O Cristão e a Pátria

A cada ano, no dia 7 de setembro, quando lembramos a Independência do Brasil, ouvimos, falamos, lemos e escrevemos a respeito do tema patriotismo. Mas o que é e o que significa este termo, patriotismo? E mais: como podemos ser sal da terra, luz do mundo, o bom perfume de Cristo no país onde Deus nos colocou?

De forma geral, os dicionários definem patriotismo como “o sentimento de orgulho, amor, devolução e devoção à pátria, aos seus símbolos (bandeira, hino, brasão, riquezas naturais e patrimônios material e imaterial, dentre outros) e ao seu povo. É a razão do amor dos que querem servir ao seu país e ser solidários com os seus compatriotas.

Mas como podemos servir ao nosso país? Prestando serviço militar? Normalmente é isso que nos vem à mente. Mas seria só isso? Não! Existem muitas outras maneiras de servir à nossa pátria e aos nossos semelhantes. Vou citar algumas:

Nas eleições, que neste ano estão previstas para prefeitos, vice-prefeitos e vereadores, participamos como votantes, muitas vezes por obrigação, mas podemos também participar como candidatos ou nos partidos políticos, através dos quais são indicadas as pessoas que concorrem ao pleito. E aqueles que não tem intenção, vontade ou qualquer outro motivo para estar ligados a algum partido político, podem participar dos diversos conselhos municipais. Destaco alguns: de Ação Social, de Habitação, de Saúde, de Educação, da Criança e Adolescente, do Idoso, de Meio Ambiente, dentre outros. Nesses conselhos são tratadas as demandas da população e a forma como serão atendidas. Assim estaremos sendo solidários aos nossos compatriotas.

A primeira questão é como ocorre a participação nestes conselhos. O normal é ter a paridade, ou seja, o número de participantes é iguail para os representantes do poder público, das classes de trabalhadores e das entidades, ou seja, 1/3 para cada categoria, e cada um pode ver onde melhor se enquadra. Fica uma sugestão: que cada congregação da IELB tenha o maior número possível de participantes nos conselhos, pois na maioria deles há vagas para representantes de organizações religiosas.

E se não for possível obter uma vaga no conselho, como as reuniões são abertas, vale a pena participar simplesmente como “assistente”; nessa condição não se tem o direito à palavra, mas podemos ser ouvidos através de outros representantes já credenciados. Com a nossa participação nesses conselhos, estaremos deixando de ser apenas sujeitos passivos nas decisões e passaremos a ser agentes ativos e coparticipantes nas ações governamentais.

Além da participação nos partidos e conselhos mencionados acima, podemos ainda citar a participação nos conselhos/diretorias de Organizações Não Governamentais (ONGs), como hospitais comunitários, escolas comunitárias, escolas para crianças com necessidades especiais (APAEs), dentre outras, inserindo assim a presença de cristãos também nessas entidades.

E, por fim, não podemos nos esquecer de pedir em nossas orações que o nosso Senhor dê sabedoria aos nossos governantes, para que governem para o bem-estar de toda a população de nossa querida pátria. Agindo assim, seremos bons instrumentos nas mãos de Deus e, por meio de nós, ele fará grandes coisas pelos nossos compatriotas e por toda a nossa pátria.


Renato Bauermann

Vice-presidente de administração da IELB

Artigo anterior
Próximo artigo

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Veja também

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Missão Feliz, RS, completa 8 anos

A missão iniciou em 2016, com seis pessoas e hoje, já são 29 pessoas ativas e alguns visitantes

Setenta anos, a Igreja em missão em Baixo Guandu, ES

Congregação Da Paz celebrou culto festivo no dia 14 de abril