Como ensinar nossas crianças a andar, se hoje o caminho é virtual?

Com certeza, quando falamos da educação cristã de nossas crianças, logo lembramos da clássica e maravilhosa promessa do livro de Provérbios: “Ensina a criança no caminho em que deve andar, e, ainda quando for velho, não se desviará dele” (Pv 22.6). Acredito que esse é o desejo, o sonho de todo pai e de toda mãe – ver seu bebê crescendo e aprendendo a conhecer a Verdade que liberta. Contudo, parece-me que os caminhos de hoje se apresentam menos palpáveis ou observáveis, são caminhos mais virtuais. Caminhos que se estabelecem em redes infindáveis de informações das mais diversas; produzidas por pessoas desconhecidas que capturam nossos gostos, nossas manias e oferecem uma satisfação rápida e intensa. Nossos pequenos mergulham nas “águas profundas da internet” como a gente faziam nas tardes quentes de verão! E como era bom aquele momento. A gente não queria que terminasse nunca o dia só para apreciarmos mais a diversão. Nossas crianças também se sentem assim quando em contato com as “águas da internet” – não dá vontade de sair. Contudo, as águas também ofereciam seus perigos. Geralmente é recomendado que sempre haja um adulto responsável que cuide das crianças que brincam numa piscina, açude ou rio. De semelhante forma, não seria prudente que você, adulto, cristão, cuidasse do acesso de sua criança nas profundas águas virtuais da internet?

A internet e todas as suas multiformes ferramentas chegaram para ficar. Elas facilitam nossa vida imensamente. Nos dão acesso a uma quantidade infindável de informações e possibilidades. São tantas novidades, com tanta magia midiática que até nós, adultos, temos dificuldade de filtrar o que é bom ou ruim, conveniente ou inconveniente, certo ou errado. Imaginem para uma criança com sua personalidade e caráter em formação! Ela pode tornar-se refém de um mundo que ela desconhece e que nem sempre lhe fará bem.

Na rede mundial virtual, temos conteúdo bom, educativo, saudável e muito recomendado, mas também encontramos ali conteúdos tendenciosos, distorcidos, errados, que, muitas vezes, são apresentados em cores e formas que encantam nossas crianças, enchem seus olhos e corações e produzem pensamentos e comportamentos também distorcidos ou inconvenientes. É evidente que não podemos demonizar o meio virtual. Todas as dificuldades e problemas que surgem não são culpa da internet! Entretanto, é preciso cuidado e equilíbrio.

Em tempos passados, o perigo estava na rua ou na televisão, que influenciavam nossas crianças. Hoje, o problema pode estar na “palma da mão”. Pode estar nos dispositivos eletrônicos que nós mesmos presenteamos aos nossos amados filhos e filhas. Por isso mesmo compete a cada pai e mãe cristãos acompanhar e alertar suas crianças sobre conteúdos, acessos, postagens, compartilhamentos, exposições. Certa vez ouvi um especialista em informática alertar: A internet não é uma janela aberta para o mundo. A internet é um portão escancarado para vários universos!”

Tendo isso em mente e certo de que de tudo isso você já é sabedor (a) e conhece de perto, gostaria de compartilhar algumas reflexões sobre esse assunto:

1) os caminhos virtuais estão aí, chegaram para ficar e não poderemos nos esconder deles e nem esconder nossas crianças deles, mas procure refletir sobre a possibilidade de retardar o acesso das crianças às mídias digitais;

2) observe se você não está fazendo do celular uma espécie de babá eletrônica para seu filho. Enquanto ele (a) está distraído com o celular eu faço as minhas coisas!”;

3) ensinar a criança no caminho que deve andar, especialmente nos caminhos digitais, demanda tempo e estudo. Você necessita conhecer essas tecnologias e acompanhar os acessos de sua criança e não simplesmente entregar ao pequeno (a) um aparelho ilimitado com acesso a tudo e todos;

4) não é papel exclusivo da escola ou da igreja ensinar o que acessar ou não, mas podemos fazer parcerias importantes para cuidar digitalmente de nossas crianças. Várias escolas já possuem componentes curriculares que orientam sobre o uso da internet. Informe-se. Quanto à igreja, vamos fomentar entre nossos irmãos e irmãs aqueles que possuem habilidades e conhecimentos nas áreas de tecnologias da informação, aconselhamento psicológico e terapêutico, para que usem seus dons e conhecimentos para nos orientar e ajudar; é preciso saber as consequências psicológicas e espirituais que certos conteúdos podem causar na criança;

5) ore! Assim como você ora para que seu filho seja guardado de algum mal no cotidiano, ore para que ele seja guardado de más influências virtuais. Sugira materiais e interações saudáveis e construtivos. O desenho ou série famosa que todo mundo assiste, pode estar prejudicando a formação cristã ou psíquica de seu filho (a);

6) converse sobre tudo que sua criança vê, assiste ou acompanha. Não tenha vergonha ou tabus na hora de falar. Pode ser um momento especial entre você e sua criança para apontar o caminho adequado, conforme a Palavra de Deus;

7) o mundo virtual sempre trará novidades e solicitudes. Portanto, compartilhe suas expectativas e ansiedades nos grupos da igreja, com seu pastor. Procure ajuda com profissionais da saúde mental para esclarecimentos.

Amados irmãos e irmãs na fé em Jesus Cristo, os caminhos podem estar mudando e se tornando desconhecidos, mas o Caminho ainda continua sendo o mesmo e é bem conhecido – JESUS CRISTO. Esse mesmo Jesus, que acolheu e acolhe as crianças dentro do seu reino de amor, capacitará a cada um de nós para orientar nossos preciosos filhos e filhas. Uma grande notícia é que esse mesmo Jesus já está também nas “águas profundas da internet”. Ajude seu pequenino a encontrá-lo! Um grande abraço.

Em tempos passados, o perigo estava na rua ou na televisão, que influenciavam nossas crianças. Hoje, o problema pode estar na “palma da mão”. Pode estar nos dispositivos eletrônicos que nós mesmos presenteamos aos nossos amados filhos e filhas

*Jaques Cristiano Schlosser – Pastor IELB/ULBRA – Manaus, AM

Bacharel em Teologia, especialista em Teologia Comparada e Educação Escolar

Acadêmico de Psicologia

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Novos membros são recebidos em Nova Petrópolis, RS

Culto da Santíssima Trindade teve batismo e recepção de novos membros na Congregação São Marcos

Veja também

Novos membros são recebidos em Nova Petrópolis, RS

Culto da Santíssima Trindade teve batismo e recepção de novos membros na Congregação São Marcos

Enchente no RS provoca mudanças no Simpósio de Missão

Programação do Seminário Concórdia será reduzida e online. Inscrições podem ser feitas até o dia 21 de junho

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase