Elogio ao ócio, o pensamento e a escola




Ao longo deste ano,
temos refletido no Mensageiro Luterano sobre os fundamentos filosóficos
clássicos da educação: a valorização da capacidade de admiração; a superação do
pragmatismo pela contemplação (em grego, theorein)
da verdade e do belo; num ambiente de skholé
(o bom ócio festivo da escola, que
literalmente deveria ser o lugar da skholé);
a abertura para o todo do real e seu significado, que é classicamente a própria
definição de espírito; etc.

Hoje quero considerar uma nota de C. S. Lewis, em
favor do theorein e da skholé.

Lewis, professor de Oxford e de Cambridge
(autor de Crônicas de Nárnia e grande apologeta cristão), estabeleceu a
importante distinção entre prazeres de necessidade (need pleasures) e prazeres de apreciação (pleasures of appreciation).

O need
pleasure
decorre sempre de uma necessidade que pressupõe uma preparação.
Por exemplo, beber água depois de horas ao sol: saciar essa necessidade
converte-se em um prazer. Já o prazer de apreciação é um tipo de prazer que nos
faz apreciar algo sem preparação, mas simplesmente pelos atributos admiráveis
do objeto. É o caso do admirar-se com uma paisagem ao viajar para a terra
natal, por exemplo. Ou quando há uma contemplativa entrega extasiante diante de
um belo quadro. Apreciar o sabor de um vinho, ou o perfume de um campo florido.
Não existe uma necessidade envolvida nesse tipo de prazer, por isso Lewis os
chama de prazeres de apreciação.

O prazer de necessidade se extingue logo após
ser satisfeito: o cheiro do churrasco só é atraente antes e não depois de o
termos consumido. O prazer apreciativo é desinteressado, ou melhor, não
interesseiro. O conhecedor de vinhos aprecia o vinho de tal forma que se pode
dizer que sente por ele um amor apreciativo. Ele consideraria um verdadeiro
pecado que o finíssimo vinho fosse profanado por um paladar despreparado, que
não o saberia valorizar. Independentemente de ele desfrutar desse prazer, ele
quer preservar seu valor: ele não iria querer desperdiçá-lo: mesmo em seu leito
de morte, espera que seu sabor seja preservado para sempre, ainda que ele mesmo
não possa mais apreciá-lo. Isso é pura contemplação da verdade e do belo, ainda
que disso não resulte nada de útil, ou seja, theorein.

            Lewis genialmente liga a distinção
entre os prazeres (os de necessidade e os de apreciação) a fatos da linguagem:
a estes, nos referimos ao objeto e no presente (no atemporal da theoria), “Olha, que cheirinho bom é
este”; a aqueles, enfatizamos o sujeito e falamos no passado, “Ufa! eu
precisava disso”.

Uma outra sugestiva
observação de linguagem, esta, a propósito do ócio, nos vem de Josef Pieper. Em
seu notável elogio do ócio ele comenta a sentença aristotélica “Estamos não
ociosos para ter ócio”, e faz notar que tanto em latim como em grego o
fundamental, o positivo é a skholé, o
ócio, e que essas línguas só dispõem de formas negativas para a ocupação, o não
ócio, o negócio, neg-otium. A
modernidade inverteu esse posicionamento e tornou-se embotada para o caráter
criador da skholé nas ciências, nas artes e no pensamento.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Você já reclamou de um presente dado por Deus?

“Quem vem aí?”, me perguntou uma senhora na saída do culto. Ao responder que era mais um menino, ela disse: “Ah, não!! Tinha que ser uma menina!” Quase sem acreditar no que ouvi, questionei: “Por quê? Não mesmo! Quando Deus envia o presente, a gente aceita com gratidão”.

Veja também

Você já reclamou de um presente dado por Deus?

“Quem vem aí?”, me perguntou uma senhora na saída do culto. Ao responder que era mais um menino, ela disse: “Ah, não!! Tinha que ser uma menina!” Quase sem acreditar no que ouvi, questionei: “Por quê? Não mesmo! Quando Deus envia o presente, a gente aceita com gratidão”.

Dores que fazem crescer

“Feliz é aquele que nas aflições continua fiel! Porque, depois de sair aprovado dessas aflições, receberá como prêmio a vida que Deus promete aos que o amam” (Tg 1.12).

O que alimenta nossa fé?

Esse foi o tema do Congresso de Servas e Leigos do DIVALI