As prioridades da Igreja

O que nos espera em 2023, e o que esperamos do próximo ano? Quais as prioridades da sua congregação para 2023? Qual é a sua prioridade para 2023?

Todo final e início de ano fazemos muitas reflexões. E é justamente nesses períodos que nos propomos a fazer avaliações, e com elas aparecem uma série de ideias, sonhos e projetos para o ano seguinte. Alguns saem do papel, alguns não saem nem da cabeça. Ou seja, continuam sendo sonhos. Alguns prometem emagrecer, outros prometem só boas ações, e, alguns, prometem finalizar outros projetos que já iniciaram. Enfim, fazemos promessas sobre o que é relevante para nós.

Como mordomos que somos daquilo que ganhamos do Pai, deveríamos estar muito mais preocupados em responder a esses questionamentos com prioridade e, claro, com a nítida intenção de tirar os projetos do papel e fazer acontecer.

E qual o maior desafio da igreja? Quais suas prioridades? De uma forma simples e superficial, pode-se dizer que as prioridades são: subsidiar novos pontos de missão e tentar manter e tornar independentes aqueles que são subsidiados hoje; prover parte do Seminário Concórdia para não onerar demais a mensalidade aos alunos; apoiar ações de crescimento da igreja; desenvolver novos conteúdos para o amadurecimento espiritual dos irmãos e irmãs; e, obviamente, suprir as necessidades da igreja como sínodo, buscando sempre sua unidade de doutrina e atuação, colaborando de forma administrativa e apoiando na comunicação da nossa missão.

E quais dessas prioridades citadas estão nos seus planos? Onde você colocará seus esforços em 2023? Onde a sua congregação irá trabalhar? Em qual área seu distrito irá se aprofundar?

Esses deveriam ser os nossos questionamentos nesse momento de final de ano, de reflexão. Para onde iremos direcionar nossos esforços e como iremos apoiar nossos projetos? E essas deveriam ser nossas prioridades.

Atualmente, quase 30% do orçamento anual da igreja, para realizar aquelas ações anteriormente descritas, são oriundas de aluguéis e outras receitas financeiras. Isto é, mais de 1/4 do nosso orçamento do dia a dia não é sustentado pelas contribuições das nossas congregações.

E aqui volta a reflexão do início, o que esperamos de 2023? Quais serão nossas prioridades? Temos algo mais prioritário do que o que foi exposto nos parágrafos anteriores?

Priorizar é dar primazia, preferência e a devida importância, e, para 2023, nada pode ser mais importante do que as ações propostas.

Não podemos deixar que sonhos, ideias ou outros projetos tenham mais importância do que andar junto com a IELB subsidiando novos pontos de missão, provendo parcialmente nosso seminário, apoiando ações de crescimento da igreja, fomentando o desenvolvimento de novos conteúdos para o crescimento espiritual do povo de Deus e suprindo as necessidades da igreja para atuarmos como sínodo – CAMINHANDO JUNTOS EM DOUTRINA E ATUAÇÃO.

Esse será o grande desafio de 2023: entender a verdadeira prioridade da nossa igreja. Que Deus nos abençoe nessa empreitada.

Gustavo Becker da Silveira

Vice-presidente de Administração

[email protected]

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

A parábola do semeador

A cultura digital afasta-nos da terra. Por mais evoluídos que sejamos, não podemos perder contato com a terra, a terra somos nós mesmos, pó é nossa origem e nosso destino. O período de uma vida transcorre de pó a pó

Veja também

A parábola do semeador

A cultura digital afasta-nos da terra. Por mais evoluídos que sejamos, não podemos perder contato com a terra, a terra somos nós mesmos, pó é nossa origem e nosso destino. O período de uma vida transcorre de pó a pó

A subjetividade contemporânea do rolar a tela do celular

O Tik Tok passa a predominar e compor o mundo intrapsíquico do ser humano. E tal composição atinge milhões de pessoas, como uma espécie de hipnose pandêmica.

A dolorosa volta para casa

Após 20 ou mais dias, vítimas da enchente no RS começam a retornar aos seus lares para limpeza e reconstrução