Você atingiu a métrica limite de leitura de artigos

Já sou assinante!

Grupo Címballuz celebra 30 anos

O ano era 1994. Nos corredores do Seminário Concórdia, na cidade de São Leopoldo, RS, um grupo de estudantes de teologia deu vida a um sonho que transcendeu os limites convencionais do louvor na Igreja Evangélica Luterana do Brasil.

Sérgio Lutz
pastor, professor e administrador
[email protected]

         O ano era 1994.  Nos corredores do Seminário Concórdia, na cidade de São Leopoldo, RS, um grupo de estudantes de teologia deu vida a um sonho que transcendeu os limites convencionais do louvor na Igreja Evangélica Luterana do Brasil. Da união de talentos musicais nascia um grupo de louvor chamado Cantares, que buscava enriquecer o repertório litúrgico da igreja com multiplicidade de estilos. Um ano depois da fundação do grupo, o nome passou a ser Címballuz.

      Címballuz foi inspirado no texto bíblico, especialmente no salmo 150.5, que diz: “Louvai-o com címbalos sonoros; louvai-o com címbalos retumbantes”. Címbalos são instrumentos musicais semelhantes aos atuais pratos. Segundo Curt Sachs (1940), em The history of musical instruments, e O. R. Sellers, em Musical Instruments of Israel, címbalos eram utilizados para entoar bem alto uma melodia de louvor a Javé em ocasiões de regozijo. Os címbalos eram parte essencial de uma orquestra antiga que tocava em ocasiões importantíssimas, tais como quando Davi levou a arca da aliança para Jerusalém (2Sm 6.5). No salmo 150 se faz a distinção entre dois tipos de címbalos: “címbalos sonoros” e “címbalos retumbantes”. Os primeiros seriam címbalos pequenos e tilintantes, e, os últimos, címbalos grandes e retumbantes.

      Visando à criação do nome do grupo, à palavra címbalos foi acrescido como sufixo a palavra Luz (Cristo), resultando no nome Címballuz.

O embrião do Címballuz surgiu da inquietude criativa de jovens teologandos que viam na música uma poderosa ferramenta de expressão das verdades bíblicas. Movidos pelo desejo de inovar, testemunhar o amor de Deus e ampliar os horizontes musicais na igreja, esses estudantes decidiram unir seus talentos e paixões sob uma única bandeira: através de vozes e instrumentos levar a Luz [Cristo].

      Da primeira apresentação pública na Congregação São João Batista, de São Leopoldo, em março de 1994, passando por congressos nacionais de jovens (a primeira apresentação para grandes públicos ocorreu no Congresso da JELB em 1995, na cidade de Santa Rosa, RS), convenções, eventos públicos em dezenas de cidades, exibições em universidades e shoppings, o grupo abraçou uma abordagem pioneira explorando um vasto espectro de gêneros musicais. Do tradicional ao contemporâneo, do clássico ao pop, cada nota e acorde do Címballuz ressoava a mensagem do amor de Deus.

      Desde sua fundação, o grupo tornou-se parte da comunidade do Seminário Concórdia, onde realizava seus ensaios e de onde partia para viagens cada vez mais distantes. Os desafios em relação a equipamentos, instrumentos e local de ensaios foram inúmeros. Mas, o grupo foi abençoado de diversas formas através de instituições e, especialmente, por meio de pessoas que proporcionaram condições para a aquisição de instrumentos, espaços para ensaios, empréstimo de equipamentos e diversos outros suprimentos.

Foram centenas de apresentações, dezenas de excursões de Sul a Norte do Brasil, reunindo pequenos e grandes públicos por onde passava para momentos de louvor genuíno.

      Mais do que apenas uma banda, o Címballuz se tornou uma referência de criatividade e dedicação à música sacra. Sob a liderança visionária de seus membros fundadores, o grupo continuou a evoluir e a desafiar as convenções, deixando uma marca indelével no cenário musical da IELB. Por diversas ocasiões, o grupo pôde perceber a quebra de tabus em relação ao conceito preestabelecido quanto à música na igreja. Por outro lado, aproveitou as oportunidades para educar o povo ensinando os conceitos fundamentais da música e seu papel no contexto eclesiástico, partindo invariavelmente dos fundamentos bíblicos e da visão do reformador Martinho Lutero.

      Por muitos anos, a liderança musical foi do pastor e maestro Paulo Brum (atualmente pastor no Canadá), e, posteriormente, do pastor Hélio Alabarse.

      Hoje, o legado do Grupo Címballuz perdura como um testemunho vivo da capacidade transformadora da música e da fé. Sua jornada, iniciada nos corredores do Seminário Concórdia, continua a inspirar gerações futuras a explorar novos horizontes musicais em todas as suas formas.

      O grupo gravou sete álbuns, cujas músicas, na sua maioria, são composições inéditas. Além destes, gravou o primeiro DVD ao vivo na IELB, obra gravada em duas noites e que reuniu mais de 150 vozes num grande coro, orquestra Camerata Tio Zequinha, naipe de metais e a banda que gravou o primeiro DVD acústico da IELB.

    Atualmente, o Grupo tem sua sede junto à Comunidade Evangélica Luterana Cristo, de Porto Alegre, RS.

Discografia

Álbuns

  1. Só a Deus o Louvor
  2. Luz e Paz
  3. Louvor Eterno
  4. O Alvo pra Vida
  5. 10 anos – acústico ao vivo

DVD – 10 anos – ao vivo

  • Cativar – com Coro Infantil da Ulbra
  • Todo Tempo Tudo Mais

     Além dos álbuns, as músicas do grupo estão disponíveis na plataforma de streaming Spotify.

Ex-integrantes:

Paulo Brum, Dalcio Scheunemann, Silvana Brum, Erno Kufeld, Pedro Albrecht, Adriano Rose Alves, Clauber Ricardo Kny, Cláudio Eduardo Kny, Rebeca Grasel, Sissy Grasel, Dagmar Amsberg, Alexandre Janner, André Cardoso, Eduardo Farias, Fabio Goerl, Jean Regina, Mariana Romais, Camila Romais, Davi Santos, Eduardo Martinho.

Atualmente o grupo é formado pelos músicos: Sérgio Lutz, Hélio Alabarse, Rodrigo Bloch, Tiago Tieze, Brayan Alabarse, Hildor Faber Jr, Helen Faber, Isabela Pinz, Herena Schuller e Alexandro Blos.

Depoimentos

“O Címballuz foi importante na minha vida em relação à minha produção musical, ao meu entendimento de teologia e ao meu desenvolvimento pessoal. No primeiro caso, eu já tinha tocado em banda de congregação, mas a experiência no Címballuz foi única em vários aspectos. Lá, aprendi a tocar mais instrumentos, e o dia a dia do grupo me trouxe um entendimento muito maior de como arranjos são feitos e de como utilizar as habilidades individuais de cada músico para o som do grupo. É importante considerar que o Címballuz era imenso e tinha vários multi-instrumentistas: em um momento, nós podíamos preparar uma música com metais e percussão extra, e alguns minutos depois podíamos estar cantando uma peça coral a quatro vozes. Em termos de teologia, eu era relativamente novo na igreja quando entrei no grupo. Ter quatro pastores com os quais a gente podia conversar sobre qualquer pergunta era reconfortante. Melhor ainda, eles mesmos puxavam conversas sobre teologia em viagens, ou nos intervalos de ensaio; dessa forma, eu estava sempre aprendendo sem me sentir embaraçado em perguntar algo aqui ou ali. Na minha vida pessoal, eu tive a sorte de conhecer muitas pessoas nessa jornada, e fiz alguns amigos que foram imprescindíveis na primeira parte dos meus 20 anos de idade (que foi uma época particularmente conturbada), com alguns dos quais eu ainda tenho contato hoje. Fazer parte de um grupo de pessoas focado em oferecer uma música dinâmica, com vários instrumentos e o objetivo claro de servir à igreja, me mudou para muito melhor como pessoa e como cristão”. (Eduardo Farias – mora em St. Catharines, Ontario, Canadá, é marido da Daniela e pai da Clarissa, Doutor em Música pela Michigan State University, Mestrando em Teologia pelo Concordia Lutheran Theological Seminary, músico do Címballuz entre 2000 e 2005).

“Começou simples, uma banda, com muitas mãos ajudando, vários projetos, muitas histórias de conexão e reconexão com o evangelho, com tentativas de levar ‘Cristo para todos’ valorizando a multiculturalidade brasileira, mesmo com nossas limitações. Foi uma bênção! Louvamos a Deus por isso!”  Paulo e Silvana Brum (Paulo é pastor na New Beginnings Lutheran Church, em Regina, no Canadá, onde reside com sua família).

“Falar do grupo Címballuz é trazer à memória lembranças que impactaram positivamente a minha vida. Participar do grupo significou para mim uma oportunidade maravilhosa de cantar e louvar ao meu Deus e Salvador. A experiência de compartilhar o amor de Deus com voz e instrumentos musicais em tantos lugares e culturas diferentes, me deram um aprendizado singular que em muito agregou na minha caminhada como servo de Cristo no santo ministério.  Só tenho a agradecer a Deus pelo privilégio de ser usado juntamente com esse grupo maravilhoso, marcando uma época que despertou diferentes grupos e estilos de louvor na igreja. Como não lembrar do convite: ‘Oh gente boa, vamos cantar e louvar’, ‘Solta o cabo da nau’. ‘Tudo isso foi Deus quem fez na minha vida’, ‘por isso eu só confio no Senhor que não vai falhar’.  ‘Só Jesus é a aliança’ que nos leva ao louvor eterno. ‘Ele é o único que é digno de receber toda honra, toda glória e todo louvor’”. (Erno Kufeld – é pastor em Conventos, Lajeado, RS).

“Para mim, o Címballuz é uma oportunidade única de louvar a Deus. Fiz parte desde a criação e ainda tenho a alegria de fazer parte do grupo atualmente. Agradeço a Deus por conhecer tantas pessoas e lugares, desenvolver habilidades, adquirir conhecimento em áreas diversas através do grupo. Agradeço a Deus e a todos que contribuíram para que o grupo pudesse estar celebrando 30 anos de vida! (Sérgio Lutz – é pastor, professor e administrador. Mestre em Gestão e Negócios, atua como diretor do Colégio Concórdia, de Porto Alegre, RS).

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Emergindo das águas: Um novo começo

A nossa querida Editora Concórdia irá se reerguer e continuará a ser a editora da teologia bíblica e confessional que herdamos da Reforma. Publicando a Palavra que permanece.

Veja também

Emergindo das águas: Um novo começo

A nossa querida Editora Concórdia irá se reerguer e continuará a ser a editora da teologia bíblica e confessional que herdamos da Reforma. Publicando a Palavra que permanece.

Um fim em comum!

E para cumprir com seu propósito, a IELB: utilizará os meios de comunicação; produzirá e distribuirá livros e material religioso, fundando e mantendo organizações com essa finalidade. Esse é o porquê de a Igreja ter uma editora.

14º Encontro Nacional de Escolas Luteranas (14º ENEL)

Em 1524, Lutero elaborou um documento que lançaria as bases de conceitos como educação pública e gratuita, universalização do ensino, ludicidade no processo ensino-aprendizagem, educação interacionista, protagonismo do aluno, aprendizagem significativa e de uma educação com propósitos existenciais, fundamentada nos princípios cristãos.