Pentecostes

“Ao cumprir-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar. De repente, veio do céu um som, como de um vento impetuoso, e encheu toda a casa onde estavam sentados. E apareceram, distribuídas entre eles, línguas, como de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles. Todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas, segundo o Espírito lhes concedia que falassem.

Estavam morando em Jerusalém judeus, homens piedosos, vindos de todas as nações debaixo do céu. Assim, quando se fez ouvir aquela voz, afluiu a multidão, que foi tomada de perplexidade, porque cada um os ouvia falar na sua própria língua. Estavam atônitos e se admiravam, dizendo:

— Vejam! Não são galileus todos esses que aí estão falando? […] COMO OS OUVIMOS FALAR SOBRE AS GRANDEZAS DE DEUS em nossas próprias línguas? (At 2.1-11 – NAA).

Esse evento único na história do povo de Deus, aconteceu em Jerusalém, 50 dias após a gloriosa manhã da Páscoa. Nesse dia, uma multidão reuniu-se admirada, perplexa e espantada diante do que viam e ouviam: som vindo do céu, vento impetuoso, línguas de fogo sobre a cabeça de todos. Era o Espírito Santo iluminando e entusiasmando os seguidores de Cristo. Pessoas falavam das grandezas de Deus em todas as línguas conhecidas na época. O que estava acontecendo? Uns louvavam a Deus, outros riam e zombavam. Em resumo: era a presença visível do Espírito Santo, a terceira Pessoa da Santíssima Trindade – Pai, Filho e Espírito Santo – que descera, como prometido pelo Salvador Jesus, agora elevado ao Céu, sobre os seus seguidores – a igreja cristã do Novo Testamento.

E quem eram essas pessoas que falavam da grandeza de Deus naquele dia? Eram pessoas simples! Eram os pescadores da Galileia, depois discípulos de Jesus; eram aqueles que fugiram entre as árvores do Getsêmani, que negaram a Jesus, que se esconderam atrás de portas lacradas, que estavam espalhados pelo mundo conhecido de então. Essas eram as pessoas que agora anunciavam as grandes coisas que Deus fez para a nossa salvação, que agitaram a população de Jerusalém.

O Espírito Santo cria e sustenta a igreja cristã; transforma corações incrédulos em corações tementes a Deus; é quem impulsiona os cristãos a falarem das grandezas de Deus. Admirados e perplexos, uns perguntavam aos outros sobre este milagre: – Como é que todos estamos ouvindo essa gente falar em nossa própria língua a respeito das grandes coisas que Deus tem feito?

Martinho Lutero, em seu Catecismo Menor, fez uma descrição precisa da ação e função do Espírito Santo em nossa vida pessoal e na história do povo de Deus, na explicação do 3º artigo do Credo Apostólico. Isso nos ajuda a entender melhor o que aconteceu no Dia de Pentecostes, lá em Jerusalém.

“Creio que por minha própria razão ou força não posso crer em Jesus Cristo, meu Senhor, nem vir a ele. Mas o Espírito Santo me chamou pelo Evangelho, iluminou com seus dons, santificou e conservou na verdadeira fé. Assim também chama, congrega, ilumina e santifica toda a cristandade na Terra, e em Jesus Cristo a conserva na verdadeira e única fé. Nessa cristandade, perdoa a mim e a todos os crentes diária e abundantemente todos os pecados, e, no dia derradeiro, ressuscitará a mim e a todos os mortos, e dará a mim e a todos os crentes em Cristo a Vida Eterna.”

O Mensageiro Luterano quer ser isso: testemunha dos grandes feitos de nosso Deus!

Nilo Wachholz
Editor

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Veja também

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Missão Feliz, RS, completa 8 anos

A missão iniciou em 2016, com seis pessoas e hoje, já são 29 pessoas ativas e alguns visitantes

Setenta anos, a Igreja em missão em Baixo Guandu, ES

Congregação Da Paz celebrou culto festivo no dia 14 de abril