Ano-Novo: é tempo de fazer promessas?




Estamos
no último mês do ano, logo a passagem do dia 31 dezembro para o dia 1° de
janeiro vai acontecer. A título de curiosidade, o Ano-Novo também é chamado de réveillon;
a palavra veio do francês e significa despertar ou acordar. É uma referência ao
novo período que se inicia. Ano-novo é tempo de, digamos assim, elaborar listas
cheias de objetivos apontados para o futuro. É mais ou menos assim: fazer
exercícios físicos, ler mais, fazer dieta, estudar mais, visitar mais os pais,
ser altruísta e outros. São as chamadas promessas: pequenos contratos internos
que a pessoa faz com si própria. Os contratos visam aliviar o sujeito das exigências
que ele provoca para si: no ano passado não deu, mas agora vai dar. É fazer as
pazes consigo mesmo, visando diminuir a angústia.

A
promessa está no campo da fantasia, do ansiar, do pensar. Fantasiar faz parte
da condição psíquica do ser humano. A promessa está intimamente ligada com o
desejo, ela é uma intensidade momentânea, uma potência motivada pela
necessidade de mudança. Modificar indica que a pessoa cogita por algo novo.

De acordo
com algumas pesquisas, 90% a 95% das promessas não são realizadas. A promessa
carrega um grande ímpeto, uma vez que a pessoa crê que o destino do
prometimento já está traçado, no entanto, a tendência do ânimo é reduzir com o
passar dos dias. Isso ocorre porque prometer algo já demonstra que não será tão
fácil de realizar o que está prometido. Sendo assim, é muito comum as pessoas
ficarem permanecendo em ciclos fantasiosos, ou seja, sempre voltando para o
campo da promessa, repetindo incessantemente. Promessa é aspirar por algo
melhor para o futuro, entretanto, a dificuldade não está no porvir, mas está no
presente. Se existe vontade pelo novo, então algo na vida atual não está bem.

ANO-NOVO: É TEMPO DE ENCURTAR PROMESSAS

A vida
humana acontece por meio de ações. Portanto, não é necessário esperar pelo
futuro, mas a solução está no presente. O que eu vou escrever nas próximas
linhas, não é uma receita fixa e infalível sobre realizações, mas são dicas
sobre proatividade: o primeiro passo, creio que é um dos mais importantes, é
saber o que impede a realização do desejo? Qual seria o gatilho do bloqueio?
Segundo passo: não é preciso esperar, invista no momento atual, faça acontecer;
terceiro passo: definição das metas, estratégias de alcance e tempo de execução.
Quarto passo: dividir o objetivo em pequenas metas, isto é, separar o projeto
em reduzidos propósitos é ter uma noção maior do progresso. Último passo: mude
o objetivo quando é preciso, em outras palavras, imprevistos acontecem e o alvo
pode não ser atingido. Assim sendo, é importante mudar o objetivo para não
sucumbir o plano maior. Enfim, leitor, são algumas ideias que visam evitar os
ciclos viciosos. Podemos lembrar da definição de réveillon: despertar, todavia,
despertar das amarras dos ciclos e enredos tecidos pela ansiedade
contemporânea.

ANO-NOVO:

É TEMPO DE RECONHECER QUE DEUS
SUPRIRÁ TODAS AS NECESSIDADES

 

Através da
obra vicária de Jesus Cristo, Deus garantiu a sua generosidade para o ser
humano pecador. O Filho de Deus, por meio de sua Palavra, tornou possível a
comunhão do homem com o Criador. O ser humano é participante das bênçãos
provindas do amor de Jesus. Isso posto, é válido afirmar: entre abarrotadas
promessas, não existe coisa melhor do que confiar na graça do Senhor Jesus
Cristo.

 

*Artur
Charczuk

Pastor e
psicanalista em São Leopoldo, RS, congregações Martinho Lutero e Cristo
Redentor

 

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Você já reclamou de um presente dado por Deus?

“Quem vem aí?”, me perguntou uma senhora na saída do culto. Ao responder que era mais um menino, ela disse: “Ah, não!! Tinha que ser uma menina!” Quase sem acreditar no que ouvi, questionei: “Por quê? Não mesmo! Quando Deus envia o presente, a gente aceita com gratidão”.

Veja também

Você já reclamou de um presente dado por Deus?

“Quem vem aí?”, me perguntou uma senhora na saída do culto. Ao responder que era mais um menino, ela disse: “Ah, não!! Tinha que ser uma menina!” Quase sem acreditar no que ouvi, questionei: “Por quê? Não mesmo! Quando Deus envia o presente, a gente aceita com gratidão”.

Dores que fazem crescer

“Feliz é aquele que nas aflições continua fiel! Porque, depois de sair aprovado dessas aflições, receberá como prêmio a vida que Deus promete aos que o amam” (Tg 1.12).

O que alimenta nossa fé?

Esse foi o tema do Congresso de Servas e Leigos do DIVALI