Escutem os profetas!

“Escutem os cientistas”. Este é o título de um artigo que trata sobre os alertas da ciência quanto à atual pandemia, que, apesar de inúmeros exemplos no passado, a humanidade não levou a sério. A autora Laura de Freitas, doutora em biociências e biotecnologia, finaliza com uma esperança: “Quem sabe os tempos de privação do beijo no rosto — um hábito tão caro e tipicamente brasileiro — nos dirija a um mundo no qual não precisemos mais nos perguntar: “E se a gente tivesse escutado os cientistas?”.

Escutar a ciência, sem dúvida, é estar preparado para o futuro. É como ouvir os conselhos do pai e da mãe, a voz da experiência. É tomar todos os cuidados sanitários e ser imunizado pela tão esperada vacina contra a Covid-19. Fazer o contrário disso é o mesmo que não obedecer a vó quando nos dizia, “Sai da chuva, vai pegar um resfriado”. O que estamos vivenciando hoje, com milhões de infectados e quase dois milhões de mortos no mundo, é consequência dos ouvidos tapados para as advertências dos cientistas, que desde o começo diziam que o vírus era extremamente perigoso.

No livro de Provérbios, o sábio diz que “Os tolos desprezam a sabedoria e não querem aprender” (1.7). A Bíblia de Estudo da Reforma explica aqui que “Deus é doador de todas as compreensões humanas; ele deseja que seu povo o considere em reverência, respeito e amor”. Ou seja, os cristãos reconhecem que Deus é o responsável pela capacidade cognitiva e racional dos seres humanos, e, por isso, desprezar o conhecimento e as descobertas científicas, os meios modernos da medicina e todos os avanços tecnológicos para o bem da sociedade – tudo isso implica em rejeitar os dons de Deus. No fim das contas, a ciência humana é um presente divino para se cumprir o Quinto Mandamento, “Não matarás”, e que Lutero tão bem explica no Catecismo Menor, que, ao contrário de “causar dano ou mal algum ao nosso próximo, devemos ajudá-lo e favorecê-lo em todas as necessidades corporais”. Diante disso, ouvir a voz dos cientistas, sobretudo nestes tempos de pandemia, é ouvir a voz de Deus e respeitar a vida, própria e do próximo. É evidente que, quando a ciência humana contraria a vontade de Deus revelada nas Sagradas Escrituras, ela deixa de ser um instrumento de Deus e se torna uma ferramenta de Satanás.

Em todo o caso, a humanidade sempre foi teimosa em ouvir a sabedoria, especialmente quando o assunto é o Terceiro Mandamento, “Santificarás o dia do descanso”. Foi Lutero que também sabiamente explicou que não devemos desprezar a pregação e a Palavra de Deus, mas considerá-la santa, gostar de ouvi-la e estudá-la. A Bíblia, do começo ao fim, insiste neste alerta: escutem os profetas. De forma trágica, o lamento de Jesus “Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas e apedrejas os mensageiros que Deus lhe manda” – faz parte de uma história absurda que se repete no mundo que insiste em rejeitar a ciência divina, propagada pela epifania do Salvador Jesus.

Parafraseando a cientista Laura, quem sabe os tempos de privação de não poder beijar e abraçar os irmãos e irmãs na fé e estar presente na igreja, nos dirija a um mundo no qual não precisemos mais nos perguntar: “E se a gente tivesse escutado os profetas?”.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Veja também

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Missão Feliz, RS, completa 8 anos

A missão iniciou em 2016, com seis pessoas e hoje, já são 29 pessoas ativas e alguns visitantes

Setenta anos, a Igreja em missão em Baixo Guandu, ES

Congregação Da Paz celebrou culto festivo no dia 14 de abril