Estamos fabricando cretinos digitais?

Recentemente adicionei às minhas leituras um livro que me tem chamado a atenção. Trata-se da obra A fábrica de cretinos digitais, do doutor em neurociência, Michel Desmurget. Nesse livro o autor chama a atenção de que, pela primeira vez na história da humanidade, a nova geração tem demonstrado um QI inferior à geração atual. Isso quer dizer que a geração que está chegando tem demostrado defasagem nas áreas do desenvolvimento e relacionamento humanos quando comparada com a geração atual. Será? Nunca na história humana tivemos tanto acesso à informação. Qualquer dúvida, sobre qualquer assunto pode ser buscado na palma da nossa mão, no celular! Então a lógica nos leva a pensar que estamos ficando mais inteligentes, mais aptos, mais hábeis. Contudo, não parece ser essa a constatação do professor Desmurget.

O livro aponta para o abuso no uso das telas digitais como o grande impulsionador desse fato. Ele faz uma reflexão sobre a utilidade e importância que temos dado aos dispositivos eletrônicos. Segundo ele, essa história de “nativos digitais” é uma lenda. O fato dos jovens e crianças serem especialistas em smartfones e aplicativos não os torna mais inteligentes ou perspicazes. Muito pelo contrário. Segundo Desmurget, a nova geração tem apresentado resultados aquém do esperado. Há uma grande diferença entre telas produtivas e telas recreativas. O problema não está no uso das ferramentas digitais, mas na forma e no tempo de uso em detrimento das atividades interpessoais como brincar, ler, praticar esportes, interagir com a família e amigos.

O que o autor defende pode ir ao encontro daquilo que nós, luteranos, chamamos de mordomia cristã. Sabemos que Deus é o dono de tudo e de todos e que somos seus administradores. Somos ensinados que precisamos ter equilíbrio na forma de administrar nosso corpo, nosso tempo, nossas habilidades, nosso dinheiro. Em nossa relação com o mundo digital não pode ser diferente. Precisamos equilibrar as atividades digitais com as demais atividades diárias. Nosso corpo precisa dos estímulos e exercícios adequados para ser saudável; nossa mente precisa do descanso apropriado para se recompor e aprender; nossa vida precisa da vivência e experiências que só a interação com outras pessoas pode trazer. E estar mergulhado o tempo todo no mundo digital não pode trazer essas coisas. Você que se preocupa com seu familiar, preste atenção nessas afirmações do dr. Michel:

a) as informações da internet geralmente carecem de rigor e confiabilidade;
b) o uso recreativo está excessivo e prejudica o sono, a leitura, as trocas interfamiliares, deveres escolares, práticas esportivas e artísticas;
c) prejudica o desenvolvimento intelectual, emocional e físico das crianças;
d) o cérebro não está adaptado à fúria digital. Para se construir, ele precisa de moderação sensorial; de presença humana, atividade física, de sono e de nutrição cognitiva favorável. O cérebro sujeito constantemente ao bombardeiro digital sofre e se constrói mal. Fica aquém de seu potencial.

O que fazer?

Segundo nosso autor, não podemos nos resignar e pensar que se trata de uma batalha perdida. Sempre há escolhas a fazer. Não se trata de proibir o uso, mas equilibrar. Para isso crie regras de consumo. Evite dar telas às crianças antes dos 6 anos. Ela não vai ficar deficiente digital se não usar um dispositivo eletrônico! Desaconselhe telas digitais nos quartos e cuide com conteúdo inadequado. Cuidado com o uso antes da escola e antes de dormir. Reorganize a ecologia familiar criando oportunidades novas para vocês.

O seu amor não precisa ser demonstrado comprando e permitindo tudo que é tipo de tela e dispositivo. Seu amor precisa ser demonstrado com diálogo, equilíbrio e regras. É sempre bom lembrar que “há tempo para tudo” (Ec 3), não é mesmo?

Jaques Cristiano Schlosser
Pastor
Manaus, AM

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Novos membros são recebidos em Nova Petrópolis, RS

Culto da Santíssima Trindade teve batismo e recepção de novos membros na Congregação São Marcos

Veja também

Novos membros são recebidos em Nova Petrópolis, RS

Culto da Santíssima Trindade teve batismo e recepção de novos membros na Congregação São Marcos

Enchente no RS provoca mudanças no Simpósio de Missão

Programação do Seminário Concórdia será reduzida e online. Inscrições podem ser feitas até o dia 21 de junho

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase