Eu sei em quem eu creio

O escritor argelino Albert Camus (1913-1960), filósofo existencialista, escreveu O Mito de Sísifo, ensaio sobre o absurdo (2002), obra que veio a ser considerada a principal produção do autor. Ao apresentar o mito, Camus trata da condição humana, de suas limitações, seus avanços e fracassos. Usa a mitologia grega e relata que Sísifo foi condenado pelos deuses a rolar uma grande pedra para o alto de uma montanha. Quando estava chegando ao alto da montanha, Sísifo, desesperadamente, via a pedra escapar de suas mãos e rolar montanha abaixo. E lá ia ele, de novo, recomeçar seu trabalho de subida da pedra, realizando incessantemente a mesma tarefa.

Camus não era cristão e, por isso mesmo, trata o sofrimento da vida humana como o absurdo, como algo que não tem sentido algum, mas que mesmo assim vale a pena viver a vida como enfrentamento ao absurdo. O autor termina a sua obra com a afirmação de que “é preciso imaginar Sísifo feliz”, por tentar vencer o absurdo.

Claro que não penso como Camus. Ao contrário, sou muito feliz com a condição humana que Deus, o Senhor, faz-me perceber: a condição de pecador constante, mas também, e principalmente, de perdoado, porque confio no sacrifício remidor de meu Salvador. Leio em Efésios 5.2 que “Cristo nos amou e deu a sua vida por nós como oferta de perfume agradável e como um sacrifício que agrada a Deus”. Não preciso ser como Sísifo, carregando meus pecados montanha acima e depois vendo tudo rolar abaixo, para o meu desespero e infelicidade. Não fui condenado por Deus, mas fui amado por ele e redimido para servir. Nessa condição, sou feliz e caminho para a felicidade completa depois. Minha vida não é absurda, muito menos sem sentido algum. Meu Deus amoroso e perdoador não apenas me ama, mas realiza e garante a minha salvação na obra redentora de seu Filho, que é oferta de perfume agradável e sacrifício que agrada a Deus.

Com base na obra de Camus, ficou conhecida a expressão “trabalho de Sísifo” para a tarefa que envolve esforço inútil e sem nenhum sentido. Atuar na Igreja de Deus não é sem sentido, e viver na comunhão com ele também não. É preciso ver nessa sociedade o corre-corre para a produção de lucros. Essa corrida louca em busca de riqueza pode tornar-se um grande problema que embrutece as pessoas e as afasta da comunhão, apontando para sentido apenas o que dá “lucro”. Viver é preciso, e trabalhar também, mas “ganhar a corrida que nos está proposta” é muito mais importante.

Por isso, eu sei em quem tenho crido, e todos os que buscam o Evangelho e na fé em Cristo andam, não sofrerão a dor da frustração. Lá no fim da vida, não haverá desesperança e não será necessário imaginar que seremos felizes e mais do que vencedores por meio daquele que nos amou, porque o seremos de fato, pois nas promessas de Deus há um “sim”.

Ari Raimann

Pastor e professor

Jataí, GO

*Texto publicado no Mensageiro Luterano em outubro de 2014.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Ovelhas geram ovelhas. Pastores apascentam ovelhas

No evangelho de João 10.11,14, Jesus é o “Bom Pastor” que apascenta e gera, espiritualmente, as ovelhas que escutam sua voz e que o conhecem e são por ele conhecidas.

Veja também

Ovelhas geram ovelhas. Pastores apascentam ovelhas

No evangelho de João 10.11,14, Jesus é o “Bom Pastor” que apascenta e gera, espiritualmente, as ovelhas que escutam sua voz e que o conhecem e são por ele conhecidas.

Cheiro de salvação

O texto de 2 Coríntios 2.14 diz assim: “como um perfume que se espalha por todos os lugares, somos usados por Deus para que Cristo seja conhecido por todas as pessoas”.

Quem está nas trincheiras ao seu lado?

Quando a gente casa, traz uma bagagem para a vida a dois. Nesta bagagem, estão os valores aprendidos em casa, as experiências de relacionamentos anteriores, nossa profissão talvez, sonhos e desejos.