7ª edição do Culto Cantate em Campo Mourão, PR

Projeto que iniciou há cinco anos com aulas de música para o público em geral tornou-se referência na cidade e no Distrito Paraná Norte

Pastor Mateus Leonardo Lange
Paróquia Cristo Redentor, Peabiru, PR
Maestro dos cultos Cantate na Congregação Manancial, Campo Mourão, PR


Quando chegamos em Campo Mourão, PR, no final de 2017, logo notamos a dificuldade de a igreja ser conhecida na cidade. Se você perguntasse a um estranho onde ficava a Igreja Luterana, ele logo apontava para a IECLB ou para a Luterana Livre. Diante disso, iniciamos um trabalho com aulas de música para os membros, mas também aberto ao público em geral. Os Cantate aqui, então, nasceram da necessidade de colocar esses alunos para tocar. A ideia foi inspirada nos Cantate do Seminário Concórdia, dirigidos pelo maestro Raul Blum.

Um pouco da história da congregação manancial

Inicialmente, um ponto de missão na casa da família Ambrózio, Campo Mourão era atendida pela Congregação Trindade de Peabiru. Mais tarde, conseguiram um terreno próximo à perimetral, e receberam a doação de uma casa pré-moldada, a qual foi transformada em igreja. Fundada no dia 29 de junho de 1981, teve o seu nome, “Manancial”, inspirada no texto bíblico de João 7:38: “Quem crê em mim, como diz a Escritura, rios de água viva correrão do seu ventre”.

Durante anos, discutiu-se a mudança de endereço, que foi consolidada na década dos anos 2000. Já com a vinda do pastor Adolfo Griep, iniciou-se a construção do novo templo, inaugurado no dia 15 de dezembro de 2013. Nesse momento, a Paróquia já contava com dois pastores. Inicialmente, o pastor Adolfo morava numa casa alugada em Campo Mourão, permitindo que o segundo pastor residisse em Peabiru. No dia 30 de outubro de 2016 foi inaugurada a nova casa pastoral de Campo Mourão. Hoje, a Paróquia Cristo Redentor, de Peabiru, conta com cinco congregações (Fênix, Engenheiro Beltrão, Peabiru, Campo Mourão, Mamborê). Também há um ponto de missão na cidade de Cianorte. Atualmente, a Paróquia é atendida pelos pastores Lucimar Velmer e Mateus Leonardo Lange.

Crônicas dos Cantates na cidade

O primeiro Culto Cantate na Congregação de Campo Mourão (pioneiro em nosso Distrito Paraná Norte) aconteceu no dia 02/09/2018 e contou com a participação de seis novos músicos da Congregação e três de fora, oriundos das aulas de música. Com o passar dos anos, foram se somando aos Cantate mais alunos de fora, os quais traziam seus familiares e amigos, que, consequentemente, passavam a conhecer a nossa Igreja Luterana.

A segunda edição do Cantate em Campo Mourão, curiosamente, foi responsável pela união de um casal da Congregação. Ambos eram tão somente amigos, porém, não se viam há muito tempo. Naquele culto, entretanto, algo mudaria a trajetória de suas vidas para sempre. Ele estava tocando um instrumento chamado cajón. Ela estava assistindo em meio à multidão e se encantando com ele. Hoje, estão casados, e tudo graças à segunda edição do Culto Cantate (02/12/2018).

A partir da terceira edição (02/06/2019), músicos e coralistas do nosso Distrito Paraná Norte começaram a participar conosco. Até então, fazíamos duas edições no ano. A de dezembro era chamada de “Culto Cantate de Advento”.

O trabalho crescia e se consolidava cada vez mais, porém, com a pandemia, em 2020, tudo teve que parar. Retornamos praticamente dois anos após (12/12/2021), de forma bem tímida. A partir daí, passamos a realizar apenas um Cantate por ano, sempre contando com os pastores do Distrito para a condução dos cultos.

Em sua sétima edição aqui (no dia 25/06/2023), contamos com a participação dos pastores Lucimar Velmer e Eliseu Teichmann na liturgia e com o pastor Sérgio Neivert como pregador. Além disso, tivemos a participação de 62 pessoas, distribuídas entre músicos e coralistas da Paróquia e do Distrito. Não apenas luteranos, mas também coralistas e músicos da Igreja Adventista de Campo Mourão e de outras denominações. Alguns, inclusive, sem igreja, mas que foram envolvidos e acolhidos por Deus por meio daquele culto.

Estima-se que o público tenha alcançado em torno de 180 pessoas, entre congregados e visitantes. Também nos honraram com sua presença o pastor Edgar Züge e o pastor da IECLB de Campo Mourão, Romildo Ramlow. Após o culto, todos foram recepcionados no salão com uma maravilhosa macarronada.

Desde o início do projeto de música em Campo Mourão, centenas de alunos tiveram a oportunidade de tocar nos cultos e, assim, conhecerem a nossa congregação luterana Manancial. Sabemos que os desafios da igreja são imensos, porém a música é, sem dúvida alguma, uma ótima e maravilhosa estratégia missionária. De lá para cá, foram 42 anos de história da Igreja Luterana de Campo Mourão, a Manancial, cujos rios de água viva correram e certamente continuarão fluindo por meio da pregação da Palavra de Deus!

Louvamos, portanto, ao nosso Deus por mais este Cantate em nosso Distrito Paraná Norte, onde celebramos também, os 119 anos de nossa IELB e os 42 de fundação da nossa Congregação Manancial de Campo Mourão. Um momento de comunhão com os irmãos e de muito louvor ao Senhor. Sabemos que, por mais lindo que seja, jamais chegará aos pés daquele maravilhoso Cantate do coro celeste de anjos nas campinas de Belém aos humildes pastores. Porém, que privilégio Deus nos concede, pois cada hino cantado em nossos cultos é um ensaio em preparação ao maravilhoso Cantate que nos aguarda na igreja triunfante! SOLI DEO GLORIA (A Deus seja a Glória)

Edição – Data – Pastor pregador:

1° Cantate – 02/09/2018 – Lucimar Velmer

2° Cantate – 02/12/2018 – Lucimar Velmer

3° Cantate – 02/06/2019 – Edson Tressmann

4° Cantate – 01/12/2019 – Danilo Maia Eberhardt

5° Cantate – 12/12/2021 – Giovane Tiedt

6° Cantate – 17/07/2022 – Eliseu Teichmann

7° Cantate – 25/06/2023 – Sergio Neiverth

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

A parábola do semeador

A cultura digital afasta-nos da terra. Por mais evoluídos que sejamos, não podemos perder contato com a terra, a terra somos nós mesmos, pó é nossa origem e nosso destino. O período de uma vida transcorre de pó a pó

Veja também

A parábola do semeador

A cultura digital afasta-nos da terra. Por mais evoluídos que sejamos, não podemos perder contato com a terra, a terra somos nós mesmos, pó é nossa origem e nosso destino. O período de uma vida transcorre de pó a pó

A subjetividade contemporânea do rolar a tela do celular

O Tik Tok passa a predominar e compor o mundo intrapsíquico do ser humano. E tal composição atinge milhões de pessoas, como uma espécie de hipnose pandêmica.

A dolorosa volta para casa

Após 20 ou mais dias, vítimas da enchente no RS começam a retornar aos seus lares para limpeza e reconstrução