Eu vou deixar você sozinha aqui

Já ouviu alguém dizer essa frase a uma criança? Eu já. Estávamos num parquinho. Meu filho mais novo brincava animado subindo escadas, descendo nos escorregadores… e eu atrás dele, monitorando. Passamos por uma mãe que tentava convencer a filha de uns 10 anos a ir embora dali. A mulher falava alto, constrangendo a menina, e, depois de xingar, usar um adjetivo que prefiro não mencionar, largou a frase em tom de ameaça: Eu vou deixar você sozinha aqui!

Por um instante, parece que a gritaria alegre das crianças silenciou. Olhando a cena, fiquei imaginando quantas e quantas vezes mães e pais usam esse recurso para fazer seus filhos obedecerem. Mesmo que seja em tom de brincadeira.

Ainda impactada pela cena, lembrei que eu já tinha tentado algo parecido certa vez: “Teo, a mamãe está indo, tchau”. Na época não surtiu efeito. E ele, inclusive, me deu tchau, querendo ficar onde estava. Mas, dizer com todas essas letras, eu nunca faria e menos ainda depois do que presenciei.

Não importa o tamanho da birra, a intensidade da manha, nunca podemos dizer que vamos deixá-los sozinhos, é como falar que serão abandonados. Sem contar que se colocarmos em prática a frase dita, estaremos cometendo um crime, de acordo com o Art. 133 do Código Penal: “Abandonar pessoa que está sob seu cuidado, guarda, vigilância ou autoridade, e, por qualquer motivo, incapaz de defender-se dos riscos resultantes do abandono”.

Já pensou se Deus fizesse isso com a gente a cada deslize nosso? Se nos largasse de mão cada vez que ele nos mostra o caminho, e nós queremos ficar no nosso canto ou seguindo errantes no caminho torto? Ao invés disso, ele nos mandou Jesus, o Emanuel, que significa Deus conosco.

E antes de subir aos céus, Cristo disse aos discípulos: E eis que estou com vocês todos os dias até o fim dos tempos (Mt 28.20b). E avisou que logo depois viria o Espírito Santo, promessa cumprida no Pentecostes.

Aos pais, Deus deu de presente os filhos. Nossa função é dar segurança a eles, dizendo e mostrando que são amados independentemente de suas ações, que estaremos junto deles sempre. Está certo que há vezes que é difícil fazer com que venham conosco. Aí, a sugestão é combinar um horário de saída antes, ir sinalizando aos poucos quanto tempo falta e, quando chegar a hora lembrar que foi o horário que combinaram. Muito melhor do que ameaçar, mentir, é dar limites e ensinar a obediência com verdade e paciência.

Nossos filhos precisam de segurança, amor e respeito. Precisam sentir a paz e a certeza de que nunca vamos deixá-los sozinhos. Assim como o Pai Celeste faz com seus filhos.

Se você está sentindo que ficou sozinho pelo caminho, lembre-se de que Deus está sempre conosco, ao nosso alcance, na Bíblia (Palavra) e nos sacramentos (batismo e santa ceia). E deixe que ele mostre a você o caminho a seguir, assim como Davi expressou no salmo 139:

“1 Senhor, tu me sondas e me conheces. …

3 Observas o meu andar e o meu deitar e conheces todos os meus caminhos.…

7 Para onde me ausentarei do teu Espírito? Para onde fugirei da tua face?

8 Se subo aos céus, lá estás, se faço a minha cama no mais profundo abismo, lá estás também”

Aline Koller Albrecht

Jornalista

@alinegk

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Você já reclamou de um presente dado por Deus?

“Quem vem aí?”, me perguntou uma senhora na saída do culto. Ao responder que era mais um menino, ela disse: “Ah, não!! Tinha que ser uma menina!” Quase sem acreditar no que ouvi, questionei: “Por quê? Não mesmo! Quando Deus envia o presente, a gente aceita com gratidão”.

Veja também

Você já reclamou de um presente dado por Deus?

“Quem vem aí?”, me perguntou uma senhora na saída do culto. Ao responder que era mais um menino, ela disse: “Ah, não!! Tinha que ser uma menina!” Quase sem acreditar no que ouvi, questionei: “Por quê? Não mesmo! Quando Deus envia o presente, a gente aceita com gratidão”.

Dores que fazem crescer

“Feliz é aquele que nas aflições continua fiel! Porque, depois de sair aprovado dessas aflições, receberá como prêmio a vida que Deus promete aos que o amam” (Tg 1.12).

O que alimenta nossa fé?

Esse foi o tema do Congresso de Servas e Leigos do DIVALI