O magistério de Jesus e o magistério dos escribas

Os evangelhos relatam que Jesus ensinava com autoridade. No final do Sermão do Monte é registrado: “Quando Jesus acabou de proferir estas palavras, estavam as multidões maravilhadas com a sua doutrina. Porque ele as ensinava como quem tem autoridade, e não como os escribas” (Mt 7.28,29). A reação do povo na sinagoga de Cafarnaum não foi diferente ao ouvir a pregação de Jesus e ao vê-lo expulsar um demônio: “E maravilhavam-se com a sua doutrina, porque a sua palavra era com autoridade… Todos ficaram admirados e comentavam entre si: Que palavra é esta? Pois, com autoridade e poder, ele ordena aos espíritos imundos, e eles saem” (Lc 4.32,36).

Qual a diferença entre o ensinamento de Jesus e os ensinamentos dos escribas? Afinal, os escribas eram os professores da época. Estava ao seu encargo ensinar a Lei de Deus ao povo e de explicar as leituras bíblicas nas sinagogas. Por que esta comparação, que acabou gerando ciúmes e ódio por parte dos escribas e outros grupos religiosos?

Jesus tinha uma autoridade que vinha do Pai. Ele disse aos seus discípulos: “As palavras que eu digo a vocês não as digo por mim mesmo, mas o Pai, que permanece em mim, faz as suas obras” (Jo 14.10).

Os escribas normalmente apenas repetiam o que liam na Lei de Deus e interpretavam a seu modo. Nem sempre falavam com convicção, mas só se preocupavam em transmitir conhecimento e a tradição.

Era notória a diferença entre a forma e conteúdo das mensagens dos escribas e da mensagem de Jesus. Jesus foi reconhecido como um Rabi, que quer dizer Mestre (Jo 1.38) no mais alto escalão do magistério. Ele próprio reafirma a sua posição como Mestre ao dizer, na noite em que foi traído: “Vocês me chamam de Mestre e de Senhor e fazem bem, porque eu o sou” (Jo 13.13).

E pouco antes de voltar aos céus, ele diz: “Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra. Portanto, vão… ensinando-os a guardar todas as coisas que tenho ordenado a vocês” (Mt 28.18-20). O Mestre dos mestres delega à sua igreja a função de ensinar. Nós falamos em lugar do Mestre, somos o seu porta-voz, conforme sua promessa: “Quem ouve a vocês ouve a mim… eis que eu dei a vocês autoridade…” (Lc 10.16,19). E ele prometeu: “E vocês receberão poder, ao descer sobre vocês o Espírito Santo, e serão minhas testemunhas” (At 1.8).

Essa autoridade de Jesus se refere não apenas aos “pastores e mestres” (Ef 4.11), mas podemos estendê-la a todos os que exercem o magistério cristão em todos os níveis, a começar pelos pais, em casa, quando educam os filhos, continuando pelos professores de Jardim de Infância, e passando por todas as classes e níveis de professores até os doutores mais graduados.

Espero que as pessoas possam notar em nós pelo menos um pouco desta autoridade delegada por Jesus aos seus cristãos, e que não sejamos como os escribas do tempo de Jesus, meros repetidores de verdades e tradições, mas sem convicção. Vejamos alguns casos em que esta autoridade de Jesus deveria ser notada:

NO LAR

Pais devem estar cientes do seu papel de educadores, e não de meros procriadores. Não deleguem a educação de seus filhos apenas às escolas de educação infantil e posteriormente aos outros níveis, ou a educação religiosa apenas à Escola Dominical. Sejam educadores com autoridade e convicção no estilo de Jesus. Não se deixem dominar pelos filhos, nem pelas influências de uma educação permissiva sem temor a Deus. Eduquem os filhos no temor e no amor do Senhor.

NA ESCOLA, EM TODOS OS NÍVEIS

Professores precisam seguir o currículo adotado pelas escolas. Professores cristãos podem fazer a diferença. Sem infringir as regras, coloque seu próprio tempero e dê seu testemunho cristão de amor. Ao ser obrigado a ensinar a Teoria da Evolução conforme os livros, diga que também existe a versão bíblica do Criacionismo, e que a “teoria da evolução” continua sendo uma teoria que não foi provada, pois ainda estão em busca do elo perdido. Tenha a coragem de ser autêntico e confesse sua fé com autoridade, estando pronto a sofrer as consequências. – O mesmo princípio se aplica a outros temas controversos. Tenha a coragem e a autoridade de confessar a sua fé.

NA IGREJA

Ao professor de Escola Dominical: Não seja um mero repetidor de algumas histórias ou doutrinas, entretendo as crianças com atividades enquanto os pais estão no culto. Prepare-se bem, veja como pode extrair da história os pontos centrais de lei e de evangelho. Assegure aos que lhe são confiados a certeza do amor de Deus que você também tem. – Ao pastor: Não prepare o seu sermão como um documento acadêmico ou uma dissertação. Proclame com convicção a verdade divina: a lei que condena, o evangelho que absolve e dá vida. Não celebre o culto rezando uma ladainha chorosa, mas dê ênfase às diversas partes da liturgia com autoridade e eloquência. Cante os hinos com vigor e convicção.

Acima de tudo, exerça as suas funções com a autoridade que você recebeu de Jesus e com amor pelas pessoas que lhe são confiadas. As pessoas vão notar diferença no seu estilo de magistério e do magistério dos demais. Talvez elogiem e reconheçam hoje, e critiquem amanhã – como aconteceu com Jesus. Mas não deixe de testemunhar. Saiba que por trás e acima do seu magistério está o magistério de Jesus, que tem todo o poder nos céus e na terra (Fp 2.9-11) e que quer salvar as pessoas através do nosso testemunho e ensino com autoridade.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Pastor é instalado em Sinop, MT

Mauro Scheibler irá atuar na Paróquia Emanuel

Veja também

Pastor é instalado em Sinop, MT

Mauro Scheibler irá atuar na Paróquia Emanuel

Você já reclamou de um presente dado por Deus?

“Quem vem aí?”, me perguntou uma senhora na saída do culto. Ao responder que era mais um menino, ela disse: “Ah, não!! Tinha que ser uma menina!” Quase sem acreditar no que ouvi, questionei: “Por quê? Não mesmo! Quando Deus envia o presente, a gente aceita com gratidão”.

Dores que fazem crescer

“Feliz é aquele que nas aflições continua fiel! Porque, depois de sair aprovado dessas aflições, receberá como prêmio a vida que Deus promete aos que o amam” (Tg 1.12).