O aguardado reencontro 

Porque Jesus vive, nós também viveremos! Aguardemos a festa do céu. Vem, Senhor Jesus!

  

O Dia de Finados, lembrado esta semana, traz à tona saudades e tristezas. Anos podem ter passado, mas há pessoas que nos fazem muita falta. Como seria bom poder abraçar e ser abraçado por quem nos faz falta. Por mais avançada que nossa sociedade esteja, não há conserto para este vazio que a morte nos deixa. Porém, há algumas tentativas de confortar um coração enlutado. 

Na Coreia do Sul, uma empresa produziu um ambiente tridimensional para que uma mãe pudesse ver, ouvir e abraçar novamente a sua pequena filha, Na-yeon, falecida há alguns anos. De forma artificial, quase que em um metaverso, a mãe pode reencontrar sua filha exatamente como ela era. Imaginem a emoção daquela mãe. Esta ação virou um documentário intitulado de “Meeting You”.

Imagino que, ao ter conhecimento deste fato, você rapidamente imaginou quem você gostaria de rever e abraçar, mesmo de forma artificial, neste metaverso. O pai. A mãe. Os avós. Um irmão. Um filho. Como seria bom ter em nossos braços aqueles que nos fazem tanta falta, não é mesmo? Nem que fosse de forma artificial, só por um momento. 

Preciso lembrar que há um Reino onde este encontro acontecerá. Mesmo que este Reino não seja no formato metaverso, ele também vai muito além do nosso universo palpável, vai além da nossa rasa compreensão. É o Reino onde a morte já foi vencida. Quem diria, vencida foi a morte com a própria morte. Morte do Cordeiro de Deus, Jesus, que fora ressuscitado no terceiro dia. E são deles as consoladoras palavras:  “Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; e quem vive e crê em mim nunca morrerá” (João 11.25-26). 

Aquele que rejeita a Cristo e não crê na sua palavra será ressuscitado no Dia do Juízo, mas será ressuscitado para sua condenação. Porém, quem viveu com os ouvidos abertos para a palavra de Jesus e morreu debaixo do perdão de Salvador, será ressuscitado para a  grande festa da salvação. Aí sim, definitivamente, não haverá mais morte, nem lágrima, nem dor. 

É neste Reino que o povo de Deus festejará. Onde haverá o doce reencontro entre cristãos. Não em um metaverso ou algo artificial, mas no Novo Céu e Nova Terra que Jesus nos garante, pela fé em seu sacrifício redentor. Neste Reino, já estamos, agora mesmo. Através da sua palavra e dos meios da graça, o Espírito Santo nos coloca para dentro deste Reino onde, por mais que a morte biológica chegue, a morte eterna não tem mais poder para tocar em nosso coração. Graças a Jesus. 

Então fica a dica: porque Jesus vive, nós também viveremos! Aguardemos a festa do céu. Vem, Senhor Jesus!         

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase

Veja também

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase

Livres para servir: o papel da religião na promoção do bem comum

A realização dos ideais religiosos depende da preservação da liberdade religiosa – o direito fundamental de praticar, expressar e manifestar suas crenças sem discriminação ou perseguição. Defender a liberdade religiosa não é apenas uma obrigação legal, mas um imperativo moral que garante o florescimento de diversas comunidades religiosas e promove um ambiente propício ao diálogo e à cooperação

A parábola do semeador

A cultura digital afasta-nos da terra. Por mais evoluídos que sejamos, não podemos perder contato com a terra, a terra somos nós mesmos, pó é nossa origem e nosso destino. O período de uma vida transcorre de pó a pó