Inteligência Artificial, ética e ressurreição

O comercial da nova Kombi deu o que falar. Isso, do ponto de vista de marketing, é excelente. Porém, a repercussão vai além, a respeito da ética diante das possibilidades que a inteligência artificial faz aflorar. No comercial da Volkswagen, a IA recria a imagem da já falecida Elis Regina, fazendo-a cantar ao lado da filha Maria Rita. Dentre elogios e críticas, o assunto foi parar no Conselho Nacional de Autorregulação Publicitária.

Especialistas na área alertam para a boa ética diante do uso da imagem de pessoas falecidas. A inteligência artificial é capaz de criar uma versão digital daquela pessoa que nos faz falta. A empresa americana HereAfter AI já desenvolve tecnologias nesse sentido, que possibilitarão o diálogo e a interação com a versão digital de uma pessoa. No campo ético, fala-se dos efeitos psicológicos dessas ações, da confusão entre o virtual e o real e até mesmo o respeito à finitude da vida e à memória de alguém já falecido. Quem sabe foi pensando nisso que o ator Robin Willians, morto em 2014, impôs restrições ao uso de sua imagem por 25 anos após seu falecimento.

Cercado de mais tecnologia, aí está o ser humano diante dos mesmos dilemas de sempre. A morte, a saudade, a expectativa pela continuidade mesmo após o sepultamento. Na antiguidade, grandes reis eram sepultados com suas riquezas, e bravos guerreiros eram enterrados com suas armas e honrarias. Hoje, a inteligência artificial quer suprir a lacuna deixada pela morte com lembranças sintéticas e virtuais.

Nesse assunto, há um consolo que se encontra apenas em um lugar. Não em uma eventual versão digital de um falecido. Nem em falsos ensinos, extremamente nocivos à fé cristã, como a comunicação com mortos, vidas passadas e reencarnação. O verdadeiro consolo encontra-se naquele que venceu a assombrosa morte. Jesus, o ressuscitado.

As Escrituras dizem: “a verdade é que Cristo foi ressuscitado, e isso é a garantia de que os que estão mortos também serão ressuscitados” (1Co 15.20). A ressureição do Salvador é o selo de garantia de que todos ressuscitarão. Que consolo! Aliás, que consolo para os que morreram nessa fé e para os que agora vivem nessa fé. Para o que morreu sem essa fé e para o que hoje despreza a Cristo e a pregação da sua Palavra, o dia da ressurreição dos mortos será o dia do juízo de Deus, do castigo, do inferno. Arrependa-se. Ainda há tempo.

Então, fica a dica: a ressurreição do Salvador é a garantia da ressurreição dos nossos amados. Não de forma artificial e sintética, mas real! Será vida completa, mesmo após a morte. Vem, Senhor Jesus!

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Ovelhas geram ovelhas. Pastores apascentam ovelhas

No evangelho de João 10.11,14, Jesus é o “Bom Pastor” que apascenta e gera, espiritualmente, as ovelhas que escutam sua voz e que o conhecem e são por ele conhecidas.

Veja também

Ovelhas geram ovelhas. Pastores apascentam ovelhas

No evangelho de João 10.11,14, Jesus é o “Bom Pastor” que apascenta e gera, espiritualmente, as ovelhas que escutam sua voz e que o conhecem e são por ele conhecidas.

Cheiro de salvação

O texto de 2 Coríntios 2.14 diz assim: “como um perfume que se espalha por todos os lugares, somos usados por Deus para que Cristo seja conhecido por todas as pessoas”.

Quem está nas trincheiras ao seu lado?

Quando a gente casa, traz uma bagagem para a vida a dois. Nesta bagagem, estão os valores aprendidos em casa, as experiências de relacionamentos anteriores, nossa profissão talvez, sonhos e desejos.