Elogio do ócio e o perigo da acídia

Neste último artigo de elogio do ócio (o verdadeiro, clássico e cristão), enfrentarei o desafio de falar de um poderoso inimigo do cristão, a acídia, e seguirei as análises do prof. Jean Lauand a respeito.

Os cristãos antigos, desde o século 4º, tentaram identificar os pecados que são fonte e raiz de outros pecados, os chamados pecados capitais, que a tradição da Igreja Católica Romana acabou por consolidar em: soberba, avareza, inveja, ira, impureza, gula e preguiça. Mas, durante mais de mil anos, em lugar da preguiça, o posto de pecado-chave era ocupado pela (hoje desconhecida) acídia.

Com essa substituição, a antropologia perdeu uma poderosíssima (e incrivelmente atual) ferramenta de análise da condição humana: a acídia.

Em vez do pecadilho da preguiça, a acídia é coisa séria: é um tipo de tristeza, melancolia e abatimento da alma, a tristeza pelo bem espiritual; a queimadura interior de quem recusa os bens do espírito. Até o início da idade moderna, tal tristeza é que era vista como pecado capital.

Acídia é base de atitudes contrárias. Uma – secundária e menos perigosa – leva à inação (daí a confusão com a preguiça). Mas os antigos perceberam que a tristeza da alma, a acídia, gera também a ação, um ativismo, a ação desenfreada do homem que perdeu o rumo da vida.

Podemos encontrar essa inquietude no poema “A troca de pneu” (Der Radwechsel), de Bertolt Brecht:

“Fico sentado à beira da estrada/O chofer troca o pneu/Não “tô legal”, lá de onde venho/Não “tô legal”, lá para onde vou/Por que olho a troca do pneu/Com impaciência?” (Ich sitze am Straßenhang;/Der Fahrer wechselt das Rad;/Ich bin nicht gern, wo ich herkomme/Ich bin nicht gern, wo ich hinfahre/Warum sehe ich den Radwechsel/Mit Ungeduld?)

No fazer e no não fazer, o tédio. Fernando Pessoa, no Livro do Desassossego, diagnostica a tristeza da acídia:

“Umas vezes em pleno trabalho, outras vezes no pleno descanso que, segundo os moralistas, mereço e me deve ser grato, transborda-se-me a alma de um fel de inércia, e estou cansado, não da obra ou do repouso, mas de mim”.

O poder deletério da acídia fica mais claro quando identificamos suas tradicionais filhas, os males que dela derivam.

A primeira é o desespero, a que se liga uma “irmã”, a pusilanimidade. Paralisado pela vertigem, pelo medo das alturas espirituais, a acídia é um aborrecer-se de que Deus o tenha chamado à estatura de uma vida na graça.

Queimado por essa tristeza suicida, surge a evagatio mentis, a dispersão de quem renuncia a seu centro interior e entrega-se à importunitas: abandonar a torre do espírito para derramar-se no variado. Afogando a sede na água salgada de compensações e prazeres da ação desenfreada, surge o falatório inócuo (verbositas), o agitar-se, o mover-se (inquietudo corporis), a incapacidade de concentrar-se num propósito (instabilitas) e um afã desordenado de sensações (curiositas).

Se já Pascal, em Pensamentos (136/139), diz que a infelicidade vem de o ser humano não poder estar a sós num quarto; hoje, as possibilidades de dispersão no superficial se ampliaram e quase que nos são impostas: na atração magnética pelos celulares e mídia, para não falar das drogas, etc.

Como se vê, o tema é de espantosa atualidade e merece especial e permanente atenção de pais, pastores e educadores. E o antídoto para esse perigoso inimigo do cristão, encontra-se sobretudo no cânone dos textos sagrados da tradição cristã, como esse do salmo 42.11: Por que estás abatida, ó minha alma? Por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei, a ele, meu auxílio e Deus meu.”

Artigo anterior
Próximo artigo

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Novos membros são recebidos em Nova Petrópolis, RS

Culto da Santíssima Trindade teve batismo e recepção de novos membros na Congregação São Marcos

Veja também

Novos membros são recebidos em Nova Petrópolis, RS

Culto da Santíssima Trindade teve batismo e recepção de novos membros na Congregação São Marcos

Enchente no RS provoca mudanças no Simpósio de Missão

Programação do Seminário Concórdia será reduzida e online. Inscrições podem ser feitas até o dia 21 de junho

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase