Epifania e Missão

O calendário litúrgico da igreja é muito rico e preciso em destacar a missão de Deus de restaurar o relacionamento entre ele e o ser humano. Começando pelo Advento e passando pelo Natal, Epifania, Quaresma, Páscoa e Pentecoste, e continuando pelo Tempo da Igreja, fica claro tudo o que Deus fez e continua a fazer para tornar pecadores perdidos e condenados em seus filhos amados. Todo o ano litúrgico é tempo de missão, mostra Deus em sua missão de reconciliar as pessoas consigo e umas com as outras.

Dentro do calendário da igreja, porém, a Epifania é um tempo especial em que essa missão é mostrada de forma mais evidente, é revelada com mais ênfase. E esse é justamente o sentido da palavra “epifania”: revelar, tornar visível. A Epifania lembra a manifestação visível do Senhor Jesus, começando pelos magos do Oriente e se estendendo a todas as nações da terra.

A Epifania nos faz olhar para o que a Escritura revela sobre a missão, mostrando que a missão:

· É vontade do Deus Triúno: “[Deus] quer que todos sejam salvos e venham a conhecer a verdade. Pois existe um só Deus e uma só pessoa que une Deus com os seres humanos – o ser humano Cristo Jesus, que deu a sua vida para que todos fiquem livres dos seus pecados: testemunho que se deve prestar em tempos oportunos” (1Tm 2.4-6 – NTLH/ARA).

· É envio ao mundo: “Assim como o Pai me enviou, eu também envio vocês” (Jo 20.21 – NAA). “Vão a todos os povos do mundo e façam com que sejam meus seguidores, batizando esses seguidores em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo e ensinando-os a obedecer a tudo o que tenho ordenado a vocês” (Mateus 28.19-20).

· É proclamação do Evangelho: “Vão pelo mundo inteiro e anunciem o evangelho a todas as pessoas” (Mc 16.15 – NTLH). “E que, em nome dele [de Jesus], a mensagem sobre o arrependimento e o perdão dos pecados seria anunciada a todas as nações, começando em Jerusalém. Vocês são testemunhas dessas coisas” (Lc 24.47-48 – NTLH). “Vocês receberão poder e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria e até nos lugares mais distantes da terra” (At 1.8 – NTLH).

· Tem o objetivo de salvar: “E Deus nos deu a tarefa de fazer com que os outros também sejam amigos dele. A nossa mensagem é esta: Deus não leva em conta os pecados dos seres humanos e, por meio de Cristo, ele está fazendo com que eles sejam seus amigos. E Deus nos mandou entregar a mensagem que fala da maneira como ele faz com que eles se tornem seus amigos” (2Co 5.18-19).

· Realiza-se entre a ascensão e a segunda vinda de Cristo: “E a boa notícia sobre o Reino será anunciada no mundo inteiro como testemunho para toda a humanidade. Então virá o fim” (Mateus 24.14).

Por isso a missão não é uma das atividades da Igreja, mas aquilo que orienta sua ação. Deus, em missão, enviou seu Filho ao mundo para salvar os pecadores, da mesma forma que a igreja, em missão, está no mundo para anunciar o Evangelho e, assim, compartilhar a salvação com todos.

A missão é realizada através de meios que diferenciam a igreja. Estes meios são chamados de meios da graça, a Palavra de Deus e os sacramentos, batismo e santa ceia. É por eles que Deus age para restaurar o relacionamento entre ele e seus filhos, para dar perdão, vida e salvação.

A missão não é presença, mas testemunho. Não basta estar no mundo, é preciso proclamar e testemunhar ao mundo aquilo que o Deus que está em missão fez em seu Filho Jesus Cristo e está fazendo pela ação do Espírito Santo, ou seja, criando a fé, salvando, perdoando, dando vida eterna.

A igreja em missão fala às pessoas do seu tempo, pois faz o diagnóstico correto da situação do ser humano para aplicar o remédio divino. Isso é aplicar Lei e Evangelho. Assim, para estar em missão é preciso entender o contexto para aplicar o texto, ou seja, olhar para a situação para anunciar a salvação.

É por isso que Deus, ao enviar sua igreja em missão, a desafia a ir ao encontro do ser humano para atendê-lo em suas necessidades. Não é algo feito “de cima para baixo”, mas de coração para coração, pois o amor é a linguagem que toda pessoa entende. “Sou um homem livre; não sou escravo de ninguém. Mas eu me fiz escravo de todos a fim de ganhar para Cristo o maior número possível de pessoas. Eu me torno tudo para todos a fim de poder, de qualquer maneira possível, salvar alguns. Faço tudo isso por causa do evangelho” (1Co 9.19,22-23).

Em sua época, Martinho Lutero compreendeu a natureza missionária da igreja. Em seus sermões, sempre de novo destacava a vontade de Deus de salvar todas as pessoas, que era obra de Deus o envio de pregadores para trazer pecadores à fé e à salvação. No sermão de Ascensão, pregado em 1522, Lutero comparou a pregação do evangelho àquilo que acontece quando se joga uma pedra à água, que produz ondas que se sucedem e se estendem até a margem. A missão começou no coração de Deus, que enviou seu Filho ao mundo, e continua indo mundo afora, as ondas se movendo e se sucedendo até o final dos tempos.

A IELB também compreendeu muito bem a sua natureza missionária e, desde o seu início, tem ido ao encontro das pessoas com o evangelho da salvação. Ela começou a sua missão reunindo os imigrantes alemães que viviam no sul do país, mas logo foi se estendendo para outros estados e também em direção a pessoas que não eram de origem germânica.

Sua compreensão da missão de Deus está expressa no seu lema “Cristo para todos”. Esse lema foi definido pelo Conselho Diretor em maio de 1991, como ênfase prioritária até o ano 2000. Mas a 56ª Convenção Nacional da IELB, reunida em Foz do Iguaçu, PR, em abril de 1998, definiu este lema como permanente. A IELB é uma igreja em missão, faz parte da missão de Deus, agindo para restaurar o relacionamento entre Deus e as pessoas e entre as pessoas.

Em 2013, mais um passo foi dado para enfatizar a missão de Deus por meio da igreja. Iniciou-se o programa Missão, Ministério e Liderança (MML), com dois objetivos principais: (1) treinar e auxiliar pastores, esposas e líderes das congregações a alinharem as ações para a missão de Deus; e (2) apoiar os pastores em seu ministério para que, junto com suas famílias, possam sempre ser motivados pela graça de Deus em sua ação missionária.

A missão é de Deus. É ele que está em ação. Mas ele age através da igreja. Isso quer dizer que ele age através de pessoas, você e eu. Por isso ministros e líderes, pastores e membros, todos têm esse grande privilégio de contar às pessoas o que Deus faz por elas em Jesus, de compartilhar o evangelho da salvação. Se nós não falarmos, muitos não chegarão à fé e se perderão para sempre. Por isso, fale, compartilhe, testemunhe. Conte aos outros que o seu relacionamento com Deus foi restaurado em Cristo, que pela sua graça todos os seus pecados foram perdoados. E ore para que o Espírito Santo atue no coração, para que a fé seja criada e fortalecida.

A Epifania sempre de novo nos faz olhar para a missão de Deus. Afinal, todo o ano da igreja nos lembra de que Deus está em missão. Ele quer que vivamos com ele, agora e para sempre. Ele quer que sejamos seus filhos, por isso nos deu seu Filho, que morreu e ressuscitou por nós. A missão de Deus é a obra de restaurar aquilo que o pecado destruiu, compartilhando aquilo que Jesus fez para que possamos novamente estar com Deus.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Emergindo das águas: Um novo começo

A nossa querida Editora Concórdia irá se reerguer e continuará a ser a editora da teologia bíblica e confessional que herdamos da Reforma. Publicando a Palavra que permanece.

Veja também

Emergindo das águas: Um novo começo

A nossa querida Editora Concórdia irá se reerguer e continuará a ser a editora da teologia bíblica e confessional que herdamos da Reforma. Publicando a Palavra que permanece.

Um fim em comum!

E para cumprir com seu propósito, a IELB: utilizará os meios de comunicação; produzirá e distribuirá livros e material religioso, fundando e mantendo organizações com essa finalidade. Esse é o porquê de a Igreja ter uma editora.

14º Encontro Nacional de Escolas Luteranas (14º ENEL)

Em 1524, Lutero elaborou um documento que lançaria as bases de conceitos como educação pública e gratuita, universalização do ensino, ludicidade no processo ensino-aprendizagem, educação interacionista, protagonismo do aluno, aprendizagem significativa e de uma educação com propósitos existenciais, fundamentada nos princípios cristãos.