Amigo, agradece a Deus por nós

Existe dor maior do que a perda de um filho, uma filha? Jamais ouvi de alguém que perdeu um filho que tenha sofrido mais por outra razão em sua vida.

Creio que ficaste sabendo que minha querida filha Madalena renasceu para o reino eterno de Cristo.

Eu e minha esposa nada mais deveríamos fazer senão agradecer com alegria por um passamento tão feliz e um final tão bem-aventurado, através do qual ela escapou do poder da carne, do mundo, dos turcos e do diabo.

Mesmo assim, o poder do amor natural é tão grande, que nós não o podemos fazer sem soluçar e gemer o coração, sim, nem mesmo sem grande mortificação.

Pois os olhares, palavras e gestos da filha obediente e respeitosa ao extremo, quando viveu e quando morreu, prendem-se ao fundo de nossos corações, de maneira que nem mesmo a morte de Cristo pode retirar esse pesar como deveria. E o que é a morte de todos em comparação com a de Cristo?

Por isso agradece a Deus em nosso lugar. Pois ele realmente fez uma grande obra em nós e glorificou sobremaneira nosso corpo. Ela tinha – como sabes – um caráter suave e amável, sendo querida para com todos. Louvado seja o Senhor Jesus Cristo, que a chamou, escolheu e glorificou. Tomara que eu, todos os meus e todos os nossos tenhamos por sorte uma morte assim.

É o único que peço a Deus, ao Pai de todo o consolo e de toda a misericórdia.

(Carta de Lutero para seu amigo Justus Jonas, em 23/09/1542)

Existe dor maior do que a perda de um filho, uma filha? Jamais ouvi de alguém que perdeu um filho que tenha sofrido mais por outra razão em sua vida.

Lutero escreve a um amigo para participar a morte da própria filha, aos 13 anos.

De todas as formas, busca consolo em sua fé. Tenta racionalizar, recorrendo à análise das circunstâncias e ao discurso da fé. Ela está melhor agora, “escapou do poder da carne, do mundo, dos turcos e do diabo”. No reino eterno de Cristo, está livre de grandes ameaças espirituais e terrenas.

Contudo, “nem mesmo a morte de Cristo pode retirar esse pesar como deveria”. O pai está dividido. Como alguém que crê, sente que deveria reconhecer a ação de Deus e ser-lhe grato. Como pai, sente que a perda é injustificável. A mãe, Catarina, vivencia as coisas de igual modo.

Não leve a mal, amigo. A imagem de nossa filha amada, gravada   em   nossos corações, não permite que sejamos agradecidos agora.

“Por isso, agradece a Deus em nosso lugar.”

Ricardo Willy Rieth
In: Martim Lutero – Discípulo – Testemunho – Reformador (Meditações)
Editoras Sinodal e Concórdia, 2ª edição, 2016

“Olha, Senhor, sou como um vaso vazio. Enche-o. Sou fraco na fé. Fortalece-a. Sou frio no amor. Permite que meu coração queime. Deixa que meu amor jorre sobre o meu próximo. Não tenho uma fé firme e forte. Às vezes, duvido e não consigo confiar completamente em ti.

Senhor, ajuda-me. Aumenta a minha fé, permite que eu confie em ti. Sou pobre, tu és rico. No entanto, tu vieste para ter compaixão dos pobres. Eu sou um pecador, tu és justo. Sofro por causa do pecado. Em ti está toda a justiça. Fica comigo, pois de ti posso receber e não preciso dar.

Eterno Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo. Dá-me teu Espírito Santo. Manda-o despertar em mim uma fé reta e verdadeira, dominar-me, fortalecer-me e suportar-me. Filho do eterno Pai, Jesus Cristo, dá-me teu Santo Espírito. Amém!” (Martinho Lutero).

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase

Veja também

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase

Livres para servir: o papel da religião na promoção do bem comum

A realização dos ideais religiosos depende da preservação da liberdade religiosa – o direito fundamental de praticar, expressar e manifestar suas crenças sem discriminação ou perseguição. Defender a liberdade religiosa não é apenas uma obrigação legal, mas um imperativo moral que garante o florescimento de diversas comunidades religiosas e promove um ambiente propício ao diálogo e à cooperação

A parábola do semeador

A cultura digital afasta-nos da terra. Por mais evoluídos que sejamos, não podemos perder contato com a terra, a terra somos nós mesmos, pó é nossa origem e nosso destino. O período de uma vida transcorre de pó a pó