Dia da Consciência Negra

De uma forma ou de outra, há uma negritude enraizada em toda humanidade. Mais do que um dia, 20 de novembro é uma data extremamente importante, pois nos permite refletir sobre a história do povo negro e a sua luta pela liberdade no Brasil. Além disso, o Dia da Consciência Negra também traz à tona questões relevantes no cotidiano: a luta contra o racismo estrutural e a valorização, de forma plena, da cultura afro-brasileira.

Neste processo de empoderamento negro, as conquistas socais vieram após longos séculos de luta. Africanizados e seus descendentes nunca aceitaram a escravidão, por isso desenvolveram estratégias de resistência. Da colônia ao império, eles realizaram fugas, ergueram quilombos, preservaram o culto aos seus Orixás, criaram instrumentos de percussão para reger as festas e folguedos. Além da gingada da capoeira e da cadência do samba, havia a sabedoria dos “griôs”, que eram os anciãos responsáveis por conservar – por meio da tradição oral – histórias e memórias africanas.

A objetificação do negro precisa acabar. Com o raiar do século 21, em tempos republicanos, surgiram as ações afirmativas. São as políticas públicas de inclusão feitas pelo governo ou iniciativa privada com o intuito de dirimir desigualdades sociais latentes. As escolas e as universidades participam desse processo, promovendo ações educativas e alargando o debate racial para toda a sociedade. Outras instituições, como a igreja, têm aderido ao movimento conscientizador dos seus fiéis.

Existe uma IELB preta nos quatro cantos do país. Além disso, pastores brasileiros atuam em missões religiosas na África. Por essa e outras questões, a Igreja Luterana também se apresenta enquanto um espaço para promover reflexões teológicas sobre o mundo africano.

Pensando no lugar da fala, convidamos luteranas e luteranos negros a responder à seguinte pergunta: O que significa o Dia da Consciência Negra na atualidade?

Lurdinha Satyro foi a primeira secretária negra de um Conselho Geral da JELB, na gestão do Rio de Janeiro (1991/93). Atualmente reside em Canoas, RS. Assim respondeu à questão: “Este dia é muito mais que uma data ou feriado em alguns estados brasileiros. É uma oportunidade para reflexão e conscientização das pessoas, a fim de desenvolverem uma consciência humana mais homogênea e igualitária. Dessa forma, estarão de acordo com o amor do nosso Deus, que é para todos e que não faz acepção de pessoas. E, enfaticamente, ensina a amar a todos, indistintamente, assim como ele nos amou”.

Outro depoimento foi o de Bráulio Pimentel Ferreira, que foi vice-presidente do CG da JELB, gestão de Brasília (2007-2009). Atualmente, segue carreira militar no Distrito Federal. Ele discorreu, de maneira peculiar, que a luta dos negros não deve se restringir ao dia 20 de novembro, mas a todos os dias do ano. “Não precisamos mais de uma data para reconhecer e valorizar a luta dos negros, a cultura negra brasileira e suas contribuições para a constituição de nossa sociedade, e, sim, precisamos em definitivo massificar este reconhecimento para todo sempre”. Ainda pondera: “Desde 2003 celebramos no Brasil uma luta que começou no século 19 e que se arrasta por vezes a passos de formiga, voltando sempre ao dia 20 de novembro de cada ano lembrando da existência de uma raça que existirá sempre. Evoluímos? Sim, porém o tempo nos mostra que as nossas batalhas se perpetuam a cada ano com novas armas e fardas”.

E por fim, chegamos a Salvador, a Roma Negra. Onde conversamos virtualmente com Regiane Lima Nascimento. Professora de Filosofia, expôs as chagas, de forma nua e crua, das pretas e dos pretos. Conforme a sua visão. “Se essa pergunta me fosse feita há exatos 3 anos e 5 meses, apontaria com certa objetividade, conquistas, frutos da incansável luta do movimento negro brasileiro”. E prossegue: “Hoje, mãe de uma criança negra, a realidade ganha novos contornos, pois minhas intenções se voltam para educar uma criança em uma sociedade que, apesar de todos os avanços recentes, segue racista. […] É preciso continuar lutando por equidade, para que novas Djamilas, Suelis, Tias Ciatas, Conceições, Silvios, Miltons simplesmente tenham oportunidades. Apenas oportunidades para que brilhem”.

Oxalá, Deus, que brilhem sempre as pretas e os pretos do Brasil. Que o Dia da Consciência Negra descortine, de fato, o horizonte de equidade, igualdade e inclusão. Que a tomada de consciência também envolva a população branca. Que ela possa vislumbrar os seus privilégios e pare de reproduzir atitudes e percepções racistas. Em caso de injustiça, que seja punida. Afinal, racismo é crime.

Prof. Dr. Luiz Antônio Pinto Cruz

Congregação Luz do Mundo, Aracaju, SE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Veja também

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Missão Feliz, RS, completa 8 anos

A missão iniciou em 2016, com seis pessoas e hoje, já são 29 pessoas ativas e alguns visitantes

Setenta anos, a Igreja em missão em Baixo Guandu, ES

Congregação Da Paz celebrou culto festivo no dia 14 de abril