!*

Muitas pessoas estão comentando a matéria do Fantástico sobre o homem transexual, chamado “Suzy”. Se pensarmos já no nome, sendo ele apresentado como “ela”, para nós, cristãos, se torna algo nada fácil de compreender. No primeiro momento, quando vi a matéria, já deu vontade de trocar de canal, pois pensei, de cara: se trata de mais um sensacionalismo e ativismo gay que a TV Globo traz em seus programas (como realmente foi). Sabemos que essa emissora tem trabalhado esse tema, tentado tornar a escolha sexual como algo normal e individual – “Podemos ser o que quisermos e ter o sexo que quisermos”.

Posso dizer, com convicção, que este caminho está levando a nossa geração ao desespero e à depressão. Muitos estão buscando ser o que querem, mas não conseguem se sentir satisfeitos com a escolha. Na verdade, a grande maioria nem sabe bem o que quer. São levados por grupos que dizem ter a resposta e jogam as pessoas neste mundo da “escolha”. “Saia do armário” e “assuma quem realmente você é”, são frases clichês que ouvimos e que forçam pessoas a tomarem uma decisão, que afetam a vida de uma maneira que pode destruir tudo à sua volta, inclusive a si mesmos. Em consequência disso, não são poucos os casos de suicídio. E o suicídio não vem simplesmente porque as pessoas à volta não o aceitam, mas porque eles mesmos acabam não aceitando suas escolhas. Tenho certeza de que elas precisam de ajuda para aceitar o sexo com que nasceram, e não assumirem outro pelo impulso ou exigência de uma sociedade que se diz “moderna”, que condena aqueles que desistem de ser homossexuais, como está acontecendo em muitos círculos sociais.

Ajuda é a palavra que devemos ter em mente*, para esse caso específico. Tirando todo o sensacionalismo e a verdadeira intenção da matéria, devemos olhar para todos os pecadores, inclusive para “Suzy”, e pensar nesta palavra. O crime que ele cometeu foi grave! Não podemos duvidar nem colocar panos quentes sobre este ato. Ele destruiu a vida de uma criança e, consequentemente, de uma família. Na verdade, está havendo um aumento de estupros praticados por homossexuais no mundo. Isso mostra que, em relação à maldade, nada se diferem dos demais. Mas se pensarmos nas palavras de Jesus, o que ele nos falaria deste caso? Se no lugar de Maria Madalena estivesse “Suzy”, Jesus ainda diria que quem não tivesse pecado atirasse a primeira pedra?

Com certeza, Jesus olharia com amor para ele, como olhou com amor para Maria Madalena, a prostituta. Jesus nos ensinou que Deus ama o pecador, mas não o pecado. E ele nos ensinou a fazer o mesmo. Amar o indivíduo, e não o ato! O amor é o único meio para transformar vidas! Jesus nos ensinou isso de maneira prática, quando amou os cobradores de impostos, as prostitutas, os ladrões e os assassinos. Suas vidas foram transformadas, e eles começaram a seguir a Jesus. Esse é o único meio de mudar a vida das pessoas. Mas será que queremos mudar a vida de Suzy? Querem ver essa pessoa na nossa igreja? Aqui está o tapa em nossa cara! Pois sabemos a resposta que damos, e a resposta que Deus espera de nós.

Meus irmãos, cada dia vamos nos deparar com situações assim. Não devemos deixar que pessoas, como o doutor Dráuzio Varella, um ateu, nos ensine o que é amar uma pessoa. Pois nós, cristãos, temos o maior exemplo de amor da humanidade – A cruz de Jesus! Que exemplo de amor ele nos deu! Que mudança em nossas vidas ele efetuou! E isso ele fez para nos dar a vida eterna e para que possamos compartilhar desta vida com todos à nossa volta, inclusive com Suzy.

Essa situação nos ensinou muito. Vemos como podemos ser maus e ser como aqueles que queriam atirar a primeira pedra. Muitos fizeram isso no palco moderno das mídias sociais. Aprendemos como é complexa a aplicação dos ensinamentos de Jesus. Pois o diabo nunca vai facilitar para nós. E situações assim virão aos montes. E aprendemos que todo pecado tem uma consequência trágica, como na vida daquele homem e da família daquele menino. Deus sempre nos perdoa, mas a consequência será sempre pesada. E aprendemos que todos são alvos do amor de Cristo, e que precisamos colocar isso em prática! Tomamos um belo tapa de luva em nossa cara com esta matéria e seus desdobramentos, não acham? Mas que bom que podemos aprender sempre e crescer a cada dia. “Filhinhos, não amemos de palavra, nem da boca para fora, mas de fato e de verdade” (1Jo 3.18).

Walduino Paulo Littig Júnior

Pastor

Guarapuava, PR

REDAÇÃO: este artigo não representa, necessariamente, a opinião da Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IELB) sobre este assunto.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Ovelhas geram ovelhas. Pastores apascentam ovelhas

No evangelho de João 10.11,14, Jesus é o “Bom Pastor” que apascenta e gera, espiritualmente, as ovelhas que escutam sua voz e que o conhecem e são por ele conhecidas.

Veja também

Ovelhas geram ovelhas. Pastores apascentam ovelhas

No evangelho de João 10.11,14, Jesus é o “Bom Pastor” que apascenta e gera, espiritualmente, as ovelhas que escutam sua voz e que o conhecem e são por ele conhecidas.

Cheiro de salvação

O texto de 2 Coríntios 2.14 diz assim: “Como um perfume que se espalha por todos os lugares, somos usados por Deus para que Cristo seja conhecido por todas as pessoas”.

Quem está nas trincheiras ao seu lado?

Quando a gente casa, traz uma bagagem para a vida a dois. Nessa bagagem, estão os valores aprendidos em casa, as experiências de relacionamentos anteriores, nossa profissão talvez, sonhos e desejos.