Tempos de pandemia, tempos de oportunidades

As pandemias sempre deixaram marcas profundas na humanidade. Foi num longo período de pandemia, por exemplo, que ocorreu a Reforma Luterana, e nós sabemos o quanto ela impactou a igreja e a sociedade de modo geral.

Neste mês, a Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IELB), completa 116 anos de atividades, iniciadas oficialmente em 24 de junho de 1904. E no seu 116º aniversário, os membros da IELB, assim como as pessoas de todo o mundo, vivem uma crise de medo, sofrimentos e incertezas, que muitos analistas já dizem ser, a atual pandemia, o maior desafio que a humanidade enfrenta desde a Segunda Guerra Mundial. E também já é consenso que ela deixará marcas profundas na história da humanidade e que muita coisa irá mudar no período pós-pandemia. Quer pensemos na humanidade, em nosso país, em nossa igreja ou em nós mesmos, estes são tempos de grande oportunidade:

1 – Para uma profunda avaliação e mudança de mentalidade

As Sagradas Escrituras não escondem absolutamente nada sobre a realidade do ser humano pecador. Elas mostram o quanto ele é pecador e quais são as consequências do pecado. Mas elas também mostram que Deus está sempre chamando seus filhos ao arrependimento e está sempre pronto a perdoar aqueles que, confiantes e arrependidos dos seus pecados, suplicam pelo seu auxílio.

Essa realidade está explícita no livro de Juízes. Quando havia paz, tranquilidade e prosperidade, o povo de Israel, lentamente, ia se afastando do caminho que Deus lhe propunha na sua santa lei e ia enveredando para o caminho da idolatria, apegando-se aos deuses dos povos pagãos e vivendo uma vida de promiscuidade e desobediência a Deus.

Quando o povo trilhava o caminho da perdição, Deus, de uma forma pedagógica, permitia que povos inimigos invadissem, conquistassem e dominassem seu território por algumas décadas, até que o povo reconhecesse seus pecados e se voltasse para ele. Quando isso ocorria, imediatamente Deus providenciava o livramento através de um dos seus servos, como Gideão, Jefté, Débora e outros.

Deus também tem um bom propósito com esta pandemia, pois ele nos garante que todas as coisas cooperam para o bem dos que o amam (Rm 8.28). O que Deus quer mostrar para você, para mim, para a igreja e para o mundo? Do que precisamos nos arrepender e corrigir em nossa vida?

Geraldo Walmir Schüler

Presidente

2 – Para nos fortalecermos nos ensinos bíblicos

A Palavra de Deus é indispensável para o cristão durante toda a vida. Porém, a leitura dela e o estudo bíblico têm importância especial nesse tempo de pandemia, quando não temos a oportunidade de participar de atividades nos templos.

Através da Palavra de Deus, o Espírito Santo cria e fortalece a fé. Também consola, motiva e orienta para permanecermos firmes na vida consagrada a Jesus em meio às dificuldades da vida. O evangelho nos certifica do amor e da presença de Jesus em nossa vida.

Recomendamos que as famílias promovam o estudo da Palavra de Deus e os cultos domésticos em seus lares, especialmente neste tempo de pandemia.

É notável o efeito da Palavra no episódio da caminhada dos dois discípulos a Emaús. Eles andavam frustrados e desanimados. Jesus se junta a eles e, na conversa, expõe a Palavra, fazendo um estudo bíblico, conforme está no texto: “… começando por Moisés, discorrendo por todos os profetas, expunha-lhes o que a seu respeito constava em todas as Escrituras” (Lc 4.27). Quando reconheceram Jesus e se lembraram do ensino dele, houve uma transformação marcante na vida deles: A frustração e desânimo deram lugar à alegria e ao júbilo!

Deus nos ajude a estudar a Palavra! Que pela Palavra fortaleça a nossa fé e confiança na graça, no amor e na proteção de Jesus.

Martinho Sonntag

Vice-presidente de Educação Cristã

3 – Para aperfeiçoarmos a administração das dádivas divinas

Aqui neste mundo não somos donos de nada, tudo pertence ao nosso Deus e Senhor. Administrar ou ser mordomos destes bens é uma obrigação nossa, e devemos fazê-lo da melhor maneira, pois vamos ter que prestar contas da administração destes bens.

Este período de quarentena e recolhimento é uma oportunidade de revermos nossos conceitos em relação à aplicação dos recursos que temos disponíveis, é o momento de revermos nosso orçamento pessoal e familiar, é tempo de revermos nossos gastos pessoais e familiares.

Na aplicação dos recursos que são colocados à nossa disposição, vamos aproveitar para analisar a real necessidade de adquirimos um determinado bem, ou se estamos simplesmente adquirindo por um apelo comercial ou para demonstrar que temos condições para tal aos nossos vizinhos ou colegas, resumindo: para nossa ostentação.

Neste período também podemos nos dedicar a avaliar nossa participação na igreja, na qual congregamos, tanto na comunhão com os irmãos na fé como também na participação com nossas ofertas para o trabalho do reino de Deus. Estamos ofertando conforme nos ensinam as Sagradas Escrituras? Estamos olhando à nossa volta, vendo como as pessoas estão, para aperfeiçoarmos a administração das dádivas divinas às necessidades do nosso próximo? Enfim, é um período de reflexão que nos foi colocado.

Renato Bauermann

Vice-presidente de Administração

4 – Para conectarmos ainda mais as pessoas à confessionalidade cristã luterana em nossas instituições de ensino

Ficar sozinho é difícil. Fomos criados para a vida em comunidade, não para o confinamento ou o isolamento social. Escolas, colégios e universidades preconizam a presença de muitas pessoas: crianças, jovens, adultos, professores, colaboradores e toda comunidade escolar e acadêmica. Tudo isso ficou prejudicado nestes tempos difíceis. Tivemos que nos reinventar e utilizar, ainda mais, a tecnologia da informação e os recursos on-line. Videoaulas, redes sociais, aulas telepresenciais, plataformas digitais, enfim, Deus proporcionou recursos para que escolas e universidades continuassem provendo educação de qualidade e testemunhando a fé cristã nos serviços de capelanias.

Agradecemos que, por mais que nos sintamos sozinhos, o SENHOR nunca nos abandona. Somos gratos pela tecnologia que nos ajuda na conexão com o próximo e proporciona aos pastores capelães a oportunidade de levarem o amor de Deus em Cristo Jesus a toda a comunidade escolar, sabendo que esse período de distanciamento e isolamento social é passageiro e é uma oportunidade para aprofundar nossa conexão com o SENHOR e seu povo, também no ensino.

Que Jesus nos capacite com uma dose extra de seu amor, paz, esperança e alegria, porque precisamos dela para continuar a levar Cristo para todos os discentes, docentes, colaboradores e famílias de nossas escolas e demais instituições de ensino.

Joel Müller

Vice-presidente de Ensino

5–Para olharmos mais para o próximo e suas necessidades

Necessidade é um conceito que recebeu novo significado para milhares de pessoas. Até quem já conceituou ação social como ajuda a pessoas preguiçosas agora está em vulnerabilidade nunca prevista. Há pessoas que não têm o que precisam e sem perspectiva de mudança para a situação que invadiu a vida da família. E necessidades não são apenas alimentos e roupas, mas assessoria solidária para estabilidade emocional, equilíbrio, segurança e sonhos.

A igreja exerce um papel fundamental na vida das pessoas. Haverá necessidade de comida e material para a vida física. Embora muito ampla, esta não é a necessidade mais difícil para ser suprida. A instabilidade emocional, a perda, o luto, a depressão e o medo que se impõem às pessoas que sempre tiveram o necessário para viver, leva à necessidade de amor, apoio, afeto e espiritualidade.

Pessoas da igreja e de fora dela necessitam de assistência espiritual e material. Esta é a oportunidade para a igreja, como instrumento de Jesus, se apresentar equilibrada, sem preconceito, e que não minimiza nem ignora o sofrimento. Este trabalho não é só do pastor, nem de pessoas isoladas: é preciso comunhão, equipe e oração da igreja toda. Alguns na linha de frente, outros na retaguarda e todos em oração. E o Espírito Santo estará nos guiando para que a presença de Jesus na vida das pessoas se mostre por meio da igreja.

Airton Scheunemann Schroeder

Vice-presidente de Ação Social

6 – Para nos comunicarmos mais e melhor com todas as pessoas

Há muito tempo as pessoas estão nas redes sociais convivendo, interagindo, buscando respostas, conforto e direção. E apesar da IELB ter como visão: “sermos uma Igreja Luterana confessional que vai ao encontro das necessidades das pessoas”, jogávamos menos redes no mar virtual do que poderíamos.

Louvo a Deus por ter movido sua igreja a conectar-se com as pessoas de forma on-line, que é a maneira mais segura neste momento desafiador de pandemia e muito eficiente nos dias atuais.

Que bênção ver que, ao invés de ficar com medo, escondida, a igreja de Cristo está falando ainda mais do evangelho e vivendo o amor cristão tendo a tecnologia como aliada. Os pastores, as esposas dos pastores e tantos outros membros das congregações Brasil afora estão se lançando à navegação na internet do jeito que podem, do seu jeito, jogando nas redes sociais as suas redes, indo ao encontro das necessidades das pessoas, cumprindo a visão da igreja de forma impressionantemente positiva, apesar de nem sabermos o tamanho da tempestade que está aí.

Incentivo a que estas ações de comunicação permaneçam depois que vier a bonança, pois, sem sombra de dúvida, a nossa missão de proclamar Cristo para todos, muitas vezes utópica, está alcançando mais espaços, e muitas pessoas estão sendo e ainda serão pescadas virtualmente para fazerem parte da família da fé.

Aline Gehm Koller Albrecht

Vice-presidente de comunicação

7 – Para melhor levarmos Cristo para todos

O lema que acompanha a IELB desde a década de 90 resume com esplendor nossa ênfase central: Cristo para Todos! “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira, que deu o Filho Unigênito, para que todo o que nele crê, não pereça, mas tenha a vida eterna”(Jo 3.16).

A missão de salvar é de Deus, mas o desafio é da igreja. Sim, o objetivo de Deus por meio da igreja é alcançar os que não conhecem o evangelho e trazê-los para a comunhão com outros irmãos e irmãs, mostrando a eles a alegria de viver o amor de Jesus. Nosso grande limite está no “todos”.

Olhando para a história da igreja cristã, vemos que nem sempre foi fácil proclamar a verdade que liberta.

Em pleno século 21, nunca imaginaríamos que templos seriam obrigados a fechar. Sim, esta é a realidade que vivemos nos últimos dias por causa da Covid-19.

Diz o ditado: “É nas pequenas batalhas que nos tornamos mais fortes”. Podemos dizer que a batalha que estamos vivendo é grande, mas com a graça de Deus, sairemos dela mais fortes.

Ações maravilhosas de levar Cristo para Todos vimos nos últimos dias. Quantos foram alcançados pelo amor de Jesus! O levar da Palavra neste tempo de Pandemia não parou. Percebemos que a igreja vai além dos nossos templos, e através das redes sociais a Palavra nos alcançou. Muitos fizeram de sua casa um templo e ali receberam o fortalecimento da fé e o perdão dos pecados.

Heder Frederico Pieper Gumz

Vice-presidente de Expansão Missionária

Não sabemos ainda qual será a duração e quais serão as marcas que a pandemia do coronavírus deixará na história da humanidade, na história da igreja e em nossa história de vida pessoal e familiar, mas podemos ter a certeza de que Deus quer deixar marcas positivas, de mudança de mentalidade, de fortalecimento da nossa fé em seu Filho Jesus Cristo, de transformação, de melhorias, de crescimento da nossa relação com ele e com o nosso próximo. Que a vontade dele se cumpra também em nós!

Pastor Geraldo Schüler

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Você já reclamou de um presente dado por Deus?

“Quem vem aí?”, me perguntou uma senhora na saída do culto. Ao responder que era mais um menino, ela disse: “Ah, não!! Tinha que ser uma menina!” Quase sem acreditar no que ouvi, questionei: “Por quê? Não mesmo! Quando Deus envia o presente, a gente aceita com gratidão”.

Veja também

Você já reclamou de um presente dado por Deus?

“Quem vem aí?”, me perguntou uma senhora na saída do culto. Ao responder que era mais um menino, ela disse: “Ah, não!! Tinha que ser uma menina!” Quase sem acreditar no que ouvi, questionei: “Por quê? Não mesmo! Quando Deus envia o presente, a gente aceita com gratidão”.

Dores que fazem crescer

“Feliz é aquele que nas aflições continua fiel! Porque, depois de sair aprovado dessas aflições, receberá como prêmio a vida que Deus promete aos que o amam” (Tg 1.12).

O que alimenta nossa fé?

Esse foi o tema do Congresso de Servas e Leigos do DIVALI