Instalação do pastor Arthur Klippel

No dia 4 de junho, foi realizado na Congregação Concórdia, do bairro Realengo, no Rio de Janeiro, RJ, o culto de instalação do pastor Arthur Klippel. A cerimônia contou com a presença de cinco pastores do Distrito Rio de Janeiro (DRJ), um estagiário, e cerca de 70 pessoas das congregações do Rio de Janeiro.

A liturgia foi conduzida pelo vice-conselheiro distrital, pastor Érisson Lima Ferreira, e a mensagem foi dirigida pelo conselheiro distrital, pastor Jonas Roberto Flor.

O pastor Arthur e sua esposa, Isabella, são oriundos das congregações da região de Resplendor, MG. Ao aceitar o chamado, o pastor foi instalado para trabalhar junto às Congregações Concórdia (CELC), do bairro Realengo, e Seara de Bênçãos (CELSB), do bairro Santíssimo.

“Tenho imensa alegria e felicidade por iniciar o meu trabalho na paróquia, pela calorosa recepção das pessoas daqui. Trabalharemos para anunciar a mensagem do Evangelho a fim de levar Cristo para todos”, manifestou ele, ao final do culto.

Texto: Luiz Gustavo Schenk

Fotos: Marilza Ferreira da Silva Schenk


Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Você já reclamou de um presente dado por Deus?

“Quem vem aí?”, me perguntou uma senhora na saída do culto. Ao responder que era mais um menino, ela disse: “Ah, não!! Tinha que ser uma menina!” Quase sem acreditar no que ouvi, questionei: “Por quê? Não mesmo! Quando Deus envia o presente, a gente aceita com gratidão”.

Veja também

Você já reclamou de um presente dado por Deus?

“Quem vem aí?”, me perguntou uma senhora na saída do culto. Ao responder que era mais um menino, ela disse: “Ah, não!! Tinha que ser uma menina!” Quase sem acreditar no que ouvi, questionei: “Por quê? Não mesmo! Quando Deus envia o presente, a gente aceita com gratidão”.

Dores que fazem crescer

“Feliz é aquele que nas aflições continua fiel! Porque, depois de sair aprovado dessas aflições, receberá como prêmio a vida que Deus promete aos que o amam” (Tg 1.12).

O que alimenta nossa fé?

Esse foi o tema do Congresso de Servas e Leigos do DIVALI