Educar para o amor: voz média




Na edição de abril do Mensageiro Luterano,
p.11, apresentei o conceito linguístico-filosófico da “voz média”. Aqui retomo
o tema, com base no artigo que publiquei em coautoria com Jean Lauand: “
Josef Pieper e C. S. Lewis: metodologia, linguagem e amor” (Convenit
Internacional,
n.12, Cemoroc Feusp, 2013).

A voz média, no grego e no latim, expressa ações que,
sendo minhas, não são minhas, mas fortemente dependentes da interação com o outro
(e o Outro: Deus) e a criação; o que nos faz abdicar da “arrogância do
protagonismo”, como no maravilhoso verso de “Timoneiro”, de Paulinho da Viola:
“Não sou eu quem me navega, quem me navega é o mar…”.

Admirar-se, apaixonar-se, esquecer-se, são exemplos
dessas ações, que nossa forma reflexiva não chega a expressar com a força da
voz média do grego ou do latim.

Quando pensamos em educar para o amor, temos
que ter em conta que educar e amar não são totalmente ativos: educação, de educere,
“eduzir” (conduzir para fora), afinal, não é colocar algo em um sujeito nem
abandoná-lo a si mesmo, mas dar condições ao educando (num processo que não
separe educador de educando: educação é sempre comunhão…) de extrair de si…

Em
estudo anterior desta série, fazíamos notar que a língua alemã, com sua palavra
Liebe, cumulativa de todas as formas
de amor, permite visualizar o que há de comum no amor (a aprovação do que se
ama); já o latim (e as línguas latinas) é mais apto a captar o variado leque
dos aspectos, por vezes “contraditórios”, do amor.

Por
mais que pensemos que se trata de voz ativa (“Eu amo, tu amas, etc.”), o amor
envolve os passivos: affectio e passio. Daí seu caráter enigmático,
magistralmente expresso por Camões: “[Amor é] Hum não sei que, que nasce não sei onde; Vem não sei como; e doe [dói] não
sei porque”.

Somos
afetados (“afeição”) pela paixão que – à margem de nossa vontade – nos é como
que imposta: no amor não somos exclusiva nem primariamente ativos. Não por
acaso, apaixonar-se, em inglês, é cair: “fall in love”. Mas, por outro lado, o
amor (dilectio), sim, é, escolha
ativa, e já estamos de novo envoltos na voz média.

É
tarefa urgente da educação (e da educação cristã) resgatar humildemente o
espírito da voz média, algo conatural para o mundo clássico – grego e latino –
e para as tradições orientais, que bem sabem que é uma ilusão a pretensão de
total protagonismo e controle, da dominação da voz ativa em nossa própria vida.
Na verdade, navegamos e somos navegados…

Devemos
ajudar nossos educandos a reconhecer esse co-protagonismo e abrir-se ao outro,
ao mundo e à intervenção de Deus em nossas vidas e decisões.

Um
primeiro passo nesse sentido é precisamente dar a conhecer a importância da voz
média no humano e – voltando a Ortega y Gasset – ao co-protagonismo: “Eu sou eu
e minha circunstância; e se não a salvo, não me salvo eu”. 

Vacinados
contra a falsidade da “onipotência” da vontade ativa do eu, evitam-se muitas
frustrações desnecessárias e arrogâncias narcisistas, com a porta aberta à
empatia, ao acolhimento, à afirmação do outro; afinal, a forma fundamental do
amor…

E
teremos, na espiritualidade cristã, a única base do relacionamento com Deus,
como diz Paulinho da Viola no mesmo profundíssimo samba: “
Timoneiro nunca fui/Que eu não sou de velejar/O leme da minha vida/Deus
é quem faz governar”. Ou, nos versos de Adélia Prado:
“De vez em
quando Deus me tira a poesia/Olho pedra, vejo pedra mesmo”.

“Eu
plantei, Apolo regou, mas é Deus quem faz crescer” (1Co 3.6).

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Veja também

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Missão Feliz, RS, completa 8 anos

A missão iniciou em 2016, com seis pessoas e hoje, já são 29 pessoas ativas e alguns visitantes

Setenta anos, a Igreja em missão em Baixo Guandu, ES

Congregação Da Paz celebrou culto festivo no dia 14 de abril