Vida + Viva sem álcool (-18 anos)

A precocidade na iniciação e a manutenção de uso de substâncias psicoativas compreende situações especiais de risco aumentado à saúde. Tanto as drogas lícitas, compreendidas como substâncias de circulação restrita à dispensação sob prescrição, quanto as ilícitas, apresentam registros de aumento da prevalência de consumo. O ambiente doméstico ocupa especial espaço de cuidados com crianças e adolescentes, que compreendem população especialmente vulnerável à experimentação e manutenção de uso de substâncias psicoativas.

Diagnósticos feitos a partir de pesquisas com adolescentes têm revelado dados alarmantes sobre o consumo destas substâncias, representadas tanto por drogas lícitas, como o álcool e medicamentos psicoativos, assim como ilícitas. Dentre os índices mais preocupantes está o crescimento do consumo de álcool. Aos 16 anos de idade já é perceptível uma frequência de uso equiparada ao comportamento de uso de álcool por adultos, o que representa a ocorrência de prejuízos biológicos, psicológicos, emocionais e relacionais. Além de uma baixa idade média de precocidade de uso para o álcool (12 anos de idade), percebe-se a experimentação de bebidas alcoólicas já aos 5 anos de idade, certamente na presença de pais ou cuidadores, motivados por questões de comportamento cultural.

Em suas pesquisas realizadas entre 2012 e 2018, considerando adolescentes de 12 e 17 anos, o dr. Luís César de Castro destaca que o número daqueles que provaram bebidas alcoólicas alguma vez na vida passou de 63,1%, em 2012, para 75,6%, em 2018. Destes, 92,8% teriam usado a substância nos últimos 12 meses – o que caracteriza uma preocupante continuidade de uso. Ao analisar as diferentes idades, observa-se, por exemplo, que aos 12 anos de idade, 53% dos adolescentes já usaram álcool, sem distinção de sexo. Tanto meninas quanto meninos apresentam taxas equivalentes de experimentação e uso continuado, tanto de álcool quanto de outras substâncias como tabaco e drogas ilícitas.

Considerando aspectos biológicos, o consumo de substâncias psicoativas como o álcool pode provocar prejuízos ao desenvolvimento do córtex pré-frontal cerebral, podendo gerar dificuldades neuropsicológicas, incluindo danos cognitivos e falhas na maturidade cerebral. “Quanto mais cedo fazem uso de álcool, mais prejuízos têm e mais suscetíveis ficam à dependência. Por isso, é tão necessário combater a precocidade de uso através do fortalecimento dos ambientes escolar, social e, especialmente, familiar”, ressalta Castro.

Em particular, o consumo de álcool compreende, inclusive, um fator de risco para o ingresso na criminalidade de adolescentes com idade entre 12 e 16 anos, especialmente. A mesma substância também motiva 70% das ocorrências policiais. É comum expressarmos que tais ocorrências estão associadas à autoria de adultos. “Entretanto, o adulto que usa o álcool de forma indiscriminada é o mesmo adulto que compõe a família, que cria filhos e que é percebido como ‘exemplo’, principalmente tolerando o uso desta substância por crianças e adolescentes. Estamos fechando os olhos para um grave problema. Portanto, é preciso atentar ao modo como os pais e familiares tratam o tema dentro de casa e como se relacionam com esse tipo de substância”.

Portanto, o cuidado com os jovens e adolescentes deve ser tão grande quanto a cautela sobre as crianças, pois o nível de amadurecimento deles ainda não é suficiente para detectar os perigos das próprias ações. “Destaca-se que as pesquisas revelam a percepção de que a figura paterna (que cuida, protege, provê e educa) representa um dos mais importantes e potentes contribuintes para a proteção dos jovens e adolescentes”, afirma Castro.

Numa sociedade tão complexa, onde sofremos pressões diversas, que por vezes nos esgotam o tempo e a qualidade do nosso tempo em família, perdemos oportunidades de ouvir, explicar, dialogar.

*Prof. dr. Luís César de Castro – farmacêutico clínico

Lajeado, RS

A solução começa em casa

É muito comum, no ambiente de recuperação de dependentes químicos, ouvirmos a frase: “Eu comecei quando era adolescente, bebendo álcool escondido ou aquela espuminha da cerveja do meu pai”. A grande maioria começou assim, de forma quase inocente, e busca hoje recuperação em casas como a Comunidade Terapêutica Metanoia, em Novo Hamburgo, RS.

Mas antes de chegar a esse ponto, da dependência, há muitas coisas que acontecem e que merecem a nossa atenção. Há, por muitas vezes, caminhos que levam à destruição de lares e famílias. Como bem comenta o dr. Luis César de Castro, as famílias estão sendo “atacadas” pelo álcool e as drogas; jovens e até crianças fazendo uso de álcool e partindo para outras drogas. Muitas vezes, esse ataque acontece não apenas de fora para dentro, mas de dentro para dentro.

A dependência química é uma doença multifatorial (diversos fatores podem levar alguém à dependência). Não é algo planejado, ninguém quer se tornar um dependente, mas isso acontece. E acontece com famílias cristãs, pessoas “normais”, como nós.

Dentro destes múltiplos fatores que causam a dependência, destaco exatamente o ambiente familiar. A “falta” de tempo para a família, para o diálogo, para os jovens e crianças, aumenta o risco de que algumas coisas fujam do normal. E uma delas é o uso e abuso de drogas lícitas e ilícitas.

Deus, pela sua Palavra, nos orienta que a família deve ser preservada. No linguajar “ielbiano” (entre membros da Igreja Evangélica Luterana do Brasil – IELB) costumamos até dizer que cada casa deveria ser um altar de Deus. Pois bem, como está esse nosso altar? Nossos lares são abastecidos com a Palavra diariamente? Estamos utilizando o tempo que Deus nos deu de maneira sábia? Estamos indo também à Casa de Deus para louvar e agradecer, pedir e suplicar? (Ec 3).

Nossa família é uma benção de Deus. Foi ele mesmo quem a instituiu, para que nela possamos exercitar o amor. Diálogo sincero e tempo de qualidade são armas contra possíveis problemas com a dependência.

E se já tenho um caso de dependência em minha casa? Procure ajuda. Deus proporciona ajuda através de grupos de apoio, casas de recuperação e também através da igreja. Nossa família da fé estará pronta a ajudar.

O problema das drogas e do álcool está à nossa porta: ou logo ao lado de fora, ou já dentro dela. Que, como pais, possamos ajudar com nossos exemplos, lembrando o conselho de Salomão em Provérbios 13.24, de educar os filhos, pois se não, quem os educará?

A solução começa em casa, conversando, dedicando tempo e ouvindo a voz de Deus pela sua Palavra. Afinal, mesmo nestes dias modernos e cada vez mais corridos, a Palavra de Deus continua “viva e eficaz” (Hb 4.12) e “útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça” (2Tm 3.16).

Paulo Kühl

Pastor em Curitiba, PR

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Você já reclamou de um presente dado por Deus?

“Quem vem aí?”, me perguntou uma senhora na saída do culto. Ao responder que era mais um menino, ela disse: “Ah, não!! Tinha que ser uma menina!” Quase sem acreditar no que ouvi, questionei: “Por quê? Não mesmo! Quando Deus envia o presente, a gente aceita com gratidão”.

Veja também

Você já reclamou de um presente dado por Deus?

“Quem vem aí?”, me perguntou uma senhora na saída do culto. Ao responder que era mais um menino, ela disse: “Ah, não!! Tinha que ser uma menina!” Quase sem acreditar no que ouvi, questionei: “Por quê? Não mesmo! Quando Deus envia o presente, a gente aceita com gratidão”.

Dores que fazem crescer

“Feliz é aquele que nas aflições continua fiel! Porque, depois de sair aprovado dessas aflições, receberá como prêmio a vida que Deus promete aos que o amam” (Tg 1.12).

O que alimenta nossa fé?

Esse foi o tema do Congresso de Servas e Leigos do DIVALI