O hábito da ingratidão

Têm coisas que fazemos automaticamente, sem pensar. São hábitos, costumes, rotinas. O nosso jeito de comer, andar, sentar, vestir, trabalhar, descansar, relacionar-se, escrever… Hábitos que podem ser bons ou ruins. Se nos acostumamos a sentar numa posição incorreta, com o tempo nossa coluna reclama. Parte disto vem da educação – de pais para filhos, de professores para alunos. Tanto que o cultivo dos maus hábitos tem nome: falta de educação. E parece que estamos vivendo tempos assim, de gente sem educação. Em quase tudo, mas especialmente nas palavras e nos gestos de um “muito obrigado”. Lembro-me, do tempo de criança, a correção dos meus pais “como se diz mesmo?” – advertindo quando nos esquecíamos de agradecer por um presente ou por um favor recebido.

– Obrigado mesmo, valeu, de todo o coração! Depois um abraço, um sorriso. São palavras e atitudes tão simples, tão importantes, mas que, de fato, estão em extinção – junto com alguns animais silvestres. Por que não se agradece? Por que tanta ingratidão ao Criador e ao próximo? Pode ser o orgulho, um sentimento que dificulta o reconhecimento da necessidade de um favor. Aliás, isto tem cara de ser o principal motivo da ingratidão tão característica na vida das pessoas nos dias atuais – a arrogância moderna. Podemos tudo, sabemos tudo, somos tudo… Uma presunção que está na alma de todos, mas hoje alimentada pela tecnologia que incha a nossa autoestima de forma tão soberba.

– Por que agradecer à maquina que eu controlo? Por que render graças ao Big Bang, à mãe natureza, às coisas que surgiram da evolução? Por que dizer obrigado ao mundo que está a minha disposição para me servir? Deus não existe, isto a ciência já provou. Então, por que ação de graças?

Estas ideias, evidentemente, não fazem parte de nossos valores. Mas, sem perceber, podemos seguir a onda. Foi o que fez a maioria daqueles leprosos, curados por Jesus. “Onde estão os outros nove?” (Lucas 17.17), perguntou o Salvador, admirado com aquele único que voltou para agradecer. Quem sabe alguns até queriam retornar para dizer “obrigado”, mas a insistência da turma foi forte e contagiou. Não é fácil permanecer na minoria, nos 10% de uma sociedade que nos empurra com toda a força para os encantos fugazes da vida. Não é fácil entrar na igreja e ver os bancos vazios, ou mesmo trazer toda a família aos cultos após uma semana cansativa e atarefada. O mundo, com seus entretenimentos, está aí com seu convite “venham a mim todos os que estão cansados e eu lhes darei folga”. Praia, serra, viagens, internet, televisão, um churrasquinho com os amigos – enfim, um montão de distrações bem mais aprazíveis do que um banco de igreja. Sem dúvida, não é fácil ficar entre os 10%.

O atual fenômeno hedonista – que gera ingratidão – em parte é explicado pelo argentino Sergio Sinay, no recente livro A sociedade que não quer crescer. A obra trata dos perigos de tentar viver eternamente adolescente: “Uma sociedade empenhada em permanecer adolescente vive no imediatismo […] na fuga das responsabilidades, na ilusão de ideais tão imprevistos como insustentáveis, na absurda luta contra as leis da realidade que obstruem seus desejos volúveis e ilusórios […] na busca do prazer imediato, ainda que se tenha que chegar a ele através de atalhos, na confusão intelectual, na criação e adoração de ídolos vaidosos colocados sobre pedestais sem alicerces”. O autor parafraseia Salomão que já tinha dito em Eclesiastes: “Tudo isto é ilusão, é como correr atrás do vento […]. Você ficará surdo, os seus cabelos ficarão brancos, e você perderá o gosto pelas coisas”.

Antes de ficar bem velho e esquecido, o pai de Salomão foi ao Templo e anunciou: “O Senhor Deus não nos deixa esquecer dos seus feitos maravilhosos” (Salmo 111.4). Em nossas cidades apinhadas de “santuários” do consumo e das distrações, deveríamos transformar tais palavras de Davi em oração: “Ó Senhor Deus, não nos deixes esquecer dos seus feitos maravilhosos”. É uma sábia prevenção para não cairmos no péssimo hábito da ingratidão.

*Texto publicado na edição de novembro de 2013.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Veja também

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Missão Feliz, RS, completa 8 anos

A missão iniciou em 2016, com seis pessoas e hoje, já são 29 pessoas ativas e alguns visitantes

Setenta anos, a Igreja em missão em Baixo Guandu, ES

Congregação Da Paz celebrou culto festivo no dia 14 de abril