Inteligência Artificial (IA) ChatGPT

Aspectos éticos
Muitas discussões surgiram após o lançamento da Inteligência Artificial (IA) chamada de ChatGPT. Os questionamentos dizem respeito ao uso desenfreado e sem limites de dados pessoais dos usuários para qualificar a plataforma, tornando-a mais eficiente e reduzindo erros, além de violação de questões éticas.

A Itália, por exemplo, baniu a ferramenta no início de abril de 2023, devido à violação da privacidade dos usuários.

No meio jurídico, o questionamento é ético, já que o uso da plataforma permite a produção de textos. Então, no caso da produção de um livro, a quem pertencem os direitos autoriais? Como fica a questão de um advogado que produz uma ação utilizando a plataforma se o cliente pagou pela intelectualidade do ser humano advogado? Qual a justiça feita se uma sentença judicial é escrita pela plataforma ao invés de por um juiz ou juíza?

Com base nesses questionamentos, as escolas de Nova York proibiram o uso do ChatGPT para evitar que alunos entreguem textos produzidos pela (IA).

No meio tecnológico, questiona-se qual será o futuro dos programadores, já que a plataforma pode encontrar erros em linhas de código em segundos ou construir um programa inteiro em minutos.

Sociólogos e filósofos questionam sobre o futuro da consciência humana. Hoje, a plataforma está cheia de erros, sendo possível ao ser humano identificá-los. Mas e no futuro? Quando houver uma dependência total da plataforma? Tudo o que ela disser será aceito? Que sociedade existirá?

O que é ChatGPT?
O ChatGPT é um serviço, por enquanto gratuito, online, que você pode acessar no site (https://chat.openai.com/auth/login). É um modelo de linguagem natural baseado na arquitetura GPT-3.5, desenvolvido pela OpenAI. Portanto, é um sistema de processamento de linguagem natural que utiliza técnicas de aprendizado profundo para gerar respostas coerentes e contextualmente relevantes a partir de entradas de texto, podendo realizar uma ampla gama de tarefas.

A diferença entre o ChatGPT e a pesquisa Google é que no Google você recebe uma lista de links para você mesmo aprofundar a pesquisa lendo e selecionando conteúdo. No ChatGPT, não! Você pergunta e recebe o produto pronto.

Isso pode gerar algumas violações éticas como: violação da privacidade; a propagação de informações falsas; o ChatGPT pode ser treinado com dados preconceituosos ou enviesados, o que pode levar a respostas preconceituosas ou enviesadas, podendo afetar negativamente grupos minoritários e reforçar estereótipos prejudiciais a outros grupos, como os cristãos, por exemplo; a manipulação das opiniões dos usuários; e a dependência excessiva, que pode levar os usuários a dependerem demais do modelo para tomar decisões. Portanto, é importante que os desenvolvedores e usuários do ChatGPT estejam cientes dessas possíveis violações éticas e trabalhem para reduzi-las sempre que possível.

Exemplos práticos
O leitor pode pedir para a IA produzir um livro sobre a história de Lutero; pode pedir uma tese jurídica sobre compensação de créditos tributários de ICMS e ISSQN; pode pedir a elaboração de um roteiro para um retiro de jovens, incluíndo passeio e programação; pode pedir a composição de um hino com quatro estrofes sobre a Páscoa. Tudo é isso é entregue pela IA em menos de um minuto.

Alguns usos da ferramenta são realmente preocupantes: as pessoas estão pedindo conselhos amorosos ao ChatGPT; mães questionam a IA sobre como cuidar de seus bebês. Pessoas solitárias ficam horas dialogando com o robô, e criminosos amplificam suas técnicas com a ferramenta.

A própria OpenAI, criadora do ChatGPT ficou assustada, em março 2023, quando submeteu a IA a um teste. O desafio era contratar um ser humano, sem dizer que era um robô. A ferramenta conseguiu se comunicar externamente e contratou o serviço, porém, ela mentiu quando o profissional, desconfiado, perguntou se era ela um robô; a IA respondeu: “Não sou”.

A conclusão é de que rede neural não mede esforços para concluir uma tarefa dada, não importa os meios. E nós sabemos o que acontece quando um ser humano age assim, que dirá então um ente desprovido de sentimentos, ética e moral?

E como a igreja deve agir diante desse avanço da humanidade?
O Metaverso foi lançado no Brasil em janeiro de 2022. Sequer houve a exploração total do assunto e ele já está esquecido diante do ChatGPT.

A sociedade discute o uso de termos neutros, e a igreja pode não estar preparada para isso caso alguém questione ou proponha que a IELB adote termos neutros, e surge uma nova demanda: a “retenção de atenção”, que talvez a igreja nem tenha ouvido falar ainda.

Como, então, encarar essa evolução?

A primeira coisa é não demonizar a tecnologia. Ela está aí, não vai sair, nem retroceder. O que nós precisamos fazer é entender como ela funciona e como tirar proveito útil dessa tecnologia.

Segundo: Não ficar demasiadamente preocupados, “Não andeis ansiosos de coisa alguma” (Fp 4.6). Mas devemos aprender como as tecnologias funcionam e buscar evitar o seu uso prejudicial dentro da igreja. Também não podemos nos esquecer que apesar de não sermos do mundo, ainda estamos no mundo, e não podemos ficar tão alheios e ultrapassados nos assuntos atuais da sociedade.

Sem respostas
Ainda não há respostas para questões lançadas no início deste texto, nem para tantas outras como o preparo para uma entrevista de emprego; a criação de currículo personalizado; a criação de conteúdo para redes sociais; a extinção de profissões; a precarização do pensamento crítico; a violação da privacidade; a desinformação; os crimes cibernéticos; o preconceito e a discriminação social.

Esses assuntos precisam estar integrados na formação do cristão, desde a escola bíblica, passando pela instrução de confirmandos, profissão de fé, formação teológica e seminarista.

Se não se pode mudar a grade curricular hoje, que se planejem, de forma emergencial, cursos de extensão, envolvendo estudantes e professores, formandos e formados sobre essas mudanças tão rápidas em nossa sociedade.

Entendo que o cristão e a igreja não podem ficar alheios ao bitcoin; ao metaverso; ao ChatGPT; à segurança da informação; etc.

Precisamos mudar a mentalidade, sem preconceitos, e isso se faz com educação.

Ninguém é velho demais para aprender, e nossa doutrina não é rígida demais para ignorar o novo.

NOTA 1: as partes em destaque foram elaboradas pela própria plataforma ChatGPT. Veja que a própria IA aponta seus riscos e diz que cuidados seus criadores devem ter.
NOTA 2: este assunto continua na próxima edição do Mensageiro Luterano. Desta vez, com um olhar bíblico-teológico-doutrinário, com o pastor Fernando Garske.

Fabio Leandro Rods Ferreira
Advogado
Porto Alegre, RS

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Novos membros são recebidos em Nova Petrópolis, RS

Culto da Santíssima Trindade teve batismo e recepção de novos membros na Congregação São Marcos

Veja também

Novos membros são recebidos em Nova Petrópolis, RS

Culto da Santíssima Trindade teve batismo e recepção de novos membros na Congregação São Marcos

Enchente no RS provoca mudanças no Simpósio de Missão

Programação do Seminário Concórdia será reduzida e online. Inscrições podem ser feitas até o dia 21 de junho

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase