Como agradar a Deus?

No livro de Gênesis temos um relato interessante. Sem Deus pedir ou ordenar, Caim e Abel resolveram trazer-lhe uma oferta. “Abel, por sua vez, trouxe das primícias do seu rebanho e da gordura deste. Agradou-se o Senhor de Abel e de sua oferta” (Gn 4.4). Sabemos o que aconteceu com Caim e o lamentável desfecho da história.

Se olharmos para a história da humanidade, creio que seja mais fácil responder sobre o que desagrada a Deus do que sobre o que o agrada. Desde o início, vemos que o ser humano parece ser muito bom em desagradar a Deus.

Adão e Eva, no Paraíso, viviam em um mundo perfeito e estavam em plena harmonia com Deus. Sabiam inclusive o que era certo e errado. Deus tinha dito: “da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás…” (Gn 2.17). Mas, ao invés de agradá-lo, desagradaram-no, desobedecendo à sua vontade, trazendo assim, como consequência, o pecado para toda humanidade.

Esse pecado constantemente tem levado o ser humano a afastar-se de Deus. O rei Davi confessou: “Eu nasci na iniquidade, e em pecado me concebeu minha mãe” (Sl 51.5). O apóstolo Paulo escreveu: “Por isso, o pendor da carne é inimizade contra Deus” (Rm 8.7). Por causa do pecado, nossa tendência natural é desagradar a Deus.

Tanto desagrado, tanta maldade, que em certo momento o próprio Deus chegou a se arrepender de ter criado o homem e enviou o dilúvio para dar cabo de toda raça humana, e, de novo, a partir de Noé e sua família, reiniciar a história.

Será que precisamos fazer algo para agradar a Deus?

Muitos já tentaram agradar a Deus. A exemplo de Abel e Noé, também Abraão, Isaque, Jacó, José, Moisés e outros que ofereceram sacrifícios agradáveis ao Senhor.

Sim, Deus se agrada de sacrifícios, ofertas alegres e voluntárias, verdadeiras ações de graças, mas mesmo estas são imperfeitas.

Através de Davi, Deus registra que se agrada de um espírito quebrantado e não rejeita um coração arrependido e contrito (Sl 51.17). Quer adoração pura e verdadeira, detesta a hipocrisia, condena a falsidade. Por meio de Isaías, anuncia: “Visto que este povo se aproxima de mim e com a sua boca e com os seus lábios me honra, mas o seu coração está longe de mim, e o seu temor para comigo consiste só em mandamentos de homens…” (Is 29.13). Inspira Paulo, e nos aconselha a que apresentemos o nosso corpo por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, pois esta é a verdadeira adoração que lhe devemos oferecer (Rm 12.1).

Será possível agradar a Deus de alguma forma?

Infelizmente, por causa do pecado, temos uma dificuldade enorme em agradar a Deus. Tudo o que fazemos nunca é ou será perfeito.

Muitos já tentaram, e ainda tentam, através de obras e ações. Houve tempo em que as pessoas entravam em mosteiros e conventos, dedicavam-se a ordens monásticas, faziam votos de pobreza, castidade, obediência. Inclusive Lutero foi um dos que assim agiu e se frustrou.

Ainda hoje muitos fazem votos e promessas, procissões, carregam pesadas cruzes, se automutilam, andam de joelhos… pensando com isso agradar a Deus. Sem falar naqueles que insistem em observar regras e seguir leis do Antigo Testamento, como se por elas fosse possível agradar ao Senhor.

Tudo perda de tempo e sacrifício incompleto e desnecessário. Deus tudo sabe e conhece muito bem nossas limitações e imperfeições.

E se para nós é difícil agradar a Deus, então, ele o fez por nós. “Todavia, ao Senhor agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando der ele a sua alma como oferta pelo pecado, verá sua posteridade e prolongará os seus dias; e a vontade do Senhor prosperará nas suas mãos” (Is 53.10). Enviou seu Filho unigênito para que, através dele, o sacrifício único e perfeito, nos tornássemos agradáveis a ele (Hb 9 e 10).

Agradar a Deus. Somente pela fé em Jesus: “O justo viverá por fé” (Rm 1.17). Foi aí que Lutero encontrou consolo de verdade e o Evangelho o alcançou. Jesus é o sacrifício perfeito e justificador. “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós é dom de Deus; não de obras para que ninguém se glorie” (Ef 2.8-9).

Deus se agrada daquele que nele crê, confia e deposita a sua esperança. “Por meio de Jesus, pois, ofereçamos a Deus, sempre, sacrifício de louvor, que é o fruto de lábios que confessam o seu nome” (Hb 13.15).

Como agradar a Deus? Sem fé é impossível agradar a Deus (Hb 11.6)

Crendo neste único e maravilhoso Deus, busco sempre na sua Palavra o alimento que me fortalece e me capacita para servi-lo com todo o meu ser e viver.

Ó Deus, meu Senhor. Obrigado por teres enviado teu amado Filho para ser o sacrifício mais que perfeito em meu favor. Mantém-me sempre nesta fé e capacita-me cada vez mais na tarefa de evangelizador. Em nome de Jesus, meu Salvador. Amém.

Pastor Erivelton Kiefer Butzke

Espigão d’Oeste, RO

*Texto publicado na edição de novembro de 2016.

Artigo anterior
Próximo artigo

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Veja também

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Missão Feliz, RS, completa 8 anos

A missão iniciou em 2016, com seis pessoas e hoje, já são 29 pessoas ativas e alguns visitantes

Setenta anos, a Igreja em missão em Baixo Guandu, ES

Congregação Da Paz celebrou culto festivo no dia 14 de abril