Evangelismo e descanso

O cansaço domina a vida moderna. Estamos cansados de estar cansados. No entanto, o problema não é o trabalho. Segundo os pesquisadores J. Robinson e G. Godbey, nos Estados Unidos de hoje se trabalha menos horas do que em décadas anteriores. Provavelmente não é diferente no Brasil. Se isso for verdade, por que estamos tão cansados? Há diversas razões, mas uma, em especial, relaciona-se com o evangelismo: a crescente ditadura da performance na vida. Essa ditadura transformou hobbies e lazer, que antes nos davam prazer, em atividades semi-profissionais.

Mesmo trabalhando menos horas que nossos pais e avós,[1] estamos cansados porque nossas atividades de lazer e descanso parecem constantemente vigiadas. Em qualquer simples atividade de lazer, sentimos uma pressão social quase irresistível para comprar equipamentos profissionais, assinar planos de treinamento e estabelecer metas de participação em competições.

Essa ditadura da performance não é de hoje. O povo de Israel, que havia sido libertado da escravidão de Faraó, confiava quase que exclusivamente em seus esforços. Assim, diante dos problemas que o deserto lhe trazia, o povo escolhia buscar a resolução em suas capacidades e esquecia-se de Deus. O autor de Hebreus, citando o salmo 95, lembra qual foi o resultado da falta de fé do povo: “Eles nunca entrarão na Terra Prometida, onde eu lhes teria dado descanso” (Hb 4.5).

O verdadeiro descanso não é alcançado por uma questão de “otimização” do tempo e da fé. Os cansados e sobrecarregados encontram alívio somente em Jesus (Mt 11.28). Ele é o sumo sacerdote que “foi tentado do mesmo modo que nós, mas não pecou. Por isso tenhamos confiança e cheguemos perto do trono divino, onde está a graça de Deus. Ali receberemos misericórdia e encontraremos graça sempre que precisarmos de ajuda” (Hb 4.15-16).

Em Jesus, recebemos poder do Espírito para lutar contra a tentação da ditadura da performance. Sem deixarmos de ser profissionais com o nosso ganha-pão, saberemos ver nossas famílias e lazer como espaço de santificação e descanso. Assim atrairemos pessoas que desejarão conhecer o segredo de uma vida que consegue espalhar misericórdia e não “correria agustiante”.

Pensando na dificuldade que temos em encontrar momentos de calma e repouso, a Hora Luterana criou o plano de leitura bíblica “Preciso de Descanso”, que nos faz encontrar refrigério nos braços de Jesus por meio de textos bíblicos e devocionais curtos (com áudio). Conheça esse plano de leitura por meio do QR code.

Convide outras pessoas para fazer esse plano de leitura bíblica e compartilhe comigo sua experiência. Não analisarei a performance de sua ação. Só desejo me alegrar com sua experiência de descanso na Bíblia. Isso vale todo o trabalho da Hora Luterana.


[1] John Robinson and Geoffrey Godbey, “Are Average Americans Really Overworked?” in: Meilaender, Working, 2000, p.228ff.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase

Veja também

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase

Livres para servir: o papel da religião na promoção do bem comum

A realização dos ideais religiosos depende da preservação da liberdade religiosa – o direito fundamental de praticar, expressar e manifestar suas crenças sem discriminação ou perseguição. Defender a liberdade religiosa não é apenas uma obrigação legal, mas um imperativo moral que garante o florescimento de diversas comunidades religiosas e promove um ambiente propício ao diálogo e à cooperação

A parábola do semeador

A cultura digital afasta-nos da terra. Por mais evoluídos que sejamos, não podemos perder contato com a terra, a terra somos nós mesmos, pó é nossa origem e nosso destino. O período de uma vida transcorre de pó a pó