É preciso sentir medo

Na situação de pandemia em que nos encontramos, ouve-se que não deve ter medo, porque medo é falta de fé. Discordo desta frase, porque o medo é necessário. O que não devo ter é pânico. Vamos esclarecer a questão.

O medo é um alerta que Deus colocou na mente das pessoas. Esse alerta é necessário. Se eu atravessar uma rua e não tiver medo, não vou cuidar ao atravessá-la. Por causa dessa falta de cuidado, posso ser atropelado e morrer. O medo me alerta para o perigo.

O medo que é preciso ter do coronavírus deve apenas servir para alertar o perigo que ele pode oferecer tanto para mim como para as outras pessoas, e ver o que posso fazer para evitar que ele atinja a mim e aos outros. O medo de atravessar a rua deve apenas fazer que eu preste atenção e veja se posso atravessar sem ser atropelado por um carro. Assim, meu medo da doença causada pelo vírus deve apenas servir para tomar os cuidados para não contrair, nem espalhar a doença.

Vejo duas atitudes erradas. Daqueles que subestimam o perigo e se expõem desnecessariamente e ainda colocam em risco a vida das outras pessoas. Precisamos tomar cuidado, sim, e cuidar da nossa saúde e da do próximo também.

Por outro lado, não devo ficar desesperado. Não é primeira pandemia que atinge a humanidade, e todas elas passaram. Elas existem há muito tempo. No tempo de Lutero existia a peste negra. Lutero afirmou que iria orar pedindo que Deus tivesse misericórdia dele e das outras pessoas. Etambém que iria ajudar os enfermos fazendo vapor e administrando remédio para eles. Evitaria frequentar lugares em que pudesse contaminar outras pessoas pela sua irresponsabilidade. Se ele morresse, seria pela vontade de Deus. Caso a necessidade do próximo exigisse que ele se expusesse a risco, somente então o faria, na certeza que era a vontade de Deus, e que isso não significaria tentar a Deus, como seria se ele se expusesse ao perigo desnecessariamente alegando ter fé em Deus. Essas recomendações de Lutero, dadas há 500 anos, servem para os dias de hoje.

Por isso é preciso fazer o que está ao nosso alcance e resto colocar nas mãos de Deus. Lembrar e nos consolar com as palavras do apóstolo Paulo escrita aos Romanos:

Aquele que não poupou o seu próprio Filho, mas por todos nós o entregou, será que não nos dará graciosamente com ele todas as coisas? Quem intentará acusação contra os eleitos de Deus? É Deus quem os justifica. Quem os condenará? É Cristo Jesus quem morreu, ou melhor, quem ressuscitou, o qual está à direita de Deus e também intercede por nós. Quem nos separará do amor de Cristo? Será a tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome […]

Poderíamos a acrescentar COVID 19(coronavírus).

Porque:

Em todas estas coisas, porém, somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou. Porque eu estou bem certo de que nem a morte, nem a vida […] nem qualquer outra criatura poderá nos separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor. (Rm 8.33-39)

Enfrentemos esta pandemia nessa certeza.

Elmer Teodoro Jagnow

Forquetinha, RS

Artigo anterior
Próximo artigo

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Ovelhas geram ovelhas. Pastores apascentam ovelhas

No evangelho de João 10.11,14, Jesus é o “Bom Pastor” que apascenta e gera, espiritualmente, as ovelhas que escutam sua voz e que o conhecem e são por ele conhecidas.

Veja também

Ovelhas geram ovelhas. Pastores apascentam ovelhas

No evangelho de João 10.11,14, Jesus é o “Bom Pastor” que apascenta e gera, espiritualmente, as ovelhas que escutam sua voz e que o conhecem e são por ele conhecidas.

Cheiro de salvação

O texto de 2 Coríntios 2.14 diz assim: “como um perfume que se espalha por todos os lugares, somos usados por Deus para que Cristo seja conhecido por todas as pessoas”.

Quem está nas trincheiras ao seu lado?

Quando a gente casa, traz uma bagagem para a vida a dois. Nesta bagagem, estão os valores aprendidos em casa, as experiências de relacionamentos anteriores, nossa profissão talvez, sonhos e desejos.