Natal, solidão e Emanuel

Triste é passar um Natal sozinho. Sem ninguém próximo ou com afinidade para abraçar e ser abraçado. Enquanto famílias encontram-se para festejar e trocar presentes, deve haver algum solitário na noite de Natal. O morador de rua. O trabalhador que teve escala naquela noite. O paciente da clínica. O internado no hospital.

A solidão natalina também pode acontecer quando estamos cercados de pessoas. Festejos, brindes, trocas de presentes. E, no coração, um vazio. Por estar longe da família. Por ser o primeiro, ou mais um de vários natais com a saudade de quem está apenas nas fotografias. Além, é claro, das crises depressivas que podem tornar cinzentos os coloridos enfeites de Natal.

Essa solidão pode ser dissipada e suavizada quando olhamos para o porquê se comemora o Natal. É preciso olhar para a manjedoura. Para o presépio. E ver que o menino Jesus é o cumprimento das promessas do Senhor. Inclusive, de uma promessa feita nos tempos do profeta Isaías. O cumprimento está registrado em Mateus 1.22-23. Falando a respeito do nascimento de Jesus, o texto diz: “Tudo isso aconteceu para se cumprir o que o Senhor tinha dito por meio do profeta: ‘A virgem ficará grávida e terá um filho que receberá o nome de Emanuel’ (Emanuel quer dizer ‘Deus está conosco’)”.

Natal é a festa do Emanuel. Do Deus conosco. Do verbo que se fez carne e habitou entre nós. Do céu que veio à terra. Do Filho de Deus que veio pagar a conta do nosso pecado e nos trazer perdão e redenção.

O Natal que é apenas das festas e presentes é, além de vazio, sem consolo algum para o que está só. Mas o Natal de Jesus, o Emanuel, nos assegura que jamais passaremos um Natal sozinho. Mesmo que a solidão ronde o coração, este coração está selado, pelo batismo, como morada do Espírito Santo.

O Natal de Jesus é para o solitário, o aflito. Para o que se sente invisível em meio à multidão. Há alguém que está conosco. Que vê a sensação de solidão. Que conhece a saudade dos que já se foram. Que está ao lado dos que passam a noite de Natal trabalhando, viajando, internados em um hospital e até mesmo com o morador de rua que crê no menino Jesus.

Então fica a dica: Jesus, o Emanuel, nos garante: “eu estou com vocês todos os dias, até o fim dos tempos” (Mt 28.20). Essa promessa também vale para a noite de Natal. Que pode ser cheia de gente e alegria. Mas, por vezes, de solidão e saudade. Mas jamais será sem a salvação no menino Jesus.

Bruno Serves

Pastor em Candelária, RS

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Novos membros são recebidos em Nova Petrópolis, RS

Culto da Santíssima Trindade teve batismo e recepção de novos membros na Congregação São Marcos

Veja também

Novos membros são recebidos em Nova Petrópolis, RS

Culto da Santíssima Trindade teve batismo e recepção de novos membros na Congregação São Marcos

Enchente no RS provoca mudanças no Simpósio de Missão

Programação do Seminário Concórdia será reduzida e online. Inscrições podem ser feitas até o dia 21 de junho

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase