O clima e o Advento

“Estamos cada vez mais próximos de uma catástrofe climática”, disse António Guterres, secretário geral da ONU. O ultimato vem da 27ª Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas, a COP 27, que neste ano aconteceu no Egito.

Interessante, há 3.500 anos, os irmãos de José também receberam um ultimato, e foram buscar ajuda neste lugar milenar dos faraós. Foi também no Egito que outro José, com Maria e Jesus, encontrou refúgio do ultimato de um rei perverso. Por isso, a profecia: “Quando Israel era menino, eu chamei o meu filho” (Os 11.1). E o cumprimento: “Levante-se, tome o menino e a sua mãe e vá para a terra de Israel, porque os que queriam matar o menino já morreram” (Mt 2.19,20).

São as histórias do Natal, e que apontam para a salvação da humanidade que será plena no novo céu e nova terra. Mas, enquanto isso, é preciso fugir para o Egito. E voltar. É preciso sobreviver no velho céu e na velha terra. E daí, as “profecias” do clima, parecidas com as que chegaram em sonho para o José da antiga aliança, sobre os sete anos de fartura e sete anos de seca e fome, e para o José da nova aliança, sobre as intenções maldosas de Herodes.

Tem gente que não acredita no aquecimento global. Acham que é um sonho. Mas, igual a Tomé que precisou ver para crer, as marcas da irresponsabilidade humana no planeta Terra são mais do que visíveis. O “Estado do Clima” mostra a “triste repetição do fracasso humano em combater os problemas climáticos” com “recordes alarmantes” em várias frentes, alerta o relatório da ONU: aumento do nível do mar, aquecimento dos oceanos, concentração de gases de efeito estufa e acidificação dos oceanos.

Cremos que a terra e o mundo têm um tempo de validade. É a consequência do pecado. O Advento aponta para Jesus que veio, vem e voltará, e tudo será novo. Nesta espera, não temos o direito de desobedecer a ordem divina de “fugir para o Egito”. Ou seja, se existe o alerta do clima, nós, que temos uma compreensão do Natal bíblico, temos a incumbência do José, isto é, “cuidar de Maria e de Jesus”. É o tempo da graça, do Advento que vem, de pregar e viver o evangelho. Mas, o evangelho que depende do clima, da comida, das florestas, do meio ambiente – a fim de que as nações sobrevivam, ouçam, creiam, sejam batizadas e redimidas.

O que podemos fazer de forma concreta? A primeira coisa é não duvidar dos ultimatos sobre o clima. Depois, agir pessoalmente no cuidado do meio ambiente. Apoiar ações públicas e políticas na defesa e na preservação da vida no planeta. E, como igreja e cristãos, incluir na quarta petição do Pai-Nosso o meio ambiente, e apontar para a obediência do quinto mandamento, sobre o respeito à vida quanto à obra divina da criação, confessada por nós no primeiro artigo do Credo Apostólico.

E por falar em fugir, agradeço por este espaço no Mensageiro Luterano, que agora termina. Foram 20 anos com 220 artigos no Em Foco. O primeiro foi em janeiro de 2003, sobre o tema da fome, seguindo sempre desse meu jeito, tentando conectar assuntos da mídia ou pertinentes à realidade, no dia a dia, com a Palavra de Deus. Tudo tem um começo e um fim na nossa jornada terrena, só permanece mesmo o Verbo Eterno. Feliz Natal e Ano Novo muito abençoado!

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Novos membros são recebidos em Nova Petrópolis, RS

Culto da Santíssima Trindade teve batismo e recepção de novos membros na Congregação São Marcos

Veja também

Novos membros são recebidos em Nova Petrópolis, RS

Culto da Santíssima Trindade teve batismo e recepção de novos membros na Congregação São Marcos

Enchente no RS provoca mudanças no Simpósio de Missão

Programação do Seminário Concórdia será reduzida e online. Inscrições podem ser feitas até o dia 21 de junho

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase