Cautela com as telas

O neurocientista francês Michel Desmurget fez um alerta para a sociedade. Ele fala sobre os malefícios que o uso indevido de telas pode causar no desenvolvimento de crianças e jovens. Prova disto é que, pela primeira vez em um teste que é realizado há anos, esta nova geração tem um QI (quociente de inteligência) inferior à geração dos seus pais.

Não que as telas precisam ser sacrificadas. Não é este o ponto. A questão é um uso descontrolado, excessivo, sem orientação. Ainda de acordo com o neurocientista francês, o uso indevido das telas têm afetado o desenvolvimento emocional, intelectual e físico, além de trazer transtornos em relação ao sono, concentração e criatividade. É preciso saber usar as telas sim, mas com cautela.

Ah, bendito dilema para nós, pais. Ao mesmo tempo em que as telas podem ser uma grande bênção, como aproximar quem está distante e ser uma ferramenta para aprendizado e até mesmo para crescer na fé, as telas também podem ser um grande perigo. Não me sai da mente a frase que ouvi em uma palestra da renomada advogada Patrícia Peck, especialista em direito digital: “enganam-se os pais que acham que seus filhos estão seguros dentro de um quarto e conectados à internet. É como se os deixássemos sozinhos no centro de uma grande cidade, expostos aos mais diferentes riscos”.

Pais das gerações conectadas, uno-me a vocês para ouvir do Senhor: “Pais, vocês devem criá-los com a disciplina e os ensinamentos cristãos” (Efésios 6.4). Necessitamos ter mil olhos sobre o que nossos filhos consomem no mundo virtual, com influenciadores digitais, jogos e youtubers. A fé cristã pode ser corroída lentamente enquanto achamos que nossos filhos estão seguros dentro de nossas casas. Também no mundo virtual o “Diabo anda por aí, como um leão que ruge, procurando alguém para devorar” (1 Pedro 5.8).

A fé em Jesus como o Salvador é o princípio da tão necessária sabedoria para uma boa gestão com as tecnologias. Ele carregou em sua cruz todas as culpas. Culpas dos pais, que trocam sua presença por uma tela. Culpa dos filhos, que fecham seus ouvidos para os pais, mas abrem o coração para conteúdos, no mínimo, duvidosos. Em Jesus há perdão ao arrependido. E sabedoria para um uso saudável das telas. É possível recomeçar.

Então fica a dica: lembremo-nos do alerta do neurocientista francês, Michel Desmurget. Uso abusivo das telas atrofia o desenvolvimento de nossos filhos. E, sem filtros ou controle, também pode ruir lentamente a fé cristã gerada no Batismo.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase

Veja também

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase

Livres para servir: o papel da religião na promoção do bem comum

A realização dos ideais religiosos depende da preservação da liberdade religiosa – o direito fundamental de praticar, expressar e manifestar suas crenças sem discriminação ou perseguição. Defender a liberdade religiosa não é apenas uma obrigação legal, mas um imperativo moral que garante o florescimento de diversas comunidades religiosas e promove um ambiente propício ao diálogo e à cooperação

A parábola do semeador

A cultura digital afasta-nos da terra. Por mais evoluídos que sejamos, não podemos perder contato com a terra, a terra somos nós mesmos, pó é nossa origem e nosso destino. O período de uma vida transcorre de pó a pó