Educação musical na igreja: uma proposta de material didático

Podemos cantar como Davi no Salmo 100:

Celebrai com júbilo ao Senhor, todas as terras.

Servi ao Senhor, com alegria, apresentai-vos diante dele com cântico.

Sabei que o Senhor é Deus; foi ele quem nos fez, e dele somos;

somos o seu povo e rebanho do seu pastoreio.

Entrai por suas portas com ações de graças e nos seus átrios,

com hinos de louvor; rendei-lhe graças e bendizei-lhe o nome.

Por que o Senhor é bom, a sua misericórdia dura para sempre,

e, de geração em geração a sua fidelidade.

A nossa herança musical

Como protestantes luteranos, temos uma relação muito especial com a música. A música foi uma das molas propulsoras da Reforma. Lutero afirmou, “lamento que a música secular tenha cantos e poemas muito bonitos, enquanto que a música sacra contenha muita coisa pobre e fria”. O grande reformador introduziu três importantes pilares na música sacra: (1) a música deveria ser no idioma do povo; (2) as melodias deveriam ser simples e próximas às músicas seculares/populares da época; (3) e os textos deveriam basear-se nas Escrituras Sagradas. Lutero, além de introduzir melodias populares, fez uma releitura do canto gregoriano, a música sacra da época, modificando-o e criando o que seria a grande novidade: o canto coral. Sempre acompanhado por instrumentos musicais, com a participação de toda a comunidade cristã, todos cantavam, assim como nós também cantamos ainda hoje.

A educação musical

Para termos um culto com música, precisamos necessariamente de músicos. E sabemos que um músico não “nasce” da noite para o dia, e nem tão pouco, como alguns acreditam, nasce tocando porque tem o “dom”. Sim, Deus nos dá dons, mas é necessário desenvolvê-los, multiplicá-los. E desenvolver nosso dom musical requer muito estudo, horas de treino e ensaio. E nesse momento entram o incentivo das congregações, os projetos de música, o papel da educação musical e do professor de música.

Educação musical diz respeito ao ensino de música, e seu grande objetivo é proporcionar desde experiência musicais com jogos, brincadeiras, até a aprendizagem propriamente dita da escrita musical: a leitura das notas na pauta, as figuras de valor, compasso, etc.

O ensino de música tem se modificado, em parte pela contribuição de educadores musicais da primeira metade do século XX, como Kodály (Hungria), Dalcroze (Suíça), Orff (Alemanha), Suzuki (Japão), que desenvolveram metodologias baseadas em uma “pedagogia ativa” de ensino de música que chegou até os nossos dias. As canções folclóricas cantadas pelas crianças, a voz e o corpo passaram a ser os meios pelos quais aprendem-se ritmos, dinâmicas, melodias, notas, figuras de valor, timbres, etc.

Investindo em projetos de educação musical para crianças

E por que não usar essas metodologias de ensino de música e aplicá-las em projetos de educação musical para crianças em nossas congregações?

Aqui é possível encontrar um material desenvolvido especialmente para ajudar as congregações, pastores, músicos e professores da Escola Dominical a organizarem um projeto de educação musical para as crianças. São materiais didáticos para dois grupos: crianças de seis a oito anos e crianças de nove a doze anos. São atividades musicais práticas e escritas, tendo como instrumento a flauta doce.

Em cada lição, ou capítulo, o material está organizado em três seções: a primeira seção se chama “Música na Bíblia”. A partir de uma história bíblica, estuda-se a história da música, a família dos instrumentos, passando pela nossa tradição protestante de música, chegando finalmente aos livros de música e hinários que usamos hoje em nossos cultos.

A segunda seção se chama“Conhecendo a música”, onde o aluno irá estudar a parte teórica da música. Primeiro por meio da experiência com o som, os jogos, as brincadeiras, as tentativas de registro ou escrita, para, então, chegar à escrita musical. E a terceira seção se chama “Tocando flauta”, onde o aluno terá, a partir do que aprendeu na parte teórica, atividades e músicas para tocar na flauta doce. As músicas são baseadas nos hinos do Hinário Luterano. No final do livro, há uma seleção de hinos fáceis do hinário para estudar em grupo.

No material para as crianças de seis a oito anos, a primeira seção são histórias bíblicas com caráter devocional: o amor de Jesus por cada uma das crianças. A segunda e a terceira seção, “Conhecendo a música” e “Tocando flauta”, são adaptadas ao nível das crianças dessa idade.

Junto com cada um dos materiais há também o manual do professor, que descreve como desenvolver cada atividade, que jogos ou brincadeiras realizar, tudo isso de modo lúdico, dinâmico e prazeroso.

O material foi desenvolvido com muito carinho e dedicação, contando com a revisão dos pastores Curt Albrecht e Gleisson Schmidt, assim como foi testado e aplicado pela equipe de músicos e professores da Escola Dominical da Congregação Santíssima Trindade, de Curitiba, PR.

Gostaria de incentivar as congregações a investirem, inclusive financeiramente, na formação musical de jovens e crianças, criando projetos, colocando dons, tempo e talentos à disposição do Reino de Deus, especialmente por meio da música.

Marta Deckert – professora de Educação Musical,

mestre em Educação com especialização em Educação Musical,

bacharel em Música. Escreve livros e materiais didáticos de Educação Musical

Artigo anterior
Próximo artigo

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Você já reclamou de um presente dado por Deus?

“Quem vem aí?”, me perguntou uma senhora na saída do culto. Ao responder que era mais um menino, ela disse: “Ah, não!! Tinha que ser uma menina!” Quase sem acreditar no que ouvi, questionei: “Por quê? Não mesmo! Quando Deus envia o presente, a gente aceita com gratidão”.

Veja também

Você já reclamou de um presente dado por Deus?

“Quem vem aí?”, me perguntou uma senhora na saída do culto. Ao responder que era mais um menino, ela disse: “Ah, não!! Tinha que ser uma menina!” Quase sem acreditar no que ouvi, questionei: “Por quê? Não mesmo! Quando Deus envia o presente, a gente aceita com gratidão”.

Dores que fazem crescer

“Feliz é aquele que nas aflições continua fiel! Porque, depois de sair aprovado dessas aflições, receberá como prêmio a vida que Deus promete aos que o amam” (Tg 1.12).

O que alimenta nossa fé?

Esse foi o tema do Congresso de Servas e Leigos do DIVALI