Tiago: (também) uma epístola de fé

A epístola de Tiago, o irmão do Senhor, tem sido, desde os primórdios da igreja cristã, uma das mais discutidas ou disputadas entre os estudiosos bíblicos. E não é para menos. Sendo uma epístola com tão fortes exortações à prática do bem e da vontade de Deus, por vezes, é entendida como indo na contramão do que escreveu o apóstolo Paulo quanto à salvação “independentemente das obras da lei” (Rm 3.28). Uma epístola que não fala de fé.

Nosso próprio patrono, Martinho Lutero, o qual pregava constantemente na igreja de Wittenberg, valeu-se da epístola, ao que parece, não mais do que cinco vezes como referência para o sermão. Ele a intitulou “epístola de palha”. Com isso, Lutero queria dizer que se trata de uma epístola boa e útil por trazer a lei de Deus – que é importante. Por outro lado, é uma epístola de pouco valor quando comparada com os demais escritos do Novo Testamento, uma vez que pouco fala acerca de Cristo. Como se faltassem os “grãos” dentro da “palha” – o que é ainda mais importante.

A maior dificuldade, em todo caso, parece girar em torno da questão a respeito da necessidade das boas obras ou boas ações ao lado da fé. Isso é tópico constante do início ao fim, embora mais enfatizado no capítulo 2, onde encontramos este clássico versículo: “Assim, também a fé, se não tiver obras, por si só está morta” (v.17).

Muitos cristãos entendem, com base nesse capítulo, que as boas obras devem necessariamente caminhar ao lado da fé como requisito para o alcance da salvação. Apegam-se, consequentemente, não só a Cristo, o Salvador, mas também a outras ordenanças. E terminam por depositar a certeza da sua salvação no fato de praticarem tais obras, cumprirem certas ordenanças ou absterem-se disso e daquilo. Em outras palavras: transformam a si mesmos em seus salvadores. Anula-se a fé, o arrependimento e, consequentemente, a obra salvadora de Cristo.

O apóstolo Tiago não está ensinando doutrina diferente dos demais livros neotestamentários. Para confirmar isso, basta perceber que não é o único a pedir por boas obras, vida santificada, discipulado. Olhando para os ensinamentos de Jesus, veremos que também ele muito abordou sobre a prática do bem, do amor e da vontade de Deus. A primeira epístola de João também é muito profunda ao defender que quem é filho de Deus faz a vontade de Deus, ama o próximo e cumpre os mandamentos. Pedro não deixa por menos, trazendo duas epístolas que falam não apenas da obra de Jesus, mas ainda de vocação cristã. Finalmente, o mesmo Paulo que defendeu tão bem a salvação pela graça de Deus, no mínimo conclui suas epístolas com admoestações práticas do exercício da fé.

Ao que parece, a dificuldade do texto é gerada pela maneira como Tiago escreve, podendo dar a entender coisa diferente. Pode ser que uma das razões para a confusão advenha do termo “obras”. A Bíblia na Nova Tradução na Linguagem de Hoje (NTLH) preferiu “ações”. Em todo caso, a dificuldade pode permanecer. Logo, temos diante de nós mais do que um texto a ser compreendido, senão que um desafio a ser encarado com seriedade, humildade e grande medida do Espírito Santo.

Antes de mais nada, um princípio básico de interpretação deve ser posto em prática: ler o texto dentro do texto. Isto é, não ler alguma parte em detrimento do todo. Não obstante a fé fique um tanto camuflada na epístola por suas tantas considerações e exemplos práticos, ela está lá desde o início (1.3; 1.6; 1.8) e vai percorrendo toda a epístola (2.1; 2.5; 2.14; 4.4; 5.15).

Assim, se a epístola fosse um quadro, a fé seria a moldura que segura o quadro todo. Não podemos (ou, pelo menos, não deveríamos) observar os diferentes assuntos de um livro sem levar em consideração o quadro como um todo. Por exemplo: se excluíssemos o capítulo 2 do livro de Tiago, sem dúvida teríamos uma leitura completamente diferente da epístola.

Em segundo lugar, outro princípio é igualmente importante aqui: A analogia da fé. Se o primeiro princípio é ler cada capítulo como parte de um livro, analogia da fé não é outra coisa senão ler um livro como parte de um conjunto maior. Neste caso, a Bíblia ou, no mínimo, o Novo Testamento. A importância disso se dá por nos impedir de aceitar uma compreensão de determinado texto, caso este entre em choque com o ensino dos outros livros bíblicos, ainda que aquela possibilidade tenha nos vindo à mente durante a leitura.

Assim sendo, ao lermos que a fé sem obras é morta, não aceitaremos como correta interpretação que as boas obras são necessárias como garantia de salvação, ainda que tal possibilidade tenha passado pela nossa cabeça, pois não é isso que sustenta o Novo Testamento como um todo. Talvez levantar algumas perguntas possa auxiliar, tal como: O que sabemos sobre as boas obras? Bem, sabemos que as obras da vida cristã seguem imediatamente à fé. Elas sempre estão ali. É a fé que justifica o pecador, mesmo assim não está sozinha. Ou seja, desde que alguém creia, Deus realizará através dessa pessoa as obras que ele tem preparado para que nelas se andasse (Ef 2.10). Finalmente, esse ensino que é dado em todo o Novo Testamento nos permite “trocar os óculos” para uma melhor leitura de Tiago 2, bem como de toda a epístola.

Baseados nesses princípios, ao lermos que a fé sem obras é morta, não entenderemos que precisamos passar a praticar mais boas obras para termos uma fé viva, e sim que uma fé cuja vida não reflete naturalmente o “buscar em primeiro lugar o reino de Deus” é uma fé morta, isto é, uma fé inexistente ou falsa, que no máximo diz “Deus existe”, pois a verdadeira fé concedida pelo Espírito Santo é sempre viva e, como já dizia Lutero, esta fé não pergunta pelas obras a realizar, pois antes que pergunte se já as realizou.

Ninguém pratica boas obras para dar vida a uma fé morta. Nós não temos esse poder. Só pode dar vida aquele que possui a vida. Só o Espírito de Deus pode dar a fé viva. Essa fé nos levará a andar (não por coerção ou em busca de salvação) nas obras que Deus tem preparado para que andemos nelas, e nessas obras que Deus prepara (não nós!) ele exercita a fé que nos deu, mantendo-nos próximos do Caminho que leva ao céu.

Vale lembrar que os primeiros leitores de Tiago, provavelmente eram cristãos que passaram a negligenciar a prática da fé, como se tivessem recebido a fé tão somente para aguardar o dia do juízo e serem salvos. Esse público deve nos ajudar a entender tanto o conteúdo quanto o tom do autor da epístola. Portanto, vale lembrar que se um cristão olhar com sinceridade para sua vida e perceber carência de boas obras, nas mais diferentes esferas, cabe a ele que se coloque com toda a humildade e rogo diante de Deus e peça que lhe sustente a fé e lhe permita uma vida mais ativa na prática da fé. (Acredito que todos nós acabaríamos fazendo isso!)

Em suma, as obras não são nossas, mas preparadas por Deus. Ele quer, sim, que andemos nelas. E o que Tiago faz não é diferente do que fazem os outros autores bíblicos, em especial das epístolas: Nos ensinam a viver a fé. Nos ensinam a sermos mais que ouvintes ou leitores, senão também praticantes da viva Palavra de Deus.

Como ouvi de um pastor num congresso: A premissa para ler Tiago não é “se vocês querem ser cristãos, então…” (façam isso e mais isso), e sim, “já que vocês são cristãos, então façam isso e mais isso como resultado da fé que receberam”. É a Palavra de Deus nos convidando a seguirmos firmes em nossa caminhada, sem perder o foco que é refletir Cristo e sua Palavra, até que possamos ouvir do querido Pai: servo bom e fiel, agora já podes descansar.

Edenilson Gass

Teólogo

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Novos membros são recebidos em Nova Petrópolis, RS

Culto da Santíssima Trindade teve batismo e recepção de novos membros na Congregação São Marcos

Veja também

Novos membros são recebidos em Nova Petrópolis, RS

Culto da Santíssima Trindade teve batismo e recepção de novos membros na Congregação São Marcos

Enchente no RS provoca mudanças no Simpósio de Missão

Programação do Seminário Concórdia será reduzida e online. Inscrições podem ser feitas até o dia 21 de junho

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase