Um vazio psíquico chamado desamparo contemporâneo

Rastro da infância em corpo adulto, assim caminha o ser humano em sociedade

Artur Charczuk
pastor e psicanalista
e-mail: [email protected]
Contato: (51)9923- 57- 187

Este artigo propõe-se a fazer um aprofundamento teórico sobre a experiência de desamparo na atualidade. Primeiramente, quando falamos sobre o assunto desamparo, é válido lembrar sobre o recém-nascido. Ele precisa de ajuda para sobreviver. A ação de terceiros é vital para a subsistência do bebê. A ajuda essencial está na figura do adulto, isto é, ele responderá aos sinais de apelo do nenê. Essa comunicação que acontece e que se estabelece entre a criança e a sua mãe é sumamente importante para o desenvolvimento psíquico. Sendo assim, o sentimento de desamparo já está existente nas primeiras experiências de vida. É o resultado, digamos assim, de uma incompletude do organismo. Da necessidade de realizar permutas com a realidade e da grande dependência do auxílio dos outros. Com isso, também já mencionado em linhas anteriores, é necessário frisar: a figura da mãe tem um importante papel para o desenvolvimento emocional do recém-nascido.

A mãe é como uma intérprete do bebê, ela decodifica seus medos e ansiedades. A figura da mãe capta as informações que aparecem nas manifestações da criança. Com uma boa relação e comunicação, o nenê se sente amparado. A mãe é fonte de amor e proteção, mas caso isso não ocorra, quando a empatia materna não se realiza diante das demandas do recém-nascido, ele pode desenvolver um psíquico frágil. Os pais organizam a teia emocional da criança através de ensinamentos que expressam situações de sins e nãos. Eles ensinam o certo e o errado, o que deve fazer e o que não deve fazer. E os mesmos ensinamentos serão os fundamentos para a criança, futuro adulto, viver e conviver em sociedade.

O SUJEITO DESAMPARADO NA CONTEMPORANEIDADE

Assim como os pais oferecem o suporte emocional necessário para o desenvolvimento da criança, ou seja, a segurança, o amparo, a orientação, a necessidade da subsistência psíquica, não cessa com o término do tempo da infância; em outros termos, estando na fase adulta, o indivíduo ainda precisará suprir suas necessidades psíquicas. A pessoa necessita do objeto protetor; o adulto, mesmo com todas as faculdades em saudável ordem e com um bom acesso à realidade, carregará o sentimento do desamparo. Sim, o homem moderno, descobridor das mais variadas orbes celestiais através da razão, sente insegurança. Rastro da infância em corpo adulto, assim caminha o ser humano em sociedade.

Como muitos estudiosos afirmam, o ser humano perpassa pela época chamada pós-modernidade. Período convidativo para o questionamento dos paradigmas que são os condutores de sentido para o homem que vive em sociedade. Portanto, tudo deve ser colocado em dúvida, tudo é passível de questionamento, nada mais assegura um significado concreto da realidade. Consequentemente, com o apogeu da dúvida, o homem caminha sobre um chão sem alicerce. Ele não tem onde se segurar, ele não tem onde se abrigar, isto é, o indivíduo não encontra um sentido confiável para depositar seu psicológico, dado que tudo está aleatório. A criança que não encontra algum lugar para se segurar, sente medo; o adulto que não encontra algum sentido para depositar seu psiquismo, sente medo. O ciclo chamado pós-modernidade tenciona em constituir um ser humano desamparado.

Com o advento do discurso da dúvida, determinadas instituições que tinham o papel de assegurar o indivíduo ficaram enfraquecidas. Suas exposições, antes tidas como norteadoras e asseguradas pela luz da aceitação, foram abaladas pelas forças da incerteza. Toda instituição é produtora de significado para o ambiente social, o significado auxilia o ser humano a se relacionar com si próprio, com o outro e com a realidade. Como a dúvida corrompeu o desenvolvimento do sentido, o vazio se apresenta como condição do indivíduo contemporâneo. Visto que o indivíduo, além de não experienciar o que é oferecido pelas instituições, termina não significando algo palpável para si, o sujeito não se apropria emocionalmente e tomba na ausência, no que está suspenso, na dessimbolização, no desamparo.

O indivíduo, sem um repertório de significados, não consegue atribuir algum sentido à realidade. Com uma insuficiência simbólica, o sentimento de angústia emerge com grande força. Além do discurso da dúvida, o contexto da superficialidade das informações, o consumismo exacerbado e a aceleração da vida são adições para a formação do sujeito contemporâneo e desamparado. Destarte, o sujeito busca por, pensemos assim, próteses para suprir o desamparo: vícios, compulsões, satisfações e assim por diante.

SOLIDÃO NA MULTIDÃO

Estamos no tempo da fragilidade das instituições e da transitoriedade. A sociedade presente possui teias relacionais efêmeras, ocasionando uma transformação na temporalidade do contato entre as pessoas. Tudo está determinado por uma quantidade de tempo, o tempo mecânico, estipulado pela ordem social e suas prescrições consumistas; anula o tempo pessoal, ou seja, o que é do indivíduo, natural, seu próprio tempo. Com uma comunicação cronometrada, vínculos mais concretos são cada vez mais raros. Um ser humano impermanente, cronometrado, condicionado pelo virtual é tencionado para o individualismo. De fato, para uma boa singularidade é essencial uma saudável vivência na coletividade.

É PRECISO AMPARO

A sociedade precisa mudar, sem dúvida. Existe uma grande necessidade de paradigmas mais sólidos, mais fundamentados e que supram o grande vazio que se alastra cada vez mais por entre os seres humanos. Que os mesmos deem orientações que assegurem o bem-estar do indivíduo, assim, os dilemas do desamparo contemporâneo poderão ser elaborados. Com os laços emocionais mais fortalecidos, o homem atual poderá mirar para um futuro com mais amparo.

NOSSA ALMA ESPERA NO SENHOR

De fato, em um mundo cada vez mais desamparado, o povo de Deus é convidado a colocar sua confiança unicamente no Senhor. Eu gosto muito do salmo 33, especialmente do versículo 20: “Nossa alma espera no SENHOR, nosso auxílio e escudo”. O mundo corre de um lado para o outro, fugindo desesperadamente do sentimento de vazio. Através da fé, o cristão é chamado para a misericórdia em Cristo Jesus. Jesus supre qualquer espécie de vazio, esperançando os corações humanos. Nosso amparo está na cruz. Estamos no período da Quaresma, época convidativa para encontrarmos o tão necessário descanso nas feridas do Filho do Deus. Jesus abraçou o amargor da morte para conceder o precioso evangelho e sua doçura para a humanidade pecadora. Leitor: Jesus é o nosso auxílio, escudo para os desamparos da vida. “Nossa alma espera no SENHOR”; sim, espere, descanse no Senhor, um amparo que não vem do tempo dos homens, mas da eternidade de Deus, de Jesus Cristo.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Matérias Relacionadas

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase

Veja também

Saúde mental em meio a desastres e catástrofes

A busca por autoconhecimento é sempre fundamental, ter ciência das suas habilidades, quando e onde tem condições físicas e emocionais para atuar é fundamental. Confira algumas dicas de como lidar com as emoções em cada fase

Livres para servir: o papel da religião na promoção do bem comum

A realização dos ideais religiosos depende da preservação da liberdade religiosa – o direito fundamental de praticar, expressar e manifestar suas crenças sem discriminação ou perseguição. Defender a liberdade religiosa não é apenas uma obrigação legal, mas um imperativo moral que garante o florescimento de diversas comunidades religiosas e promove um ambiente propício ao diálogo e à cooperação

A parábola do semeador

A cultura digital afasta-nos da terra. Por mais evoluídos que sejamos, não podemos perder contato com a terra, a terra somos nós mesmos, pó é nossa origem e nosso destino. O período de uma vida transcorre de pó a pó