Avaliando nossos relacionamentos

O período de pandemia pelo qual estamos passando está desafiando e pondo em xeque muitas coisas. E uma das coisas que está sendo fortemente desafiada é a forma como nos relacionamos com as pessoas.

Com as pessoas mais próximas de nós, aquelas que moram em nossa casa, estamos tendo o desafio de conviver praticamente 24 horas por dia, sete dias por semana, por causa do isolamento social, do cancelamento das aulas presenciais e do trabalho em casa. Por conta disso, os noticiários nos informam que aumentaram grandemente os índices de violência doméstica, especialmente contra mulheres e crianças.

E com as pessoas que não moram conosco, parentes mais distantes, amigos, colegas e irmãos na fé, o desafio é relacionar-se através das redes sociais, dos grupos virtuais de relacionamentos. Também nesses relacionamentos virtuais seguidamente ocorrem ferrenhas discussões e desentendimentos, que não poucas vezes deixam cicatrizes profundas na vida de muitas pessoas.

O fato é que os relacionamentos humanos ficaram seriamente comprometidos desde a queda em pecado (Gn 3). Já no Éden, após pecarem e antes de serem expulsos, Adão e Eva apontavam o dedo um para o outro e se acusavam mutuamente.

O que pode melhorar os nossos relacionamentos? Através de Paulo, Deus responde: “Vocês são o povo de Deus. Ele os amou e os escolheu para serem dele. Portanto, vistam-se de misericórdia, de bondade, de humildade, de delicadeza e de paciência. Não fiquem irritados uns com os outros e perdoem uns aos outros, caso alguém tenha alguma queixa contra outra pessoa. Assim como o Senhor perdoou vocês, perdoem uns aos outros. E, acima de tudo, tenham amor, pois o amor une perfeitamente todas as coisas. E que a paz que Cristo dá dirija vocês nas suas decisões, pois foi para essa paz que Deus os chamou a fim de formarem um só corpo. E sejam agradecidos. Que a mensagem de Cristo, com toda a sua riqueza, viva no coração de vocês! Ensinem e instruam uns aos outros com toda a sabedoria. Cantem salmos, hinos e canções espirituais; louvem a Deus, com gratidão no coração. E tudo o que vocês fizerem ou disserem, façam em nome do Senhor Jesus e por meio dele agradeçam a Deus, o Pai” (Cl 3.12-17).

O que faz toda a diferença é o fato de sermos e vivermos como povo de Deus, amados e escolhidos por ele. Na sua relação conosco, Deus faz de nós novas criaturas, e isso se exterioriza em nossa forma de ser e agir com misericórdia, bondade, humildade, delicadeza e paciência. Isso nos torna compreensivos, nos dá disposição para ajudar as pessoas em suas fraquezas e necessidades, nos torna dispostos a perdoar os que pecam contra nós e nos faz gratos a Deus e às pessoas por todas as coisas que temos o privilégio de usufruir em nosso dia a dia.

Portanto, se o período de pandemia está nos desafiando e pondo em xeque muitas coisas, ele também é um excelente período para revermos a nossa forma de nos relacionarmos na família, na igreja e na sociedade em geral. Nos relacionamos como filhos de Deus vestidos com misericórdia, bondade, humildade, delicadeza e paciência? Ou estamos nos relacionando como aqueles que não são filhos de Deus, guiados pela velha natureza egoísta, arrogante, preconceituosa e violenta? É tempo de nos avaliarmos à luz da Palavra de Deus.

O que nos torna filhos de Deus e viabiliza as nossas relações interpessoais é a fé em Jesus Cristo, o santo Filho de Deus, que deu a sua vida em nosso favor. Ouçamos o que ele nos diz, confiemos nele e ele nos capacitará a nos relacionarmos em amor!

Pastor Geraldo Schüler

Presidente da IELB

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Veja também

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Missão Feliz, RS, completa 8 anos

A missão iniciou em 2016, com seis pessoas e hoje, já são 29 pessoas ativas e alguns visitantes

Setenta anos, a Igreja em missão em Baixo Guandu, ES

Congregação Da Paz celebrou culto festivo no dia 14 de abril