A justificação pela fé nos hinos do Hinário Luterano

Eu gosto de ouvir música, especialmente música cristã. Sinceramente, sinto falta de alguns temas nas músicas que tenho ouvido recentemente, entre eles, a justificação pela fé.

Gosto do nosso hinário, dos hinos, das liturgias que ele traz e, ao olhar para ele, percebi algo bem interessante: temos 15 hinos especificamente sobre esta temática. Isso eu já sabia. No entanto, o que me chamou muito a atenção é que esses hinos vêm depois dos hinos que tratam do ano da Igreja (Advento, Natal, Quaresma, Páscoa, Ascensão, Pentecostes, Trindade, Reforma) e, entre outros, precedem os hinos sobre a Justificação pela fé aqueles que tratam dos Meios da graça (Palavra, Batismo, Santa Ceia) e aqueles que tratam da Cristologia: apresentam-nos Jesus, o nosso Redentor.

É claro que os hinos de Quaresma e de Páscoa também o fazem; os de Trindade, também; mas aqueles hinos retratam o objeto da nossa fé: Jesus e a sua obra da Redenção.

Outra coisa interessante no nosso hinário é que os hinos de Justificação pela fé vêm logo após os hinos de Arrependimento e Confissão, que retratam a nossa condição pecaminosa, a consequência e os desdobramentos do pecado e a bondade perdoadora de Deus em Cristo.

Não quero com isso estabelecer uma teologia da ordem dos hinos no hinário; apenas dizer o quanto o nosso hinário é rico em retratar em hinos as principais verdades de Deus, registradas nas Escrituras Sagradas, especialmente a doutrina da justificação pela fé, ou seja, como Deus nos aceita por graça, pela fé em Cristo somente.

Melanchton e Lutero consideravam esse artigo “veríssimo, certíssimo e de máxima necessidade para os cristãos”, pois trata da obra de Cristo, onde as pessoas recebem consolo certo e firme, pois trata de como Deus nos aceita e perdoa nossos pecados.

Se nós concordamos que lex orandi, lex credendi, ou seja, a maneira como a pessoa ora, diz o que ela crê, os hinos 365 a 379 nos propõem um tratado maravilhoso sobre esta que é a principal doutrina das Escrituras Sagradas – a justificação pela fé – e, quando nós cantamos hinos com esse teor, estamos expressando de maneira muito clara e vibrante a fé que o Espírito Santo implantou em nosso coração desde o batismo e que tem nutrido pela Palavra e Santa Ceia.

É precisamente disso que fala o hino 365, quando lembra o episódio do pedido do centurião para que Jesus fosse à sua casa curar seu servo (Mt 8.5-13). Ele confiou na palavra de Jesus. Por isso o autor sacro diz: “Dá-me a fé do centurião na Palavra que nos cura do pecado e maldição, sofrimento e desventura. Minha fé vem sustentar e aumentar” (Hinário Luterano, 365, estrofe 3). Essa fé está firmada no “Eterno Fundamento”, que é Cristo (HL 366, estrofe 1). Essa fé em Cristo Jesus não é infrutífera; produz bons frutos, conforme o autor do hino 367 expressa: “Senhor, oh! queiras me ajudar que a fé se fortaleça: bons frutos venha sempre dar e em obras resplandeça; que seja ativa pelo amor, paciente, alegre, com fervor, aos outros favoreça” (estrofe 5).

A doutrina da justificação pela fé nos consola, dizendo que Deus nos aceita como estamos. Não precisamos nos esforçar para mudar algo em nós para, então, Deus nos ser agradável. O convite maravilhoso de Jesus, retratado em Mateus 11.28, é cantado na primeira estrofe do hino 368, quando o poeta diz: “Ó meu Redentor bendito, minha eterna salvação, venho a ti, cansado e aflito, suplicar o teu perdão”.

No que diz respeito à salvação eterna, não existe fé forte ou fraca; existe a fé em Jesus Cristo e em como ele nos salva por pura graça, pelo seu sacrifício, morte e ressurreição. Por isso o autor do hino 369 diz: “Quando eu fraco me sentir, quando o mundo me oprimir e pesar a minha cruz: Crê somente – diz Jesus”. O mesmo assunto é retratado no hino 370, que fala da tristeza de coração, produzida pelos nossos pecados e, por outro lado, nos consola, ao dizer: “Teu pesar em alegria veio Cristo transformar” (Hl 370, estrofe 4). Essa certeza é segura porque não está dentro de nós; vem de fora – vem de Deus, em Cristo Jesus. Por isso o hino 371 canta: “Por graça deverei ser salvo, por isso não vou duvidar… Por graça! Nota bem: Por graça!”, e conclui, dizendo: “Eu creio o que me diz Jesus: A graça à vida te conduz”.

O apóstolo Paulo teve especial apreço pelo assunto da justificação pela fé. Em Romanos 8.1 ele diz: “Não há nenhuma condenação para os que estão em Cristo Jesus”. É uma palavra firme, que não deixa nenhuma dúvida a respeito da reconciliação com o Pai e da vida eterna nos céus. O autor do hino 372 retrata esta verdade com singular maestria, ao dizer: “Por Deus justificados, quem nos condenará?”. Ele continua, dizendo: “Celeste paz inunda o nosso coração. Certeza mais profunda da eterna salvação”.

Esta verdade é cantada no hino 373, ao dizer que esta salvação eterna é, e não está baseada na lei e nas obras, mas no cumprimento perfeito da lei realizada pelo nosso Salvador Jesus Cristo. Ele diz: “Agora temos salvação por graça e por bondade… aprenda, pois, quem é cristão, que a Lei já foi cumprida, pois Cristo fez a salvação por Deus tão exigida… Agora sei: A Lei me traz noção do meu pecado; mas o Evangelho dá-me paz, estando atribulado, e diz: Ó pecador, na cruz encontrarás sossego e luz, pois foste resgatado”.

A justificação pela fé é o ato forense de Deus – é a declaração judicial de Deus de que somos aceitos por ele, pela fé em Jesus Cristo. Por isso o autor do hino 374 canta: “Cobriu-me de justiça, de suma perfeição… Delícias mui queridas, contigo, ó Salvador, a desfrutar convidas por teu divino amor”.

Esse amor de Deus por nós, por todas as pessoas, é cantado de modo maravilhoso no hino 375: Ao mundo Deus assim amou, traduzindo numa belíssima poesia a porção mais conhecida da Bíblia; “porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu filho Unigênito para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3.16). Nada mais consolador do que saber-se amado por Deus!

Por isso cantamos com júbilo o hino 376, “Vós crentes, todos, exultai!”, e o autor do hino 377 nos convida a repousar na segurança de saber que estamos “no verdadeiro, Jesus Cristo” (1Jo 5). Ele canta: “Bem sei em quem eu creio”. O autor do hino 379 diz que “só tem paz o coração que tem certeza disso!”. Humilde, o autor do hino 379 confessa: “Desta graça, ó Cristo amado, sou contínuo devedor. Fui de todo penhorado pelo teu divino amor”.

Uma olhada rápida nos hinos de Fé e Justificação do nosso hinário produz em nós alguns efeitos práticos:

– reforça em nós a confiança na verdade de que somos aceitos por Deus, pela fé em Cristo Jesus, por pura graça;

– retira do nosso coração toda a incerteza e dúvida, e nos dá a garantia de que, a qualquer tempo, Deus está, em Cristo, de braços abertos para nos receber, acolher e perdoar;

– enche o nosso coração de alegria, a despeito da nossa intensa luta contra o diabo, o mundo e a nossa própria carne. A despeito das tristezas que podemos colher nesse embate renhido, nossa segurança repousa no que Cristo fez por nós;

– qualifica-nos a viver uma vida cristã cheia de frutos. Lutero disse que o cristão não procura as boas obras que deve fazer, mas que as faz naturalmente. Somente quem tem seu coração tomado pela suprema paz que lhe é alcançada pela justiça da fé, tem a condição adequada para servir a Deus de vontade alegre e livre;

– Faz transbordar em nós a esperança da vida eterna. A ressurreição dos mortos e a certeza da vida eterna nos céus são temas muito ausentes das músicas cristãs em nosso tempo e são verdades seguras que a doutrina da justificação pela fé, registrada nas Escrituras Sagradas e cantada nos hinos do nosso hinário, nos fazem crer, viver e esperar, em Cristo Jesus.

Quero concluir, incentivando o leitor a conhecer e a cantar os hinos do nosso Hinário Luterano em geral, e os hinos sob o tema da Justificação pela fé, em particular. Este ano iremos celebrar os 100 anos do nosso Hinário Luterano. As palavras do hino 374 são especiais demais para mim. Despeço-me com elas: “Em meu Jesus confio, porquanto me remiu; por sua luz me guio: as trevas destruiu. Seu sangue tão precioso de todo me lavou. Meu salvador gracioso a vida me legou”.

Pastor Silvio Ferreira da Silva Filho

Congregação Castelo Forte, Canoas, RS

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Convite à igreja

Assista ao vídeo da presidente da JELB, Dagmara Abigail Figur, e do presidente da IELB, pastor Geraldo Schüler, convidando toda a...

Veja também

Convite à igreja

Assista ao vídeo da presidente da JELB, Dagmara Abigail...

Jó, em meio a desastres naturais

Uma reflexão sobre sofrimento, esperança e superação dos maus conselhos em tempos de sofrimento!

Fé e imigração

Em termos de igreja – IELB, os primeiros missionários vieram dos Estados Unidos, em 1900, para atender primeiramente os imigrantes alemães.