A esperança na vacina

As esperanças estão todas concentradas na descoberta imediata de uma vacina contra a covid-19. A maioria dos cientistas, no entanto, é cautelosa e projeta a boa notícia apenas para o ano que vem, apesar de alguns laboratórios oferecerem expectativas ainda para 2020. Interessante a origem da palavra “vacina”. Vem do latim vaccinus, e significa “da vaca”. O nome tem relação com a descoberta do médico inglês Edward Jenner, inventor da vacina contra a varíola no ano de 1796. Ele percebeu que pessoas que ordenhavam vacas não contraíam a doença, pois já haviam adquirido a varíola bovina. O médico, então, extraiu o material de uma mulher contaminada e injetou num menino, que manifestou a doença de forma leve e passageira. Em 1881, para homenagear o médico inglês, o cientista francês Louis Pasteur propôs que o termo vaccinus fosse usado para definir as novas descobertas científicas que oferecem imunidade contra doenças infecciosas.

Desde lá, existem vacinas para controlar vários tipos de infecção, como a gripe, varicela, varíola, poliomielite, sarampo, tétano e tantas outras. A fé cristã entende que a ciência humana é instrumento do Criador, e por isso louvamos a Deus por estes “milagres” que nos oferecem uma vida terrena com mais qualidade e duração – bem diferente de como era no passado. A história secular e a própria Bíblia registram terríveis epidemias, sofrimento que hoje não precisamos passar graças à vacina e à medicina moderna – ou melhor, graças ao amor de Deus.

Se o assunto é a bondade do Deus Criador e Mantenedor, é significativo comparar a ação e os efeitos de uma vacina com a ação e os efeitos da cruz de Cristo em nossa vida espiritual. A vacina contém um agente que se assemelha ao microrganismo causador da doença, e geralmente é fabricada através das próprias toxinas do vírus ou bactéria. Agora, por exemplo, a vacina mais promissora contra esta pandemia vem da Universidade de Oxford, Inglaterra. Ela é fabricada com um vírus que carrega material genético do Sars-CoV-2, nome científico do coronavírus. Este material, depois de injetado nas pessoas, irá instigar as células do corpo humano a produzirem as “espículas”. O imunologista Jorge Kalil, da Universidade de São Paulo, explica que estas espículas são espécies de “espinhos” que o novo coronavírus possui em sua superfície, e vão estimular o sistema imunológico a produzir anticorpos. “Ou seja”, explica Kalil, “ao ter anticorpos contra a espícula logo de cara, seu sistema de defesa barraria a entrada do novo coronavírus nas células. Com isso, ele não causa estragos, tampouco consegue se replicar”. Esta vacina está nos últimos estágios de testes e poderá ser a salvação da humanidade contra a atual pandemia.

Sem dúvida, é fantástica a medicina moderna, mas nada pode ser comparado com a “vacina da cruz”. Sua “fabricação” segue por um processo semelhante. Isso porque a toxina mortal do pecado, que atingiu toda a raça humana, foi injetada no Filho de Deus. “E você picará o calcanhar da descendência dela”, disse Deus a Satanás logo após o surgimento da pandemia espiritual, referindo-se aquilo de que testificou o profeta: “Era o nosso sofrimento que ele [Jesus] estava carregando” (Is 53.4). O resultado é a boa notícia proferida por Deus: “Ele fará com que o meu plano dê certo” (Is 53.10). Agora, mesmo contaminados pelo pecado, podemos ficar tranquilos, pois estamos “vacinados”. Isso aconteceu quando fomos batizados para ficarmos unidos com Cristo e assim nos revestimos com as qualidades do próprio Cristo (Gl 3.27).

No final, se nossas esperanças estão todas concentradas na descoberta da vacina contra a covid-19, é bom nunca esquecer que “o salário do pecado é a morte”. E acreditar no que diz o final do texto bíblico: “Mas o presente gratuito de Deus é a vida eterna, que temos em união com Cristo Jesus, o nosso Senhor” (Rm 6.23).

Artigo anterior
Próximo artigo

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Ovelhas geram ovelhas. Pastores apascentam ovelhas

No evangelho de João 10.11,14, Jesus é o “Bom Pastor” que apascenta e gera, espiritualmente, as ovelhas que escutam sua voz e que o conhecem e são por ele conhecidas.

Veja também

Ovelhas geram ovelhas. Pastores apascentam ovelhas

No evangelho de João 10.11,14, Jesus é o “Bom Pastor” que apascenta e gera, espiritualmente, as ovelhas que escutam sua voz e que o conhecem e são por ele conhecidas.

Cheiro de salvação

O texto de 2 Coríntios 2.14 diz assim: “como um perfume que se espalha por todos os lugares, somos usados por Deus para que Cristo seja conhecido por todas as pessoas”.

Quem está nas trincheiras ao seu lado?

Quando a gente casa, traz uma bagagem para a vida a dois. Nesta bagagem, estão os valores aprendidos em casa, as experiências de relacionamentos anteriores, nossa profissão talvez, sonhos e desejos.