A Igreja e as Mídias Sociais

Uma das definições mais simples de comunicação remete à etimologia da palavra, entendendo-a como a ação de tornar algo comum. Alguém já disse, relacionando essa palavra a outra que bem conhecemos, que o alvo do comunicar é “comungar sentidos”. De fato, nós buscamos, o tempo todo, mostrar aos outros como são relevantes os nossos pensamentos, sentimentos, aspirações ou até aversões. A comunicação é sempre uma tentativa de conquista e de persuasão, mesmo quando não o percebemos. Ela atende à necessidade que temos de estar com os outros e de percebermos que estão realmente conosco, desenvolvendo afetos e mantendo relações.

Mas toda tentativa de comunicação ou conexão entre nós encontra dificuldades, também chamadas “ruídos comunicacionais”. Os ruídos podem ser externos, como interferências que se colocam entre nós e aqueles com quem falamos, ou ruídos internos, que fazem parte do caráter de quem emite e quem recebe a mensagem. Como somos falhos e pecadores, também nos mostramos incapazes de comunicar harmonicamente como Deus gostaria e de interpretar corretamente o que vemos e ouvimos.

Hoje em dia, é comum dizerem que vivemos na “era da comunicação” ou em uma sociedade midiatizada. Mas é bom lembrar que, desde que aprendeu a criar ferramentas, o ser humano desenvolveu a capacidade de depositar sua memória e seu aprendizado nas coisas. Vendo dessa forma abrangente, quase tudo que produzimos é uma “mídia”. Com o passar do tempo, nossas memórias passaram a ser também inscritas, com desenhos e depois com letras, em pedra, couro, papiro, papel. Milênios mais tarde, houve outro salto, com a invenção da imprensa, que tanto beneficiou o disseminar das Escrituras, importante também para a Reforma da igreja. Passamos a acelerar cada vez mais a disseminação de ideias, e surgiram os jornais, revistas e outros periódicos, sempre acompanhados do alimentar de sonhos e desejos que é próprio da publicidade.

Recentemente, do ponto de vista histórico, é que chegaram os meios eletrônicos, com grandes empresas de mídia se formando e passando a lutar por tempo e espaço em nossas vidas e consciências. E finalmente, nos últimos anos, esse processo tem se tornado ainda mais complexo, com o surgimento de plataformas de redes sociais digitais, que também funcionam como um grande mercado de conquista e persuasão.

A comunicação é complexa, variada e interativa

Ao longo de todas essas transformações, o jeito como comunicamos foi se modificando. Primeiro, tínhamos culturas mais centradas nas imagens. Depois, vieram os tempos mais literários. Agora, vivenciamos uma dinâmica fusão entre formatos, em um fluxo hipertextual e multimidiático. As relações entre quem emite e quem ouve ou recebe também foram se tornando mais complexas e variadas. É verdade que, do ponto de vista da comunicação, os receptores das mensagens nunca foram estáticos ou passivos. Porém hoje eles são ainda mais reativos, participantes e interagentes em relação a tudo o que se tenta transmitir.

No tempo das chamadas mídias sociais, também não há mais um falante para muitos ouvintes, mas múltiplos falantes, que se transformam em coprodutores de informação. Tudo é produzido para circular, e vai sendo apropriado e modificado à medida em que circula, com consequências boas e ruins para a convivência, a criatividade e as reputações.

Por vezes, o fato de haver tanta gente comunicando e produzindo mensagens, nos dá a sensação de que há poucos realmente dispostos a escutar. O Salvador Jesus já dizia: “Quem tem ouvidos para ouvir, ouça” (Mt 13.9). E o apóstolo Paulo lembrava: “Como ouvirão, se não há quem anuncie?” (Rm 10.14). Talvez, hoje, seja necessário acrescentar: “Como ouvirão, se estão ocupados demais em falar?”.

Desafio da igreja num mundo múltiplo e questionador

Todos esses são desafios que se apresentam a nós, cristãos, individualmente e como igreja. Vivemos em um mundo de múltiplas e variadas palavras e fontes, em que sempre se questiona a legitimidade de quem comunica, sejam pessoas, empresas ou instituições. Afinal, algumas fontes de informação se mostraram pouco fidedignas, ao mesmo tempo em que outras, que se apresentam como libertadoras, disseminam conteúdos e formatos que funcionam como iscas para pescar nossos desejos e nossa atenção, enquanto desinformam e confundem.

No meio disso tudo, a igreja é chamada a proclamar e a buscar novas formas de interação, adentrando ambiências às quais não estava habituada e se apropriando de lógicas e linguagens que não são as suas. Cristãos individuais já estavam imersos nas redes, tendo suas vidas midiatizadas e se moldando através de novos modos de dizer, de fazer, de parecer e aparecer – até mudando seu jeito de ser. Mas as igrejas, particularmente as denominações chamadas históricas, tiveram que realizar um salto enorme e imediato, em curva quase tão ascendente quanto à de uma pandemia. Estávamos em um tímido e lento aprendizado, com belas, mas nem sempre constantes, inserções no rádio e na televisão, e rapidamente fomos lançados para a realidade mutante e difusa das plataformas de redes sociais digitais.

O que fazer e como se portar nesse novo mundo?

De forma inadequada, nós chamávamos esse novo ambiente de “virtual”. Mas hoje vemos quão reais são seus impactos sobre a vida de pessoas, instituições e até nações. É preciso ter cautela, pois muitos estudiosos alertam que não apenas fazemos uso das tecnologias e redes, mas elas moldam nosso modo de raciocinar, de nos organizar e de dizer. Têm o potencial de mudar, em última análise, nosso modo de ser.

Por outro lado, não é possível refletir sobre todo o processo antes de agir, pois a fugacidade com que as oportunidades vêm e vão e a velocidade em que as realidades se transformam exige que aprendamos enquanto estamos ocupados em produzir. Com alegria, temos visto como a boa vontade em aprender, por parte de pastores e líderes, nos proporciona grandes oportunidades, tanto para a manutenção da pregação da Palavra em tempos de crise, como para o agir missionário, chegando a pessoas que não imaginávamos atingir.

Nesse aprendizado constante, há uma série de questões às quais devemos estar atentos. Primeiramente, a lembrança de que forma e conteúdo não estão dissociados, não podem ser vistos como instâncias separadas. Quando nos adequamos a formatos diferentes, que são definidos e incentivados pelas plataformas nas quais comunicamos (Facebook, Youtube, Instagram etc.), também modificamos nossa linguagem, nosso modo de produzir e os aspectos aos quais damos mais atenção, e isso tem impacto para o que chamamos de liturgia.

Isso, é claro, frequentemente ocorre de forma positiva, trazendo benefícios até para as interações presenciais, que se tornam mais significativas e contextualizadas. Mas é algo que sempre precisa ser refletido, ponderado e replanejado, considerando que o alvo de nossa comunicação é apontar para a salvação em Cristo e não nos destacarmos pessoalmente ou como grupo. Somos frequentemente seduzidos por “desejos tolos de receber elogios” (Fp 2.3) ou promessas aparentemente compensadoras de visibilidade.

Outro desafio, que cristãos e pastores já enfrentam individualmente, são as formas de expressão que a lógica binária das redes e seus algoritmos parecem incentivar. Passamos a dar atenção ao que polemiza e divide. Pintamos o mundo em duas cores, não importando quantas nuances ou tons intermediários existam. Separamos as pessoas em dois grupos, não nos dando conta de quantas variações possa haver. Não compreendemos que as pessoas podem concordar ou discordar em parte e que podem mudar suas posições à medida em que se informam. Corremos o risco de, para marcar posições, construir muros entre nós mesmos e em relação àqueles que queremos evangelizar.

Podemos cair, ainda, na tentação de criar nossas próprias “bolhas”, aceitando como verdade não o que é real, mas aquilo que parece mais interessante ou que se encaixa no nosso próprio modo de pensar e serve às ideologias, para as quais fomos conquistados e não queremos admitir. Temos, naturalmente, dificuldade de nos equilibrar entre verdades e vontades. E tudo isso tem muito a ver com o orgulho.

Há também a dificuldade para conciliar velocidade e profundidade. Quanto mais rápido queremos navegar pelo fluxo de informações e novidades, mais na superfície ficamos – é como a diferença entre o barco a remo e a lancha que quase flutua. Muitas vezes, nos arrependemos daquilo que concluímos de forma precipitada e que, quando menos percebemos, já enviamos, postamos, apoiamos ou compartilhamos.

Como encontrar, diante de tantos desafios e oportunidades, o equilíbrio que favoreça a comunicação de nossa mensagem, que continua tão relevante para o mundo?

É essencial lembrar do Senhor da comunicação

Essencial é lembrar quem é o Senhor de toda a comunicação. Temos um Deus que se comunica desde o princípio. Primeiramente, um Deus que se relaciona consigo mesmo em uma trinitária comunicação, que está além da nossa capacidade de recepção e compreensão. Um Deus que criou todas as coisas comunicando, por sua Palavra (Gn 1). Alguém que não se calou quando caímos, mas anunciou e efetuou um plano de salvação. Em Cristo, a Palavra encarnada e palpável (Jo 1), Deus nos comunicou seu amor e refez uma conexão que parecia impossível de restaurar. Nas Escrituras, o Espírito Santo, também é descrito em termos da comunicação: Ele é o “consolador”, o “mensageiro de Deus”, aquele que continua a comunicar até o fim dos tempos.

É importante sermos humildes quanto à nossa incapacidade de comunicar de forma plena, de forma que possamos olhar para o único que comunica de verdade. Lembrarmos como, em Deus, nossas falhas são perdoadas e cobertas, e como, de Jesus, podemos aprender a empatia e o caráter de um verdadeiro comunicador. Também podemos pedir que ele continue a agir, em nós e apesar de nós, implorando por sabedoria e coragem na medida certa. Podemos buscar subsídios em sua Palavra, para que ele nos dê o mesmo caráter de João Batista, proclamando e vivendo a mensagem em nossas interações, como voz que clama no deserto: “Convém que ele cresça e eu diminua” (Jo 3.30).

No compartilhar das Escrituras e na comunicação concreta dos sacramentos, também podemos continuar a buscar o necessário para não nos agredirmos e afastarmos, para que sejamos um, assim como o Filho e o Pai são um. Sem dúvida, continuaremos aprendendo sempre, conforme novas oportunidades forem surgindo, sejam plataformas de rede, dispositivos ou tecnologias – não para nós, mas para aquele no qual “vivemos, nos movemos e existimos” (At 17.28). E podemos ter a certeza de que seremos sempre auxiliados, em nossas muitas falhas de comunicação e fraquezas, pelo Espírito que clama por nós, até mesmo com gemidos inexprimíveis (Rm 8.26).

Herivelton Regiani

Pastor, Mestre em comunicação

Natal, RN

Artigo anterior
Próximo artigo

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Nossa oração mudou

   ”Deus, abençoe as pessoas pobres e ricas que perderam tudo na enchente. Que elas consigam o que vestir, o que comer e uma casa para morar”

Veja também

Nossa oração mudou

   ”Deus, abençoe as pessoas pobres e ricas que perderam tudo na enchente. Que elas consigam o que vestir, o que comer e uma casa para morar”

ANEL participa de Congresso Nacional de Escolas Luteranas da Argentina

Presidente Marlus Seling, diretor-executivo Nelci Senger e vice-presidente de Ensino da IELB, Joel Muller, representaram o Brasil no evento que reuniu mais de 300 participantes

O surgimento de uma tradição cristã

Participaram das aulas 19 alunos de diversos lugares do Brasil e do continente americano, tais como Canadá, México, Venezuela e Paraguai.