Política e Integridade

“E agora, ó Senhor Deus, cumpre a promessa que fizeste ao meu pai. Já que me fizeste rei de um povo tão numeroso como o pó da terra, dá-me sabedoria e conhecimento para que eu possa governá-lo. Se não for assim, como poderei governar este teu grande povo?” (2 Cr 1.9-10).

Como escrever algo novo sobre um problema tão antigo quanto a humanidade? Fui então buscar subsídios num dos políticos ou governantes de renome do passado: o rei Salomão. Poucas figuras bíblicas foram tão engrandecidas pela sabedoria, entendimento e inteligência, como ele. Sua fama correu por todas as nações ao redor de Israel.

Diz a Escritura que Salomão compôs 3.000 provérbios, escreveu 1.005 cânticos, discorreu sobre todas as plantas, falou dos animais, dos répteis e dos peixes. De todos os povos, vinha gente para ouvir a sabedoria de Salomão. Também chegavam até ele enviados de todos os reis da Terra que tinham ouvido falar de sua sabedoria. E a fama de Salomão alcançou os nossos dias.

Mas e o seu exemplo?

É sempre bom lembrar que Salomão, ao saber que seria rei, apenas pediu um presente de Deus: sabedoria, para bem governar o povo que lhe fora confiado.

Foi esse Salomão que, em um de seus provérbios, escreveu “quem anda em integridade anda seguro” (Pv 10.9). Num outro, aconselha o rei Lemuel a não se esquecer da lei e a não perverter o direito do aflito. E, às pessoas em geral, recomendou que não se comprometam a ponto de ficarem por fiadores de dívidas.

É evidente que a integridade vai além da política e dos políticos, ela vale para todas as pessoas. A integridade, o não comprometer-se em troca de favores, o cuidar-se em procurar cumprir a lei e respeitar os direitos das pessoas, tem a ver com a ética.

Ética, como diz a sabedoria popular, é algo que não se compra nas esquinas. É algo que se tem ou não se tem. Não é por outra razão que tanto se fala ou se denuncia que estamos sofrendo de uma “crise” ética. Mas é preciso que se tenha o cuidado, ao analisar sob essa ótica, a situação que estamos vivendo no Brasil, pois a coisa mais fácil é generalizar e fazer terra arrasada. Isso, por outro lado, nos colocaria a um passo do surgimento de novos “salvadores” da pátria, novos detentores da ética e da moralidade, como já tivemos no Brasil e temos em alguns países na América Latina.

Em épocas como esta que o Brasil está passando, frases como “cada povo tem o governo que merece” e “o governo é reflexo da sociedade” também não ajudam muito para o esclarecimento da situação. Da mesma forma como não basta defender teses como o estado laico, a distinção entre Igreja e Estado ou ética e religião.

Não existem respostas simples para questões complexas, porque não há uma resposta única para todos os problemas, ainda que, como cristãos, creiamos em verdades absolutas. Mas também não podemos aceitar a tese daqueles que defendem uma ética da maioria.

Dietrich Bonhoeffer, teólogo de formação luterana, e que defendia a distinção entre Igreja e Estado, bem como enfatizava os limites do Estado, entendia que o Estado não podia ter poder sobre a consciência de seus cidadãos. Para Bonhoeffer, não existe algo como fidelidade incondicional. Segundo ele, no entanto, a Igreja tem um papel a ser exercido na sociedade – uma responsabilidade política de denunciar os pecados cometidos pelas autoridades e proteger os cidadãos das injustiças que sofrem, e de exortar as autoridades e governos para que mantenham a ordem e sustentem as garantias e os direitos constitucionais. E, quanto aos cidadãos individualmente, se a Igreja tem um papel institucional de servir de “consciência” para as autoridades, o cristão não pode furtar-se de, dentro dos limites constitucionais, participar e não submeter a sua consciência cristã aos abusos e desmandos das autoridades.

Voltando ao governante Salomão. O fato de Deus ter dado a ele sabedoria, entendimentos e inteligência inigualáveis, não o eximia de governar dentro dos limites “constitucionais” preestabelecidos.

Todas as características que o tornaram universalmente famoso não lhe davam o direito de fazer acordos para governar como bem entendesse. Toda vez que Salomão “pisou na bola”, ele foi repreendido e punido.

Quem sabe Salomão só se manteve no trono por ter tido a humildade suficiente de reconhecer seus erros. Mas sabemos que, depois de Salomão, seu reino ficou irremediavelmente dividido. Sob todos os aspectos éticos – morais e espirituais, os lamentáveis erros e abusos que estão sendo cometidos por lideres, autoridades, governantes e cidadãos precisam continuar sendo denunciados e, principalmente, punidos.

Institucional e individualmente, como cidadãos responsáveis, não devemos e não podemos nos omitir em fazer a nossa parte. Isso faz parte da petição do Pai-Nosso, que repetimos seguidamente: “Seja feita a tua vontade, assim na Terra como no Céu”.

E o melhor caminho para começar a mudar ou retomar os valores éticos, morais, espirituais, culturais e políticos que prezamos é o caminho do voto, da escolha democrática do seu candidato, em todos os níveis de autoridades estabelecidas pela nossa Constituição Federal.

“A Igreja tem um papel a ser exercido na sociedade – uma responsabilidade política de denunciar os pecados cometidos pelas autoridades e proteger os cidadãos das injustiças que sofrem, e de exortar as autoridades e governos para que mantenham a ordem e sustentem as garantias e direitos constitucionais. E quanto aos cidadãos individualmente, se a Igreja tem um papel institucional de servir de “consciência” para as autoridades, o cristão não pode se furtar de, dentro dos limites constitucionais, de participar e não submeter a sua consciência cristã aos abusos e desmandos das autoridades”.

Oscar Lehenbauer, Porto Alegre, RS

Material publicado na revista Mensageiro Luterano em setembro de 2012.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Veja também

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Missão Feliz, RS, completa 8 anos

A missão iniciou em 2016, com seis pessoas e hoje, já são 29 pessoas ativas e alguns visitantes

Setenta anos, a Igreja em missão em Baixo Guandu, ES

Congregação Da Paz celebrou culto festivo no dia 14 de abril