A doçura de uma rotina

Não espere ficar sem rotina para agradecer por ela. Reconheça a bênção que é ter um lar, comida sobre a mesa e estar cercado das pessoas que você ama.

Rotina. Substantivo feminino. É o hábito de fazer sempre as mesmas coisas. De repetir tarefas e ações, conscientemente ou não. Sejamos sinceros. Rotina é um daqueles substantivos da vida que a gente até gosta de menosprezar. Ter uma vida rotineira, entre casa, trabalho e escola, parece que às vezes nos coloca em uma zona de sermos comuns. Sem graça. Vivendo uma vida sem temperos. Mas será que viver uma rotina é algo tão negativo assim?

As consequências dessa enxurrada no solo gaúcho têm levado embora também a rotina de milhares de pessoas. Ir e vir, mesmo que seja um direito constitucional, ainda é impraticável em muitos lugares. Pontes, rodovias e estradas foram destroçadas. Empresas arruinadas pelas águas já não são mais o destino de milhares que seguiam sua rotina casa/trabalho. Aliás, imensurável é ter perdido a rotina de um lar. Do acordar, tomar seu café, ir e voltar, preparar o jantar, assistir sua série, ler um bom livro, até deitar na cama quentinha. Alguns, porque estão desabrigados. Outros porque, literalmente, perderam tudo.

A rotina, por vezes tão insossa, nos mostra a sua doçura justamente quando nos faz falta. Não espere ficar sem rotina para agradecer por ela. Reconheça a bênção que é ter um lar, comida sobre a mesa e estar cercado das pessoas que você ama. Que bênção é ter saúde para poder ir e voltar, todos os dias, para a escola, para o trabalho, para os afazeres que se repetem. Que bênção é poder chegar à noite e perceber que aquele dia seguiu seu curso normalmente. Sem tragédias. Sem acidentes. Sem perdas.

Mas e quando nosso mundo presumido se vai? E quando a rotina nos é roubada? Nesses tempos, é preciso lembrar-se de algo rotineiro. Que nenhuma catástrofe conseguirá nos furtar. Falo da rotina de Deus de renovar o seu amor sobre nossa vida, dia após dia, sempre e sempre de novo. Disso, o texto de Lamentações 3.22-23 nos assegura: “O amor do SENHOR Deus  não se acaba, e a sua bondade não tem fim. Esse amor e essa bondade são novos todas as manhãs; e como é grande a fidelidade do SENHOR!”.  

Falando em rotina, existe algo que deve ser um hábito. Ler a Palavra de Deus, a Bíblia. Em casa, ou no culto público. Através da Palavra, o Espírito Santo nos preserva na fé em Jesus. E é por meio desta fé, que tem por conteúdo o Cristo morto e ressuscitado, que seremos salvos.

Então fica a dica: Louvado seja Deus quando a vida se dá nas rotinas costumeiras. Quem sabe um dia veremos que os dias comuns eram os mais plenos da vida.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Emergindo das águas: Um novo começo

A nossa querida Editora Concórdia irá se reerguer e continuará a ser a editora da teologia bíblica e confessional que herdamos da Reforma. Publicando a Palavra que permanece.

Veja também

Emergindo das águas: Um novo começo

A nossa querida Editora Concórdia irá se reerguer e continuará a ser a editora da teologia bíblica e confessional que herdamos da Reforma. Publicando a Palavra que permanece.

Um fim em comum!

E para cumprir com seu propósito, a IELB: utilizará os meios de comunicação; produzirá e distribuirá livros e material religioso, fundando e mantendo organizações com essa finalidade. Esse é o porquê de a Igreja ter uma editora.

14º Encontro Nacional de Escolas Luteranas (14º ENEL)

Em 1524, Lutero elaborou um documento que lançaria as bases de conceitos como educação pública e gratuita, universalização do ensino, ludicidade no processo ensino-aprendizagem, educação interacionista, protagonismo do aluno, aprendizagem significativa e de uma educação com propósitos existenciais, fundamentada nos princípios cristãos.