Uma (surpreendente) ontologia do amor

Chegamos ao aspecto surpreendente da ontologia do
amor. Como já vimos, para o pensamento cristão, a existência do amor está
fundamentada na própria natureza de Deus. O que é absolutamente espantoso é que
a existência de um “Outro” em Deus pode ser considerada como condição para a
possibilidade da autoconsciência divina (um divino “Eu”). Pois se houvesse em
Deus mesmo uma identidade numérica sem diferenciação, então ele não poderia se
relacionar com nada diante da criação e com algo na escala de uma pessoa.

Mas, mais importante ainda: enquanto o amor é uma
relação entre pessoas que se conhecem como pessoas e se voltam uma para a
outra, Deus não poderia ser amor para as criaturas do mundo: Nur ein Du kann
geliebt werden, und ein Du kann nur für ein Ich existieren
(“Apenas um Tu
pode ser amado e um Tu pode existir apenas para um Eu” – Lewis). A Trindade é o
lado lógico do amor. Amor é algo que uma pessoa tem pela outra. Se Deus fosse
uma única pessoa, então ele não seria amor antes da criação do mundo” (LEWIS,
2005 p.61). Um único Deus – três pessoas distintas. Como, aliás, os cristãos
confessam no Credo Atanasiano:
[…] que
honremos um único Deus na Trindade e a Trindade na Unidade, não confundindo as
pessoas nem dividindo a substância divina. Pois uma é a pessoa do Pai, outra a
do Filho e outra a do Espírito Santo…”.

A fé cristã baseia-se num Deus trino, que, através
do relacionamento entre as três pessoas divinas, é um, o que constitui um
necessário pressuposto para que se possa pensar Deus como amor. Os cristãos
aprendem da doutrina da Santíssima Trindade que existe em Deus – que é amor –
algo análogo à sociedade, como registra o Gênesis:
Façamos o
homem…”. Não no sentido de que ele é o modelo platônico do amor, mas que nele
existe a concreta reciprocidade do amor com todas as criaturas. A criação é a
maior afirmação do amor de Deus, que, por graça, também chama a sua criatura
para amar. Ele não só “inventou” esse grandioso sentimento nas criaturas
humanas, como também lhes deu o desejo de satisfazer uma necessidade suprema:
de experimentar a vida como indestrutivelmente segura, vívida e ancorada em
busca de um lar. Por isso também o maior medo do amor é o pavor da rejeição; o
medo de não ter um lugar no universo, ainda que nunca consiga ocupá-lo; o medo
de não ser amado pelo outro, sobretudo, de não ser amado pelo “Totalmente Outro”
(o próprio Criador), o modelo para todo amor. Nenhuma outra necessidade humana
é maior do que a de encontrar afirmação, nutrição e ancoragem do próprio ser,
pois o amor envolve a fé de que o amado pode afirmar, alimentar e ancorar o seu
ser.

Só Deus satisfaz plenamente essa condição; somente ele
pode plenificar esse sentimento que nutrimos por pessoas ou coisas; pois o amor
busca, em última análise, enraizamento ontológico, e busca “sentir-se em casa”
no mundo. Amar é sentir-se em casa no mundo, pois é em face do grande amor de
Deus que a verdade das coisas reais recebe maior nitidez e claridade.

Frente a um
mundo que beira à orfandade de valores, o completo desarraigamento e o fim de
certezas fundamentais para a vida; no qual
… a maior
penúria não é a escassez material, mas a ausência “para nós” de Deus, que [para
muitos] pode até existir, mas in anderer Welt “em outro mundo” que não o
nosso” (
Hölderlin), estes
pensamentos se apresentam como um raio de luz que ilumina a estrada deserta
pela qual caminha o homem contemporâneo.

Para um ser
humano detentor do saber, mas sem unidade, cujas raízes estão separadas da
visão cristã, os valores não passam de trejeitos, lugar-comum ou simplesmente
nomes. Num mundo no qual o amor humano sofre da tentação de se tornar o novo
deus da contemporaneidade, o maior de todos os sentimentos humanos está
inclinado a não amar como Deus ordenou amar e a inverter a máxima joanina “Deus
é amor”. Dessa suprema tentação (do amor ao amor) todos os âmbitos da vida
precisam se libertar – também alguns âmbitos da educação. Daí a importância de
uma ontologia do amor que não esquiva a pessoa da Pessoa que transcende e que a
fundamenta nessa mesma transcendência.

Ao
amor, à verdadeira educação compete realizar esta teofania. Deus, que é fonte,
raiz e a própria essência do amor, que olhou para sua criação e para o homem e
viu que tudo era muito bom, espera que, mesmo tarde, estes valores fundamentais
da educação que nele radicam sejam ensinados, aprendidos e vividos. Como nesta
extraordinária confissão do grande Agostinho, “
Tarde te amei…”:

“Tarde Te amei, ó formosura tão antiga e tão nova,
tarde te amei! E eis que estavas dentro de mim e eu fora, e fora te buscava,
errante pelas coisas tão belas que fizeste. Estavas comigo, mas eu não contigo.
Distraíam-me de Ti as coisas que não têm ser senão em Ti. Chamaste e clamaste,
e rompeste a minha surdez; brilhaste, refulgiste e afugentaste minha cegueira;
exalaste Teu perfume e respirei e anseio por Ti; saboreei-Te e tenho fome e
sede; tocaste-me e abrasei-me na Tua paz. Nosso descanso, nosso lugar
(Requies nostra, locus noster).
O corpo, por seu peso, tende a seu lugar. O
peso não arrasta só para baixo, mas para o seu lugar: o fogo tende para cima; a
pedra, para baixo. O peso move, dirigindo a seu lugar. O óleo derramado na água
fica sobre ela; a água derramada no óleo se situa por baixo: cada um movido por
seu peso tende a seu lugar. O que está fora de lugar está inquieto; dirige-se a
seu lugar e aquieta-se… Meu peso, meu amor (Pondus meum, amor meus); aonde quer que eu vá, por ele sou
levado (Confissões X,27 e XIII,9).

Entendemos
que esta (surpreendente) ontologia do amor é o corolário da religação dos
saberes e estruturadora de todas as relações educativas e sociais.
Como o sol que
ilumina a terra, este amor – lux lucis (luz das luzes) e forma de todas
as virtudes – pode iluminar os rumos da educação dos homens, no presente e no
futuro!

N

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Ovelhas geram ovelhas. Pastores apascentam ovelhas

No evangelho de João 10.11,14, Jesus é o “Bom Pastor” que apascenta e gera, espiritualmente, as ovelhas que escutam sua voz e que o conhecem e são por ele conhecidas.

Veja também

Ovelhas geram ovelhas. Pastores apascentam ovelhas

No evangelho de João 10.11,14, Jesus é o “Bom Pastor” que apascenta e gera, espiritualmente, as ovelhas que escutam sua voz e que o conhecem e são por ele conhecidas.

Cheiro de salvação

O texto de 2 Coríntios 2.14 diz assim: “como um perfume que se espalha por todos os lugares, somos usados por Deus para que Cristo seja conhecido por todas as pessoas”.

Quem está nas trincheiras ao seu lado?

Quando a gente casa, traz uma bagagem para a vida a dois. Nesta bagagem, estão os valores aprendidos em casa, as experiências de relacionamentos anteriores, nossa profissão talvez, sonhos e desejos.