Uma pessoa sem obras pode dizer que está salva?

A salvação pela fé em Jesus Cristo é a doutrina central da Bíblia. O “somente a fé” foi um dos pilares da Reforma. Existem textos bíblicos que aparentemente parecem negar este ensino. O texto que mais dificuldade traz é texto da carta de Tiago.

A fé na carta de Tiago

Existiam pessoas sustentavam que bastava crer para ser salvo e que não importava a vida que se levava. Este é um pensamento de muitos cristãos ainda hoje. Tiago procura corrigir esse pensamento e mostra que “a fé sem obras é morta”. Por isso ele pergunta:

“Meus irmãos, qual é o proveito, se alguém disser que tem fé, mas não tiver obras? Será que essa fé pode salvá-lo?” (Tiago 2.14).

Tiago não está tratando da salvação nesse contexto, mas da vida cristã. A fé se manifesta nas obras e, especialmente, no amor ao próximo. Ele inclusive pergunta também se a pessoa com fé pode ignorar o pedido de ajuda de irmãos em necessidade, desejando-lhes somente a paz de Deus sem fazer nada (Tg 2.15-16). O amor pelos irmãos pobres é colocado como um exemplo no qual se manifesta a obediência a Deus (Tg 2.1-13).

Não se deve fazer diferença entre as pessoas (Tg 2.9). Falhar em um ponto significa infringir toda a lei (Tg 2.10). A fé não é conhecimento estéril. Esse conhecimento, os demônios possuem (Tg 2.19). A prova da fé salvadora se dá pelas obras que a pessoa pratica, porque a fé produz mudança de vida na pessoa que crê.

Em nenhum momento Tiago nega a salvação pela fé. Ele coloca todas as pessoas como pecadoras (Tg 3.2). Pecado, para ele, não é apenas agir de uma forma errada, mas quando se deixa de fazer o bem também se está pecando (Tg 4.17). O apóstolo incentiva os cristãos à confissão mútua de seus pecados (Tg 5.16).

Quando Tiago fala que “a fé é morta” (Tg 2.17), ele afirma que quando não se pratica boas obras não existe fé. Quando existe fé, as boas obras são consequência natural desta fé. Em outras palavras, ele está dizendo que essa pessoa não é cristã.

A salvação pela fé sem as obras da lei

Muitos julgam que Tiago está contradizendo o ensino do apóstolo Paulo quando ele afirma: “Concluímos, pois, que o ser humano é justificado pela fé, independentemente das obras da lei” (Rm 3.28).

A pessoa é justificada pela fé. Ser justificado significa ser declarado sem culpa. Todas as pessoas são culpadas, porque todas são pecadoras. As pessoas são inocentadas por Deus, quando creem em Jesus Cristo. Deus declara a pessoa justa, apesar de ela ser pecadora. Jesus assumiu a culpa dos pecados e recebeu o castigo merecido pelo ser humano. É esta fé na obra de Cristo que o torna justo diante de Deus.

“Obras da lei” contrasta com a afirmação de que a pessoa é justificada pela fé. Lutero afirma que “são obras realizadas fora da fé e da graça”. A Bíblia deixa claro: “sem fé é impossível agradar a Deus” (Hb 11.6). Sem a fé não se pode praticar boas obras. Lutero também observa que “esta lei coage a obedecer pelo medo ou alicia através de promessas de coisas temporais”. No tempo de Lutero, era enfatizada a punição de Deus no inferno, incutindo medo nas pessoas, e assim elas seguiam as prescrições da igreja. O aliciar se dá por meio de falsas promessas de bênçãos materiais às pessoas. Quando se promete que a pessoa será abençoada se ofertar grandes quantias de dinheiro para Deus, está se aliciando a pessoa. Deus jamais prometeu abençoar com muita riqueza quem oferta muito.

Criados em Cristo para boas obras

Outro texto muito citado é Efésios 2.8-9, mas, infelizmente, é omitido o versículo 10. Quando se estuda o texto dentro do seu contexto, ele confirma Tiago 2.14. É preciso observar que apóstolo Paulo afirma que a misericórdia de Deus nos tirou da morte espiritual; através da sua graça somos ressuscitados espiritualmente: “Deus, sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou, e estando nós mortos em nossas transgressões, nos deu vida juntamente com Cristo – pela graça vocês são salvos […] Porque pela graça vocês são salvos, mediante a fé; e isto não vem de vocês, é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie. Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras” (Ef 2.4-5,8-10).

A pessoa está salva através da graça de Deus, que recebemos através da fé. É uma ação de Deus, no passado, cujos resultados se têm no presente. A graça resultou do sacrifício de Cristo, e a pessoa recebe esta graça através da fé. Esta fé também é obra de Deus Espírito Santo na pessoa. Assim, a pessoa é uma nova criação de Deus para realizar boas obras. É preciso lembrar que a pessoa foi salva por graça pela fé para realizar as boas obras. Em Gálatas, Paulo ensina que “a fé que atua pelo amor” (Gl 5.6). Logo, a fé é algo ativo e não algo estéril que é indiferente às coisas espirituais. Somos salvos para servir a Deus.

Tiago x Paulo

Quando Tiago fala de boas obras, ele não se refere às obras da lei, onde a pessoa procurava sua salvação, mas se refere a obras que são frutos da fé. Obras exigidas por Tiago são as obras de caridade, que cumprem a lei do amor. Este amor provém da fé. Paulo fala de obras num sentido mais amplo. Em Romanos 3.20-28, ele usa a expressão “obras da lei”. Lei, aqui, não significa os Dez Mandamentos, mas obras da lei parecem ser aquelas obras praticadas em obediência à lei mosaica. Essas obras eram tidas como atos para chegar a Deus e tornar-se aceitável. Essas são desnecessárias e inúteis para a salvação. A pessoa é salva sem essas obras.

Paulo ensina que as obras orientadas pelos Dez Mandamentos fazem parte da nova vida do filho de Deus. Nisso, Paulo e Tiago ensinam a mesma coisa. Para ambos, as boas obras são atos praticados em obediência à Palavra de Deus.

Ao falar da fé, Paulo a considerou como instrumento de salvação, enquanto Tiago considerou que as obras evidenciam a fé salvadora da pessoa. Portanto, embora com linguagem diferente, se ensina a mesma coisa.

Elmer Teodoro Jagnow

Pastor

Forquetinha, RS

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Emergindo das águas: Um novo começo

A nossa querida Editora Concórdia irá se reerguer e continuará a ser a editora da teologia bíblica e confessional que herdamos da Reforma. Publicando a Palavra que permanece.

Veja também

Emergindo das águas: Um novo começo

A nossa querida Editora Concórdia irá se reerguer e continuará a ser a editora da teologia bíblica e confessional que herdamos da Reforma. Publicando a Palavra que permanece.

Um fim em comum!

E para cumprir com seu propósito, a IELB: utilizará os meios de comunicação; produzirá e distribuirá livros e material religioso, fundando e mantendo organizações com essa finalidade. Esse é o porquê de a Igreja ter uma editora.

14º Encontro Nacional de Escolas Luteranas (14º ENEL)

Em 1524, Lutero elaborou um documento que lançaria as bases de conceitos como educação pública e gratuita, universalização do ensino, ludicidade no processo ensino-aprendizagem, educação interacionista, protagonismo do aluno, aprendizagem significativa e de uma educação com propósitos existenciais, fundamentada nos princípios cristãos.