Sou idoso, mas sou útil

Os
noticiosos trouxeram algumas informações chocantes sobre casos que aconteceram
com pessoas idosas. Uma senhora idosa foi morta em seu apartamento. Em outro
caso, idosa senhora, já limitada em suas ideias e movimentos, teve suas
finanças saqueadas por uma auxiliar que contratara. Também ouvi duma pessoa,
autorizada a declaração, que, quando pessoa idosa diz ou faz algo que possa
parecer ridículo, nunca devemos depreciá-la, porque sua posição de “pessoa
idosa” sempre deve ser vista como um posto de honra e de máximo respeito.

 

Você
e eu também já somos idosos. Já temos muitas falhas e fraquezas físicas.
Talvez, nossa memória também já esteja falhando. Será que ainda temos algum
valor? O que nossos queridos podem esperar de nós? – Aqui queremos apontar para
os ensinos do Deus Eterno, escritos no Salmo 92, que tem como título “Cântico
para o dia de sábado” ou para o “dia do descanso”. Nós, idosos, vivemos num
constante “dia de sábado”. Pois, além de temer e amar a Palavra de Deus que
meditamos, são bem poucas as tarefas que ainda conseguimos fazer. Contudo, é
certo que ainda podemos fazer tudo aquilo que o povo do Senhor faz no sábado.
Podemos “render graças ao Senhor, e cantar louvores ao teu nome, ó Altíssimo,
anunciar de manhã a tua misericórdia, e, durante a noite, a tua fidelidade” (v.1,2).
Por que render graças? “Pois me alegraste, Senhor, com os teus feitos,
exultarei nas obras das tuas mãos” (4). Maravilhados, exclamamos: “Quão
grandes, Senhor, são as tuas obras! Os teus pensamentos, que profundos!” (5).
Humildes, nos prostramos e agradecemos ao Senhor, que não nos deixou
aprisionados na estultice de quaisquer vaidosos pensamentos humanos, visto que
estes jamais conduzem a Deus, e jamais se cumprem, mas perecem, e arrastam
consigo aos que os seguem. Por isso, nós, cristãos – em especial, quando já
experimentamos muito as misericórdias do Senhor – nunca cobiçamos as posições
dos ímpios, quando, “como inimigos” se levantam contra nós (11). Eles não nos
vencerão, mesmo que nos assaltem e matem, pois é certo que perecerão (9ss). – O
Senhor nos chama “justos”, porque ele em Cristo nos despiu “os trapos da
imundície” da justiça humana, e nos revestiu com a “justiça de Cristo”, que ele
nos reforça em cada culto e ceia do Senhor e em cada leitura das Escrituras.
Revestidos de Cristo, estamos preparados e prontos para “as bodas do Cordeiro”,
em que o próprio Cristo nos servirá com as “eternas delícias” da
bem-aventurança celeste. Na idade terrena que o Senhor nos concedeu, pela força
de Cristo, “ainda florescemos” em nossa fé e ainda “damos frutos”, que são:
“Anunciar que o Senhor é reto” (15).

 

Caro(a)
irmão(ã) na fé. Os nossos queridos precisam deste nosso florescer vigoroso e
cheio de frescor na fé, que é “anunciar que o Senhor é reto”. Pois eles estão
sendo atacados constantemente por muitas ideologias humanas. Elas podem parecer
aprazíveis, mas não são “retas”, ou seja, não trazem em si “a régua” da Palavra
do Senhor. Nós, porque aprendemos a verdade do Senhor Deus, e que por meio dela
fomos conservados fiéis e felizes na fé no Deus de amor, tenhamos sempre os
ensinos do Senhor como base de nossas opiniões sobre os problemas da vida
moderna. É assim que, ainda quando velhos, “florescemos” e damos “frutos” para
a justiça. – Conceda-nos Deus ousadia – e também amor cristão – para sermos
testemunhas do Salvador Jesus, e que sintamos alegria nesta divina missão.
Amém.

Eugenio Dauernheimer 

Pastor Emérito

Canoas, RS

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Pastor é instalado em Sinop, MT

Mauro Scheibler irá atuar na Paróquia Emanuel

Veja também

Pastor é instalado em Sinop, MT

Mauro Scheibler irá atuar na Paróquia Emanuel

Você já reclamou de um presente dado por Deus?

“Quem vem aí?”, me perguntou uma senhora na saída do culto. Ao responder que era mais um menino, ela disse: “Ah, não!! Tinha que ser uma menina!” Quase sem acreditar no que ouvi, questionei: “Por quê? Não mesmo! Quando Deus envia o presente, a gente aceita com gratidão”.

Dores que fazem crescer

“Feliz é aquele que nas aflições continua fiel! Porque, depois de sair aprovado dessas aflições, receberá como prêmio a vida que Deus promete aos que o amam” (Tg 1.12).