De onde vem o fogo na floresta?

“Quando o incêndio invade uma floresta, ninguém domina suas chamas”. A Bíblia não diz exatamente estas palavras, mas concluímos que é isto que o apóstolo pensou ao comparar a língua com o fogo: “Vejam como uma grande floresta pode ser incendiada por uma pequena chama […] A língua é um fogo. Ela é um mundo de maldade […] Ninguém ainda foi capaz de dominar a língua” (Tg 3.5,6).

Tragicamente, a língua e o fogo continuam provocando grandes incêndios. Nem é preciso falar das maldosas chamas e consequências deste pequeno músculo atrás dos dentes. Nossa preocupação agora são os incêndios que consomem as florestas do Brasil e do planeta, e que sempre começam com uma minúscula fagulha. E olhem o absurdo, apesar do extraordinário domínio humano alcançado pela moderna tecnologia, ninguém consegue conter o fogo nas florestas.

No entendimento bíblico, o fogo nas florestas e a destruição do meio ambiente têm origem que satélites e ambientalistas não percebem: o coração humano sempre voltado para o mal. Lá no início, quando o Criador ordenou cuidar do jardim do Éden e nele fazer plantações, as intenções humanas estavam dirigidas para o bem. Tudo mudou com o fogo do pecado. Agora, quem domina é a maldade humana, tão bem retratada por Tiago: “Essa espécie de sabedoria não vem do céu; ela é desse mundo, é da nossa natureza humana e é diabólica” (3.15).

Esta “inteligência” burra, de mãos dadas com a ganância, nunca mais deixou de derrubar e queimar árvores para erguer cercas do “isto é meu”. E logo começaram as brigas por posses, e o fogo aumentou. É o aquecimento global no coração e que esquenta os ânimos e o ambiente. Interessante que numa dessas batalhas, o salmista pede que Deus destrua seus inimigos “assim como o fogo queima a floresta e as labaredas incendeiam os montes” (Sl 83.14).

Só que nas guerras, ninguém ganha, todos perdem. Perdem também aqueles que não acreditam que o planeta está pegando fogo e derrubam as florestas em nome do progresso. Todos vão sofrer. É o alerta dos cientistas que afirmam que os incêndios florestais em todo o mundo, neste ano da pandemia, são os maiores dos últimos tempos. Todos os anos, milhões de quilômetros quadrados são queimados por incêndios florestais. O impacto é terrível: a fumaça libera grande quantidade de dióxido de carbono e outros gases de efeito estufa. Com isso, o planeta fica mais quente, e as matas, mais secas, provocando mais incêndios florestais. Chamam isso de ciclo de retroalimentação. Além do aquecimento global e da degradação do meio ambiente, é o fim para muitos animais na natureza. Nas últimas cinco décadas, 70% dos animais silvestres foram extintos no planeta, a exemplo de onças e outros bichos nos incêndios do Pantanal. No ano passado, um relatório sobre biodiversidade advertiu que cerca de 1 milhão de espécies animais e plantas estão ameaçadas de extinção, um recorde na história da humanidade.

Existe alguma coisa que podemos fazer? Claro que existe. Se o “Universo se tornou inútil”, mas um dia “ficará livre do poder destruidor que o mantém escravo e tomará parte na gloriosa liberdade dos filhos de Deus” (Rm 8.20,21), isso não autoriza ninguém, muito menos o cristão, a antecipar o fim do mundo. A ordem em Gênesis permanece: “cuidar do jardim”. Ou seja, preservar a vida no planeta. É a obediência ao “não matarás”. É o cuidado com o fogo da língua e com o fogo das florestas. Porque, depois que o incêndio começa, ninguém mais o domina.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Convite à igreja

Assista ao vídeo da presidente da JELB, Dagmara Abigail Figur, e do presidente da IELB, pastor Geraldo Schüler, convidando toda a...

Veja também

Convite à igreja

Assista ao vídeo da presidente da JELB, Dagmara Abigail...

Jó, em meio a desastres naturais

Uma reflexão sobre sofrimento, esperança e superação dos maus conselhos em tempos de sofrimento!

Fé e imigração

Em termos de igreja – IELB, os primeiros missionários vieram dos Estados Unidos, em 1900, para atender primeiramente os imigrantes alemães.