O que é crer?




Nesta edição do Mensageiro
Luterano
, apresentamos a parte final da conferência de um dos maiores filósofos
alemães contemporâneos, Josef Pieper (falecido em 1997), sobre o ato de crer e
seu alcance antropológico.

Tendo mostrado a
natureza do ato de crer e suas relações com o amar, Pieper finaliza com a análise
das condições antropológicas para que se possa dar a fé na Revelação, não só
como possibilidade teórica, um “teorema”, mas como profunda realidade vital
para o ser humano que, atingido pela graça, permanece vigilante. Recorda que, mais
do que a incredulidade, o inimigo do crer é o sufocamento da semente pela
indiferença ou desatenção (uma desatenção a que nosso tempo não só nos convida,
mas quase nos impõe…). Discute também a especificidade do autêntico “ser
crítico” quando se trata do crer. E conclui com a consideração da especial
situação do crer, no caso do intelectual.

“Para que se realize a
fé em sentido religioso, quer dizer, na fala do Deus revelado, não se pressupõe
só uma determinada concepção de Deus, mas, além disso, uma determinada
concepção que o homem tem de si mesmo.”

Para estar preparado
para o fato da revelação e da fé, deve o homem se conceber como um ser com
especial abertura para Deus. Estou me referindo aqui não à “abertura –
capacidade de receber”, que é no que se constitui a natureza do espiritual;
penso, isso sim, na “abertura-franqueza” própria do ser-criado enquanto tal e
assim também ao homem, que por ser criatura espiritual, tem – por assim dizer –
“de nascença” esta especial abertura para o Criador, pela qual a criatura
permanece plenamente disponível para ser moldada como “barro nas mãos do
oleiro”, quer dizer, por natureza à espera de uma nova ação por parte de Deus.
Ora, essa intervenção ocorre naquela forma vital que os teólogos chamam de
graça, e ocorre também na forma de Revelação.

Mas naturalmente não é
suficiente aceitar estas reflexões sobre a abertura criatural do espírito humano
de modo puramente abstrato, como, por assim dizer, um teorema da antropologia filosófica
ou teológica: isso não basta para que se torne esperável a fé na revelação como
ato vital. Requer-se ainda mais a realização dessa abertura na qual, por exemplo,
com o coração vigilante, se oferece resistência a um sem-número de
possibilidades secretas disfarçadas, não declaradas, quase irreconhecíveis do
fechar-se e da desatenção.

Nos Pensamentos
de Pascal há um aforismo que nos faz compreender como é fácil que mesmo uma –
como se diz – “boa consciência” possa também fechar-se contra o todo da
verdade. Diz o aforismo: “Se não puserdes nenhum cuidado em conhecer a verdade,
então achareis suficiente verdade no mundo para que possais viver satisfeitos.
Mas se com todo o coração ansiais por ela, então não a há suficiente”.

Isso quer dizer que não
é difícil tranquilizar-se com o que já se sabe; mas quem quer pôr o todo da verdade
diante do olhar espera sempre uma luz nova além do que já sabe. A verdade é o
todo, mas, afinal, eu em coisa alguma vejo o todo?

Neste ponto é preciso
dizer uma palavra sobre uma forma muito especial de se ser “crítico”, uma forma
diferente da atitude que no campo das ciências com razão se requer. Para o
cientista, isto é, para aquele que procura respostas exatas para uma
determinada questão, ser crítico é não admitir como válido o que não foi provado:
não deixar passar nada. Mas para aquele que pergunta pelo “todo em conjunto”,
pelo último significado do mundo e do existente – isto é, para o que crê, e
também para o que filosofa – ser crítico é algo fundamentalmente diferente, a
saber: com o máximo cuidado considerar o todo da realidade e da verdade e não
omitir nada.

O
cientista diz: “Não deixar passar”, o que filosofa e o que crê dizem: “Não omitir”,
que nem o mais mínimo seja perdido, encoberto, esquecido ou escamoteado, mesmo
que talvez nem seja exatamente observável ou comprovável.

Mas – poder-se-ia
perguntar – e se alguém não pode, ou pensa que não pode, crer, ou simplesmente
não quer crer? Ou formulado de modo diferente: Que dizer do tema da
incredulidade?

Minha resposta seria
algo assim como: antes de mais nada, muito cuidado com o termo “incredulidade”!
Isso nos fará compreender o sentir da grande tradição teológica ocidental, e
mais, esclarecerá o que sob o termo “incredulidade” há exatamente para ser
entendido.

Tomemos o caso mais do
que conhecido: alguém, sim, ouviu o anúncio da fé, mas esse anúncio não o atingiu
(o que pode muito bem ocorrer). O ouvinte nem sequer percebe que poderia tratar-se,
nesse caso, de algo que realmente lhe diz respeito ou talvez de uma notícia
sobre-humana, fala de Deus, revelação e, compreensivelmente, não se efetua a
fé. Mas incredulidade não é o nome certo para este não crer puramente
fático.

Incredulidade, em sentido
preciso, é somente o ato espiritual pelo que alguém conscientemente recusa
aceitar uma verdade que o atingiu como verdade divina. Dir-se-á, talvez – e com
razão –,  que é algo extremamente raro de
ocorrer. Pois em geral, o adversário da fé é na realidade menos a decidida
incredulidade do que esta profunda e arraigada desatenção de que falamos e que
a vida do nosso tempo tende não só a favorecer, mas quase a impor.

Para terminar, ainda
uma palavra sobre a especial situação de quem tem formação científica, do homem
de estudos, do universitário, do intelectual. Precisamente o “sábio” tem uma
especial dificuldade para crer. Pois quem alcançou um certo grau de consciência
crítica não se pode dispensar de refletir sobre os argumentos contrários, deve
considerá-los. A verdade de fé não pode ser demonstrada por nenhum argumento de
razão positiva. Isso determina irrevogavelmente a situação de quem crê e, na
verdade, não só sua situação externa para a qual vale desde sempre a
regra: “Quem vai debater sobre a fé não deve pretender demonstrá-la e sim
defendê-la”.

Mas, também a sua situação
interna é fundamentalmente a mesma: também contra os seus próprios argumentos
de razão não há – em última instância – outra possibilidade de opor-se que a
defesa; portanto, não o atacar, mas o resistir.

E a questão é se não se
daria alguma vez o caso – por algum tempo pelo menos – da necessidade de que
essa resistência aos argumentos internos, do mesmo modo que o testemunho de
sangue, tome a forma de um padecer silencioso, certamente não por uma questão
de rigidez de temperamento, não por “heroísmo”, mas sim para que não percamos o
que na Revelação foi previsto para nós e que só sob forma de fé temos: a
participação não só no saber de Deus mas também em sua própria vida.

No sentido religioso,
portanto, crer é sobretudo ceder e não resistir diante de Deus; é não
curvar-se sobre si mesmo, mas entregar-se à graça e ao amor divinos em confiança
plena e irrestrita em todos os momentos da vida.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Pastor é instalado em Sinop, MT

Mauro Scheibler irá atuar na Paróquia Emanuel

Veja também

Pastor é instalado em Sinop, MT

Mauro Scheibler irá atuar na Paróquia Emanuel

Você já reclamou de um presente dado por Deus?

“Quem vem aí?”, me perguntou uma senhora na saída do culto. Ao responder que era mais um menino, ela disse: “Ah, não!! Tinha que ser uma menina!” Quase sem acreditar no que ouvi, questionei: “Por quê? Não mesmo! Quando Deus envia o presente, a gente aceita com gratidão”.

Dores que fazem crescer

“Feliz é aquele que nas aflições continua fiel! Porque, depois de sair aprovado dessas aflições, receberá como prêmio a vida que Deus promete aos que o amam” (Tg 1.12).