Primeiro Mandamento

No Catecismo Maior, Lutero ensina que “ter um Deus representa aquilo do qual se deve esperar todo o bem, dele se socorrendo em todos os apertos. Ou seja, ter um Deus não significa outra coisa senão crer e confiar nele do fundo do coração” (CM, p.26). Lutero deixa claro que esta confiança pode ser dirigida ao Deus verdadeiro como também a um ídolo. Deus é aquilo a que a pessoa se agarra.

Formas de transgredir o Primeiro Mandamento

Deus é a única fonte de consolo e segurança que existe para as pessoas. É importante saber que ter a Deus como única fonte de consolo e segurança não significa uma simples fé pela qual a pessoa apenas reconhece a existência de Deus, mas uma entrega total a Deus. Isto também implica reconhecer a incapacidade da pessoa em resolver os seus problemas.

Lutero afirma que idolatria é quando se procura e busca socorro e conforto não em Deus, mas em criaturas, santos ou objetos, e se recorre à feitiçaria e à magia negra. Existem também pessoas que confiam na sabedoria, na inteligência e no prestígio pessoal. Ainda conforme Lutero, o ídolo mais comum é o dinheiro. Pessoas com dinheiro ou posses sentem-se seguras. Quem não tem dinheiro fica angustiado e se queixando por não tê-lo, pensando que nele está a solução de todos os problemas. Lutero observa que “encontraremos poucas pessoas que, não tendo dinheiro, estejam numa boa” (CM, p. 27).

Deus sempre espera que as pessoas se entreguem completamente a ele e busquem nele a solução de todos os problemas, inclusive a salvação, só possível em Jesus Cristo.

Cumprindo o Primeiro Mandamento

Lutero ensina que “deve-se confiar exclusivamente em Deus, esperar dele apenas coisas boas, já que é ele quem dá o corpo, a vida, comida, bebida, sustenta, dá saúde, proteção, paz e tudo aquilo que precisamos de bens temporais e eternos” (CM, p. 29). Por bens temporais se entende tudo que uma pessoa necessita para viver aqui neste mundo. Lutero explica que os bens temporais são concedidos por Deus usando meios: “As criaturas são apenas a boca, o canal, o veículo pelo qual Deus concede tudo: para a mãe ele dá seio e leite para a criança, para o sustento, ele concede grãos e toda espécie de frutos da terra. Nenhuma criatura consegue produzir esses bens por si própria” (CM, p. 30).

Bens espirituais

Deus não apenas se preocupou com o nosso bem-estar terreno, mas quer também nosso bem-estar eterno. Por isso enviou o seu Filho ao mundo para nos salvar do pecado. Escreve o apóstolo João: “Porque Deus amou o mundo tanto, que deu o seu único Filho, para que todo aquele que nele crer não morra, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.16).

O que Deus espera de nós

Lutero pede: “Pesquise seu próprio coração a fundo e se tiver um coração que somente espera coisas de Deus, principalmente na angústia e miséria, e que abre mão de tudo que não seja Deus, então você tem o único Deus autêntico” (CM, p.30). Se o coração estiver preso e buscando ajuda fora de Deus, diz Lutero: “Você tem um outro deus: um ídolo” (CM, p.30).

Logo, cumprimos o Primeiro Mandamento quando reconhecemos e buscamos junto a Deus toda ajuda e socorro. Quando reconhecemos que é o único doador de todas as coisas. Inclusive que é ele quem nos salva através de seu Filho Jesus, o nosso Salvador.

(As citações são do Catecismo Maior de Martinho Lutero – tradução de Walter O. Schlupp, para o qual usamos a abreviação CM).

Elmer Teodoro Jagnow,

Pastor em Forquetinha, RS

*Texto publicado na edição de agosto de 2014 do Mensageiro Luterano

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Veja também

Deus nos livre de nós mesmos

Um coração adoentado desta forma jamais conseguiria restaurar, por si só, a salvação jogada fora lá no Éden. Por isso, o perdão e a restauração deste coração corrompido estão unicamente em Jesus

Missão Feliz, RS, completa 8 anos

A missão iniciou em 2016, com seis pessoas e hoje, já são 29 pessoas ativas e alguns visitantes

Setenta anos, a Igreja em missão em Baixo Guandu, ES

Congregação Da Paz celebrou culto festivo no dia 14 de abril