Pais são como bons vinhos

Imagino que ser pai é uma arte que se transforma constantemente, nas mais diferentes fases da vida. Quando nasce um filho, nasce também um pai. E ambos aprendem juntos a arte de amar e ser amado. Ambos estão sempre aprendendo um com o outro. Crianças aprendem a viver. Homens aprendem a ser pais. E isso acontece ao longo da vida, etapa por etapa, entre erros e acertos. E sempre debaixo do perdão e do amor de Deus.

Até parece que essa arte de ser pai assemelha-se ao processo de produção de um bom vinho, que leva tempo e passa por diversos processos. Vinhos finos são diferenciados, são curtidos em barris de carvalho, e o tempo torna-se aliado na sua produção. Sim, o tempo ajuda um bom vinho a incorporar sabores e a maturar lentamente nos porões escuros e úmidos.

Muito melhor do que um bom vinho curtido pelo tempo é o conselho de um pai que já passou por diversos processos de maturação, que já enfrentou boa parte da vida, que já viveu os mesmos dilemas, culpas e dúvidas que hoje tiram o sono dos filhos. Filhos precisam apreciar, brindar e degustar desta riqueza que destila da experiência de vida dos seus pais. As rugas e cabelos brancos dos pais são sinais de um homem que já trilhou pelo caminho onde agora os filhos estão.

Porém não é só o tempo e a experiência de vida que faz de um pai um depósito de sabedoria e bons conselhos. Pela confiança e pela fé cristã, Deus oferece sabedoria a toda e qualquer pessoa – especialmente aos pais: “Para ser sábio, é preciso primeiro temer a Deus, o SENHOR” (Pv 1.7). De um coração crente no amor de Jesus é que brota a sabedoria para se viver a nobre arte de ser pai. Essa sabedoria está disponível para pais novos, que estão aprendendo a se conhecer como pais. Esta sabedoria está disponível para pais que são vovôs e que, mesmo assim, continuam amadurecendo como os bons vinhos.

Há um ingrediente especial que realça o sabor maravilhoso de um relacionamento entre pais e filhos. É o perdão, o perdão real e verdadeiro de Jesus. O perdão que nos ensina a perdoar. Afinal, neste processo de maturação e amadurecimento, diversos atritos podem acontecer. Pais não são perfeitos. Filhos não são perfeitos. E aí entra em ação o Espírito Santo que, pelos meios da graça, nos convida a viver o perdão que destrói muros de distanciamento e nos aproxima uns dos outros.

Sim, penso que pais são como bons vinhos, onde o tempo é instrumento para realçar sabores e valores. Pais precisam da sabedoria que vem do alto. Sabedoria que ensina a viver o perdão em família, que ensina a ter tempo para os filhos, que ensina a deixar de herança aos filhos a fé em Jesus – o mesmo que garante a ressurreição dos mortos e a continuidade destes relacionamentos. Onde, aí sim, iremos brindar com os “vinhos mais finos”, como próprio Senhor nos descreve a festa do céu em Isaías 25.6. Pais e filhos, diante do Senhor, brindarão à salvação que Cristo nos conquistou!

Quanto a nós, filhos, cabe lembrar: “Meu filho, escute o que o seu pai ensina e preste atenção no que a sua mãe diz. Os ensinamentos deles vão aperfeiçoar o seu caráter” (Pv 1.8-9).


Bruno Serves

Pastor em Candelária, RS

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Pastor é instalado em Sinop, MT

Mauro Scheibler irá atuar na Paróquia Emanuel

Veja também

Pastor é instalado em Sinop, MT

Mauro Scheibler irá atuar na Paróquia Emanuel

Você já reclamou de um presente dado por Deus?

“Quem vem aí?”, me perguntou uma senhora na saída do culto. Ao responder que era mais um menino, ela disse: “Ah, não!! Tinha que ser uma menina!” Quase sem acreditar no que ouvi, questionei: “Por quê? Não mesmo! Quando Deus envia o presente, a gente aceita com gratidão”.

Dores que fazem crescer

“Feliz é aquele que nas aflições continua fiel! Porque, depois de sair aprovado dessas aflições, receberá como prêmio a vida que Deus promete aos que o amam” (Tg 1.12).