Palavra de Paz

“A ti, que habitas nos céus, elevo os olhos! Tem compaixão de nós, Senhor, tem compaixão, pois estamos saturados de tanto desprezo. A nossa alma está saturada da zombaria dos arrogantes e do desprezo dos soberbos” (Salmos 123.1,3-4).

Quem de nós já não pensou da mesma maneira que o salmista. Nossa alma está saturada, farta do desprezo dos arrogantes, do desprezo dos orgulhosos.

E, sim, “já estamos saturados de tanto desprezo”. Podemos sentir tudo isso. Cristãos em todo o mundo sofrem severa perseguição, enfrentando não apenas desprezo, mas também perda de casas e empregos, violência, prisão e morte. Embora não vivamos o sofrimento conhecido por muitos de nossos irmãos e irmãs em Cristo, também sentimos o desprezo do mundo. Vivemos em uma cultura que afirma muitas “verdades” e despreza qualquer afirmação de verdade absoluta. As pessoas abraçam muitos deuses e crenças, e nossa fidelidade a um Deus e Salvador é muitas vezes vista como intolerante. Conhecemos o desprezo do mundo porque vivemos em um mundo que, assim como escreveu o apóstolo Paulo, “trocaram a verdade de Deus pela mentira, adorando e servindo a criatura em lugar do Criador” (Rm 1.25a).

Lembrando dos primeiros seguidores de Jesus, eles também sofreram a “zombaria dos arrogantes” e “o desprezo dos soberbos”. Os apóstolos de Jesus, testemunhas oculares da ressurreição, foram presos, espancados, encarcerados e, a maioria, segundo a tradição, sofreu o martírio. Não devemos nos surpreender com o desdém e o desprezo do mundo. Jesus disse a seus discípulos: “– Se o mundo odeia vocês, saibam que, antes de odiar vocês, odiou a mim” (Jo 15.18). Jesus sofreu ódio e desprezo. Contudo, orou por aqueles que o condenaram na cruz, “– Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem” (Lucas 23.34). Ele foi rejeitado como o Messias de Israel e, de acordo com o plano de salvação de Deus, Jesus foi condenado e crucificado. Então, vencendo o desprezo e a maldade do mundo, Jesus ressuscitou na primeira manhã de Páscoa. Ao Senhor agora entronizado em glória no céu, levantamos os olhos e imploramos por misericórdia e ajuda: “pois estamos saturados de tanto desprezo”.

Chamando um perseguidor para ser seu embaixador, o Salvador ressuscitado perguntou a Saulo: “Por que você me persegue?” (At 9.4b). Nosso Senhor crucificado e vitorioso conhece o ódio e a dor suportados por seu corpo, a igreja. Justamente porque perseguir a igreja é perseguir a Cristo. Então, informando seus seguidores sobre os problemas que estavam por vir, Jesus disse: “Falei essas coisas para que em mim vocês tenham paz. No mundo, vocês passam por aflições; mas tenham coragem: eu venci o mundo” (Jo 16.33). Pelo poder de sua ressurreição, por sua vitória sobre o ódio do mundo, sobre a morte e o diabo, Jesus teve misericórdia de nós. A vitória dele é a nossa vitória.

Agora, então, você, leigo da igreja, e também jovem homem que está no caminho de uma abençoada liderança da igreja de Cristo, proclame contra o escárnio, desprezo e injustiças deste mundo confessando e anunciando a cada dia “a mensagem da cruz”. Mensagem que muitos consideram tola ou sem sentido, no entanto, ela é “a loucura de Deus” e “é mais sábia do que a sabedoria humana, e a fraqueza de Deus é mais forte do que a força humana” (1Co 1.25). O mundo pode expressar seu desprezo e soberba, mas nós conhecemos e confessamos a Palavra da cruz como a verdade do evangelho!

Mantidos pelos meios da graça, sejamos fortes na fé e também corajosos, sim, mas para proclamar a única Palavra que importa. Palavra da cruz! Palavra de paz!

Giovani Sidney Immich

Pastor Conselheiro

www.lllb.org.br

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase

Veja também

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase

Livres para servir: o papel da religião na promoção do bem comum

A realização dos ideais religiosos depende da preservação da liberdade religiosa – o direito fundamental de praticar, expressar e manifestar suas crenças sem discriminação ou perseguição. Defender a liberdade religiosa não é apenas uma obrigação legal, mas um imperativo moral que garante o florescimento de diversas comunidades religiosas e promove um ambiente propício ao diálogo e à cooperação

A parábola do semeador

A cultura digital afasta-nos da terra. Por mais evoluídos que sejamos, não podemos perder contato com a terra, a terra somos nós mesmos, pó é nossa origem e nosso destino. O período de uma vida transcorre de pó a pó